A Contribuição do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos para o envelhecimento ativo

Autores

  • Thiago Prisco Prefeitura Municipal de Contagem

DOI:

https://doi.org/10.34019/1980-8518.2020.v20.30723

Palavras-chave:

envelhecimento, envelhecimento ativo, Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos - SCFV

Resumo

O presente artigo discorre sobre a contribuição do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV) da Assistência Social para o envelhecimento ativo de pessoas idosas. O trabalho adota a concepção da Organização Mundial da saúde para classificar envelhecimento ativo. Aponta como o Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos contribui para o envelhecimento ativo de idosos que vivenciam situação de vulnerabilidade e/ou risco social. O método de pesquisa adotado é o de revisão bibliográfica do tipo narrativa, uma vez que o interesse central do estudo é conhecer o fenômeno através de leituras já realizadas por outros pesquisadores, além de análise documental de algumas publicações que versam sobre o tema. Conclui-se que o Serviço de Convivência e Fortalecimento de vínculos contribui para o processo de envelhecimento ativo e saudável uma vez que as suas ações são capazes de contribuir com o bem-estar e interação social de seus participantes, à medida que possibilita a vocalização de demandas e sua organização social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thiago Prisco, Prefeitura Municipal de Contagem

Bacharel em Teologia pelo SEBEMGE, graduado em Serviço Social pelo Centro Universitário UNA e servidor da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte na função de Analista de Políticas Públicas. 

Referências

ALVES, Danielle dos Santos. O envelhecimento e a importância da convivência social e familiar: estudo sobre um Grupo de Convivência na cidade de Cruz das Almas- Bahia. Monografia. Universidade Federal do Recôncavo da Bahia: Cachoeira, Centro de Artes, Humanidades e Letras – CAHL Colegiado de serviço social, 2014. Disponível em: <file:///C:/Users/pr105615/Downloads/Danielle %20dos%20Santos%20Alves%20(3).pdf>. Acesso: 29 out. 2019.

BRASIL. Caderno de Orientações: Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família e Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos. Articulação necessária na Proteção Social Básica. Brasília, 2016.

BRASIL. Conselho Nacional de Assistência Social. Resolução Nº 1, de 21 de fevereiro de 2013.

BRASIL. Perguntas frequentes: Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV). Brasília, 2017. Disponível em: <http://www.mds.gov.br/webarquivos/publicacao/assistencia_social/perguntas_e_respostas/PerguntasFrequentesSCFV_032017.pdf>. Acesso em: 08 jul. 2019.

BRASIL. Perguntas Frequentes: Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV). Brasília, 10 de julho de 2017.

BRASIL. Política Nacional de Assistência Social – PNAS. Brasília, Novembro de 2004.

BRASIL. Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos para Pessoas Idosas: Orientações Técnicas. Brasília, 2012.

BRASIL. Tipificação Nacional de Serviços Socioassistenciais. Resolução Nº 109, de 1 de novembro de 2009.

CARVALHO, Yara Maria Vieira de. Desafios para a Prestação do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV) para Idosos de Acordo com a Política de Assistência Social. Monografia. Universidade de Brasília. Brasília-DF: 2017. Disponível em: <http://bdm.unb.br/bitstream/10483/17454 /1/2017_YaraMariaDe Carvalho_tcc.pdf>. Acesso em: 24 out. 2019.

MELO, Fernanda Caroline Tavares de; et. al. Reconstrução histórica do conceito de envelhecimento. Anais CIEH, v. 2, n. 1, 2015. Disponível em: <https://editorarealize.com.br/revistas/cieh/trabalhos/TRABALHO_EV040_MD2_SA1_ID317_02082015230100.pdf>. Acesso em: 02 jul. 2019.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Envelhecimento ativo: uma política de saúde. Brasília: Organização Pan-Americana de Saúde, 2005. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/envelhecimento _ativo.pdf>. Acesso em: 08 jul. 2019.

PAIVA, Vilma Maria Barreto. A velhice como fase do desenvolvimento humano. Rev. De Psicologia, Fortaleza, n.4, v. 1, jan./jun., 1986. Disponível em: <http://www.repositorio.ufc.br/bitstream/riufc/10807/1/1986_art_vmbpaiva.pdf>. Acesso em: 02 jul. 2019.

Papalia, Diane. E.; Olds, Sally. W.; & Feldman, Ruth Duskin. Desenvolvimento Humano. Porto Alegre: Artmed, 2006.

RODRIGUES, M. C. Envelhecimento: uma concepção do desenvolvimento como inacabado. Rev. Bras. Cresc. Desenv. Hum., São Paulo, v. 12, n.1, 2002. Disponível em: <file:///C:/Users/pr105615/Downloads/39687-Texto%20do%20 artigo-46853-1-10-20120821% 20(2).pdf>. Acesso em: 24 abr. 2019.

SCHNEIDER, Rodolfo Herberto; IRIGARAY, Tatiana Quarti. O envelhecimento na atualidade: aspectos cronológicos, biológicos, psicológicos e sociais. Estud. psicol. (Campinas), Campinas, v. 25, n. 4, p. 585-593, Dez. 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-166X200800 04 00013&l ng=en&nrm=iso>. Acesso em: 23 abr. 2019.

SILVA, Eduardo Alexandre Ribeiro da. Interação social e envelhecimento ativo: um estudo em duas praças em Natal/RN. Tese (Doutorado). Universidade Federal do rio Grande do Norte. Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes. Programa de Pós-graduação em Psicologia. Natal: 2014.

SILVA, Leilce Patrícia do Rosário SANTOS, Maria de Nazaré de Souza SANTOS, Laira Vasconcleos dos. Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos no Centro de Convivência Zoé Gueiros em Belém/PA. 2017. Disponível em: <https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/180111>. Disponível em: 23 out. 2019.

Tótora, Silvana. Envelhecimento ativo: proveniências e modulação da subjetividade. Revista Kairós, Gerontologia, v.20, n.1, p. 239-258. São Paulo, 2017. Disponível em: <https://revistas.pucsp.br/index.php/kairos/article/view/ 33496/23081>. Acesso em: 26 ago. 2019.

Publicado

2020-12-15