(RE)SIGNIFICAÇÕES DA IDENTIDADE LITERÁRIA AFRO BRASILEIRA NA PROSA DE CONCEIÇÃO EVARISTO

  • Bárbara Inês Ribeiro Simões Daibert Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Luciana de Oliveira Rodrigues Universidade Federal de Juiz de Fora

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo refletir sobre a prosa de Conceição Evaristo, investigando a representação das diferenças, principalmente sociais e de gênero, na escrita de seus contos, por meio da busca e da valorização da ancestralidade africana.

Palavras-chave: Identidade Africana. Ancestralidade. Literatura. Nação.

Referências

 BARROS, José d’Assunção. A historiografia pós-moderna. Ler História, n. 61, 2011, p.147-167. Disponível em: <https://journals.openedition.org/lerhistoria/1655>. Acesso em: 27 abr. 2019.

BHABHA, Homi K. O local da cultura. Belo Horizonte: UFMG, 1996.

CÔRTES, Cristiane. Diálogos sobre escrevivência e silêncio. In: DUARTE, Constância Lima; CÔRTES, Cristiane; PEREIRA, Maria do Rosário A. (orgs). Escrevivências: identidade, gênero e violência na obra de Conceição Evaristo. Belo Horizonte: Idea, 2016. p. 51-60. 

EVARISTO, Conceição. Olhos d’água. Rio de Janeiro: Pallas, 2010.

______. Insubmissas lágrimas de mulheres. Belo Horizonte: Nandyala, 2011.

______. Ponciá Vicêncio. Belo Horizonte: Mazza, 2003.

______. História de leves enganos e parecenças. Rio de Janeiro: Malê, 2016.

_____. Gênero e etnia: uma escre(vivência) da dupla face. In: MOREIRA, Nadilza Martins de Barros; SCHNEIDER, Diane (eds.). Mulheres no mundo, etnia, marginalidade e diáspora. João Pessoa: Ideia, 2005. p. 201-212. Disponível em: https://pt.scribd.com/document/177337990/Conceicao-Evaristo-Genero-e-etnia-uma-escre-vivencia-de-dupla-face. Acesso em: 20 abr. 2019.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Organização e tradução de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

GANDHI, Leela. Postcolonial theory: a critical introduction. New York: Columbia University,1998.

GARUBA, Harry. Explorações do realismo animista: notas sobre a leitura e a escrita da literatura, cultura e sociedade africana. Tradução Elisângela da Silva Tarouco. Nonada: Letras em Revista, Porto Alegre, v. 2, n. 19, p. 235-256, out. 2012. Disponível em: http://www.redalyc.org/pdf/5124/512451673021.pdf. Acesso em: 02 dez. 2018.

______. Reflexões provisórias sobre o animismo, modernidade/colonialismo e a ordem africana do conhecimento. Tradução Alice Botelho Peixoto. CESPUC, n. 32, p. 123-131, jan./jun. 2018. Disponível em: http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoscespuc/article/view/17021. Acesso em: 14 mar. 2019.

HALL, Stuart. Que “negro” é esse na cultura negra? In: ______. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Organização Liv Sovik. Tradução Adelaine La Guardia Resende et al. Belo Horizonte: UFMG; Brasília: Representação da UNESCO no Brasil, 2009.

______. A identidade cultural na pós-modernidade. 11. Ed. Tradução Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Lobo. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

JAMESON, Fredric. Pós-modernismo: a lógica cultural do capitalismo tardio. 2. ed. São Paulo: Ática, 1997.

LIEBIG, Sueli Meira. “Escrevivências”: Evaristo e a subversão de gênero em Insubmissas lágrimas de mulheres. XII Colóquio Nacional Representações de gênero e sexualidades. 08 a 10 de junho de 2016, Campina Grande, PB. Disponível em: file:///C:/Users/Windows%2010/Downloads/TRABALHO_EV053_MD1_SA6_ID571_30042016200422.pdf. Acesso em: 16 fev. 2019.

MOREIRA, Terezinha Taborda. Silêncio, trauma e escrita literária. In: DUARTE, Constância Lima; CÔRTES, Cristiane; PEREIRA, Maria do Rosário A. (orgs). Escrevivências: identidade, gênero e violência na obra de Conceição Evaristo. Belo Horizonte: Idea, 2016. p. 109-119.

POLLAK, Michael. Memória e identidade social. Estudos Históricos. Rio de Janeiro, v. 5. n. 10, p. 200-212, 1992. Disponível em: http://www.pgedf.ufpr.br/memoria%20e%20identidadesocial%20A%20capraro%202.pdf. Acesso em: 09 maio 2019.

PONCE, Eduardo Souza; GODOY, Maria Carolina de. Ancestralidade e identidade  em  “Olhos d’água” de  Conceição Evaristo. Anais do VIII Colóquio de Estudos Literários. Ferreira Cláudia C.; Jacicarla S.; Brandini Laura T.(orgs). Londrina, 06 e 07 ago. 2014. p. 163-170. Disponível em: http://www.uel.br/eventos/estudosliterarios/pages/arquivos/Eduardo%20Ponce%20e%20Maria%20Carolina%20Godoy_Texto%20Completo.pdf. Acesso em: 18 abr. 2019.

SAID, Edward. Cultura e imperialismo. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

SILVA, Assunção de Mari Souza e. “E assim tudo se deu”: as histórias de leves enganos e parecenças. In: DUARTE, Constância Lima; CÔRTES, Cristiane; PEREIRA, Maria do Rosário A. (orgs). Escrevivências: identidade, gênero e violência na obra de Conceição Evaristo. Belo Horizonte: Idea, 2016. p. 295-306.

SILVA, Franciane da Conceição. A presença da ancestralidade em narrativas de Conceição Evaristo e Mia Couto. Cadernos Cespuc, n. 32, jan. /jul. 2018. Disponível em: http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoscespuc/article/view/16962/13446. Acesso em: 12 abr. 2019.

SPIVAK, GayatriChakravorty. Pode o subalterno falar? Tradução Sandra Regina Goulart Almeida, Marcos Pereira Feitosa e André Pereira Feitosa. Belo Horizonte: UFMG, 2010.

Biografia do Autor

Bárbara Inês Ribeiro Simões Daibert, Universidade Federal de Juiz de Fora

Professora adjunta no Departamento de Letras Estrangeiras Modernas da Faculdade de Letras da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Diretora de Relações Internacionais da UFJF. Doutora em Literatura Comparada pela Universidade Federal Fluminense (UFF) e Mestre em Letras: Teoria da Literatura pela UFJF. Graduação em Letras - Língua Inglesa e suas Literaturas - Língua Portuguesa e suas Literaturas - Língua Latina e suas Literaturas pela UFJF.

Luciana de Oliveira Rodrigues, Universidade Federal de Juiz de Fora

Doutoranda em Letras: Estudos Literários pela UFJF, Mestre em Letras pelo Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora (CES-JF). Graduada em Letras pelo CES-JF, graduada em Educação Especial pela Universidade Metropolitana de Santos (UNIMES), Especialista em Educação Especial e Inclusiva com Ênfase em Deficiência Intelectual e Múltiplas pelo Instituto Superior de Educação Ibituruna (ISEIB). Graduada em Pedagogia pelo Centro Universitário FACVEST. Bacharel em Ciências Contábeis pela Faculdade de Ciências Contábeis e Administrativas Machado Sobrinho, Juiz de Fora. Especialização em Marketing pela Universidade Estácio de Sá. Professora de Língua Portuguesa e Professora de Apoio Educacional Especializado na Rede Estadual de Minas Gerais.

Publicado
2019-12-04