Adesão ao Programa Suspirar nas Unidades de Atenção Primária à Saúde do município de Juiz de Fora

Autores

  • Thaís Barbosa de Souza UFJF
  • Dayana Mendes Ribeiro UFJF
  • Thaís Alvarenga Lopes UFJF
  • Fernanda Castro Barros UFJF
  • Teresa Cristina Ribeiro Lopes UFJF
  • Marta Cristina Duarte UFJF

Palavras-chave:

Asma, Prevenção & Controle, Adesão, Atenção Primária à Saúde,

Resumo

A asma é a doença crônica de maior prevalência na infância, responsável por 2000 óbitos anualmente. Nesse contexto, em outubro de 2004 foi iniciado em Juiz de Fora, o Programa Suspirar, englobando crianças e adolescentes de zero a 19 anos. O objetivo do estudo foi analisar a adesão das Unidades de Atenção Primária de Saúde de Juiz de Fora (UAPS)ao Programa Suspirar. Foi realizado um estudo transversal, onde dados foram coletados através de questionários padronizados, enviados para todas as unidades da cidade. A análise estatística foi feita com o programa Epi Info, versão 3.2.2 (CDC, 2005). Um total de 42% das unidades de saúde participou do estudo, sendo que 65,5 % dessas possuíam crianças e adolescentes cadastradas no Suspirar. Com relação à capacitação dos profissionais, 77,3% dos médicos envolvidos se consideravam plenamente capacitados para execução do programa. A maioria das equipes alegou facilidade de acesso ao nível secundário de saúde, porém 23,3% relatou haver dificuldade no encaminhamento ao pneumopediatra. Em relação à formação de grupos educativos, 86,4% das equipes de saúde não realizaram nenhuma atividade com esta finalidade. O cartão Suspirar foi distribuído somente por 42,9% das equipes. Através da análise de diversos fatores essenciais para o sucesso do Suspirar, constatou-se que a sua prática não é uniforme entre as unidades de saúde de Juiz de Fora. Portanto, ações devem ser instituídas para o desenvolvimento pleno do programa, contribuindo, assim, para melhorar a qualidade de vida da população asmática, como também para a otimização de custos do SUS.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thaís Barbosa de Souza, UFJF

Acadêmica da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Juiz de Fora

Dayana Mendes Ribeiro, UFJF

Acadêmica da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Juiz de Fora

Thaís Alvarenga Lopes, UFJF

Acadêmica da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Juiz de Fora

Fernanda Castro Barros, UFJF

Acadêmica da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Juiz de Fora

Teresa Cristina Ribeiro Lopes, UFJF

Professora de Medicina da Criança I e II do Departamento Materno Infantil, da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Juiz de Fora

Marta Cristina Duarte, UFJF

Professora de Medicina da Criança II do Departamento Materno Infantil, da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Juiz de Fora

Referências

BOYD, M. et al.: Interventions for educating children who are at risk of asthma- related emergency department attendance. Londres, 2010.

Cochrane Database of Systematic Reviews 2010, (2):CD001290.

BRANDÃO, H. V. et al. Fatores preditores de hospitalização por asma em crianças e adolescentes participantes de um programa de controle da asma. Jornal Brasileiro de Pneumologia, Brasília, DF, v. 36, n. 6, p. 700-706, 2010.

BUENO, D. Utilização de Medicamentos no Programa da Asma em uma Unidade Básica de Saúde em Porto Alegre- Brasil. Revista APS, Juiz de Fora, v. 13, n. 3, p. 386-390, 2010.

CARMO, T. A.; ANDRADE, S. M.; NETO, A. C. Avaliação de um programa de controle da asma em unidades de saúde da família. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 27, n. 1, p. 162-172, 2011.

CASSOL, V. M. et al. Prevalência de asma em adolescentes urbanos de Santa Maria (RS). Projeto ISAAC- International study of asthma and allergies in childhood. Jornal Brasileiro de Pneumologia, Brasília, DF, v. 31, n. 3, p. 191-196, 2005.

CASTRO, Perpétua Maria Eduarda Bezerra. Características clínicas e assistenciais de crianças com sibilância/asma atendidas na rede de saúde do município de Fortaleza. 2006. 104 p. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública) – Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2006.

Disponível em: <http://www.repositorio.ufc.br:8080/ri/handle/123456789/1335> Acesso em: 26 out. 2012.

COELHO, A. C. C. et al. Manuseio de dispositivos inalatórios e controle da asma em asmáticos graves em um centro de referência em Salvador. Jornal Brasileiro de Pneumologia, Brasília, DF, v. 37, n. 6, p. 720-728, 2011.

EZEQUIEL, O. S.; GAZETA, G. S.; FREIRE, N. M. S. Prevalência dos atendimentos por crises de asma nos serviços públicos do Município de Juiz de Fora (MG). Jornal Brasileiro de Pneumologia, Brasília, DF, v. 33, n. 1, p. 20-27, 2007.

FONTES, M. J. F. et al. Impacto de um programa de manejo da asma sobre as hospitalizações e os atendimentos de urgência. Jornal de Pediatria, Rio de Janeiro, v. 87, n. 5, p. 412-418, 2011.

GUEVARA, J. P. et al. Effects of educational interventions for self management of asthma in children and adolescents: systematic review and meta-analysis British Medical Journal, Londres, v. 326, p. 1-6, 2003.

JENTZSCH, N. S.; CAMARGOS, P. A. M. Métodos empregados na verificação da adesão à corticoterapia inalatória em crianças e adolescentes: taxas encontradas e suas implicações para a prática clínica. Jornal Brasileiro de Pneumologia, Brasília, DF, v. 34, n. 8, p. 614-621, 2008.

KINCHOKU, V. M. et al. Fatores associados ao controle da asma em pacientes pediátricos em centro de referência. Revista Paulista de Pediatria, São Paulo, v. 29, n. 4, p. 591-598, 2011.

LASMAR, L. M. L. B. F. et al.Adesão ao uso de corticóide inalatório na asma: taxas relatadas pelos responsáveis e mensuradas pela farmácia. Jornal de Pediatria, Rio de Janeiro, v. 83, n. 5, p. 471-476, 2007.

M.S. Ministério da Saúde. Portal da Saúde. Brasília, DF, 2011.

Disponível em:<http://www.portalsaude.saude.gov.br> . Acesso em: jun. 2012.

NETO, A. C. et al. Redução do número de internações hospitalares por asma após a implantação de programa multiprofissional de controle da asma na cidade de Londrina. Jornal Brasileiro de Pneumologia, Brasília, DF, v. 34, n. 9, p. 639-645, 2008.

PONTE, E. et al. Impacto de um programa para o controle da asma gravena utilização de recursos do Sistema Único de Saúde. Jornal Brasileiro de Pneumologia, Brasília, DF, v. 33, n. 1, p. 15-19, 2007.

RAMOS, D. D.; LIMA, M. A. D. S. Acesso e acolhimento aos usuários em uma unidade de saúde de Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 19, n. 1, p. 27-34, 2003.

ROCHA, Raquel Gonçalves Moreira. Prevenção em asma: Com o controle da doença evitando crises e os programas existentes. 2008.28 p.Trabalho de Conclusão de Curso (especialização) – Escola de Saúde do Exército, Programa de Pós-Graduação em Aplicações Complementares às Ciências Militares.) Rio de Janeiro, 2008.

Disponível em: <http://www.essex.ensino.eb.br/doc/PDF/PCC_2008> Acesso em: 12 out. 2012.

ROSA, A. M. et al. Prevalência de asma em escolares e adolescentes em um município na região da Amazônia brasileira. Jornal Brasileiro de Pneumologia, Brasília, DF, v. 35, n. 1, p. 7-13, 2009.

SANTOS, P. M. et al. Preditores da adesão ao tratamento em pacientes com asma grave atendidos em um centro de referência na Bahia. Jornal Brasileiro de Pneumologia, Brasília, DF, v. 34, n. 12, p. 995-1002, 2008.

SIGN. A national clinical guideline. British Guideline on the Management of Asthma. Londres, 2008.

Disponível em: < www.sign.ac.uk/pdf/sign101.pdfwww.sign.ac.uk/pdf/sign101.pdf > Acesso em: 23 set. 2012.

Downloads

Arquivos adicionais

Publicado

2016-04-19

Como Citar

1.
Souza TB de, Ribeiro DM, Lopes TA, Barros FC, Lopes TCR, Duarte MC. Adesão ao Programa Suspirar nas Unidades de Atenção Primária à Saúde do município de Juiz de Fora. HU Rev [Internet]. 19º de abril de 2016 [citado 17º de junho de 2024];41(3 e 4). Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/2263

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)