Análise do perfil socioeconômico e da prevalência de enteroparasitoses em crianças com idade escolar em um município de Minas Gerais

  • Júlia Amaral Barbosa Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora (FCMS/JF) - SUPREMA.
  • Mariana Macedo Alvim Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora (FCMS/JF) - SUPREMA.
  • Michele Miguel de Oliveira Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora (FCMS/JF) - SUPREMA.
  • Raquel de Aquino Siqueira Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora (FCMS/JF) - SUPREMA.
  • Thais Resende Dias Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora (FCMS/JF) - SUPREMA.
  • Patrícia Guedes Garcia Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora (FCMS/JF) - SUPREMA.
Palavras-chave: Parasita. Saneamento. Crianças. Prevalência.

Resumo

As enteroparasitoses são causas relevantes de agravo à saúde, sendo frequentes principalmente em crianças com idade escolar. Saneamento básico, higiene e nível socioeconômico são fatores determinantes para a transmissão de parasitoses intestinais. O objetivo foi avaliar a prevalência das parasitoses intestinais em crianças em idade escolar, caracterizar o perfil socioeconômico e de moradia da população e analisar o perfil das parasitoses no município de Rio Preto/MG. O estudo descritivo e transversal analisou amostras de fezes de 79 crianças de 4 a 7 anos em uma escola municipal. A coleta das amostras fecais foi realizada pelo sistema parasitológico Paratest® Formalina 5 para pesquisa de ovos e larvas de helmintos e cistos de protozoários. O material foi avaliado conforme suas características morfológicas através da análise microscópica do sedimento, por quatro observadores. A média de idade foi de 5,6 anos (± 1,1), sendo 51,9% crianças do gênero feminino. A prevalência de parasitoses foi de 11,4% e os protozoários prevalentes foram Giardia lamblia, Endolimax nana e Entamoeba coli. Verificou-se que 69,6% das casas possuíam abastecimento de água tratada; 65,8% possuíam rede de esgoto; 85,0% consumiam água filtrada, mineral ou clorada em casa; e 92,5% declararam lavar as mãos antes das refeições e após usar o banheiro. A prevalência de parasitoses nas crianças participantes do estudo foi considerada baixa e os protozoários encontrados foram Giardia lamblia, Endolimax nana e Entamoeba coli. Apesar da baixa prevalência encontrada, estudos parasitológicos são considerados de extrema importância para o conhecimento das condições de saúde da população, visando a implementação de ações de educação, orientação em saúde e prevenção.

Biografia do Autor

Júlia Amaral Barbosa, Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora (FCMS/JF) - SUPREMA.

Pós-graduanda em Análises Clínicas pela Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora (FCMS/JF) - SUPREMA.

Graduação em Farmácia pela Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora (FCMS/JF) - SUPREMA.

Mariana Macedo Alvim, Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora (FCMS/JF) - SUPREMA.

Pós-graduanda em Análises Clínicas pela Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora (FCMS/JF) - SUPREMA.

Mestre em Saúde Coletiva pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF).

Graduação em Farmácia pela Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora (FCMS/JF) - SUPREMA.

Michele Miguel de Oliveira, Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora (FCMS/JF) - SUPREMA.

Residência Multiprofissional em Saúde do Adulto com ênfase em doenças crônico-degenerativas do HU – UFJF – Análises Clínicas.

Pós-graduanda em Análises Clínicas pela Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora (FCMS/JF) - SUPREMA.

Graduação em Farmácia pela Universidade Severino Sombra (USS).

Raquel de Aquino Siqueira, Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora (FCMS/JF) - SUPREMA.

Graduanda em Farmácia pela Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora (FCMS/JF) – SUPREMA.

Thais Resende Dias, Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora (FCMS/JF) - SUPREMA.

Graduanda em Farmácia pela Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora (FCMS/JF) – SUPREMA.

Patrícia Guedes Garcia, Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora (FCMS/JF) - SUPREMA.

Professora da Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde Juiz de Fora (FCMS/JF) – SUPREMA.

Doutora e Mestre em Ciências da Saúde pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF).

Especialização em Análises Clínicas e Especialização em Microbiologia, Imunologia e Parasitologia pela UFJF.

Graduação em Farmácia pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

Referências

ABREU, L.K. et al. Prevalência e aspectos sócio-epidemiológicos de enteroparasitoses em crianças do centro municipal e educação infantil em Janiópolis-PR. Revista de Saúde e Biologia, v. 9, n. 3, p. 76-84, out./dez. 2014.

AGUIAR-SANTOS, A.M. et al. Avaliação epidemiológica de doenças negligenciadas em escolares: filariose linfática e parasitoses intestinais. Jornal de Pediatria, v. 89, n. 3, p. 250−255, nov. 2013.

ANDRADE, A.O.; SÁ, A.R.N.; BEZAGIO, R.C. Prevalência de parasitoses intestinais em crianças de um centro municipal de educação infantil de Campo Mourão, PR/Brasil. Revista Uningá Review, v. 29, n. 3, p. 36-41, jan./mar. 2017.

ANDREAZZI, M.A.R.; BARCELLOS, C.; HACON, S. Velhos indicadores para novos problemas: a relação entre saneamento e saúde. Revista Panamericana de Salud Pública, v. 22, n. 3, p. 211-217, jun. 2007.

ANTUNES, A.S.; LIBARDONI, K.S.D.B. Prevalência de enteroparasitoses em crianças de creches do município de Santo Ângelo, RS. Revista Contexto & Saúde, v. 17, n. 32, p. 144-156, abr. 2017.

AULER, M.R. et al. Saúde itinerante nos centros municipais de educação infantil do município de Guarapuava - PR; os desafios da promoção da saúde em crianças expostas a doenças parasitárias. Arquivos de Ciências da Saúde da Unipar, v. 22, n. 1, p. 33-41, jan./abr. 2018.

BANHOS, E.F. et al. Prevalence and risk factors for intestinal parasite infections in schoolchildren, in the city of Santarém, Pará State, Brazil. ABCS Health Sciences, v. 42, n. 3, p. 137-142, ago. 2017.

BUSSAB, W. O.; MORETTIN, P. A. Estatística Básica. 9. Ed. São Paulo: Saraiva, 2017.

CAMELLO, J.T. et al. Prevalência de parasitoses intestinais e condições de saneamento básico das moradias em escolares da zona urbana de Caxias do Sul, Rio Grande do Sul. Scientia Médica, v. 26, n. 1, p. 1-6, jan. 2016.

CAVAGNOLLI, N.I. et al. Prevalência de enteroparasitoses e análise socioeconômica de escolares em Flores da Cunha-RS. Revista de Patologia Tropical, v. 44, n. 3, p. 312-322, jul./set. 2015.

COSTA, T.D. et al. Análise de enteroparasitoses em crianças em idade pré-escolar em município de Santa Catarina, Brasil. Revista Prevenção em Infecção e Saúde, v. 1, n. 2, p. 1-9, ago. 2015.

DE CARLI, G.A. Parasitologia clínica. 2. ed. São Paulo: Atheneu,2008.

DELAZERI, M.A.F.; LAWISCH, G.K.S. Incidência de parasitos intestinais em crianças das escolas municipais de educação infantil e ensino fundamental de um município do interior do Rio Grande do Sul. Revista Destaques Acadêmicos, v. 9, n. 3, p. 206-215.2017.

GURGEL R.Q. et al. Creche: ambiente expositor ou protetor nas infestações por parasitas intestinais em Aracaju, SE. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 38, n. 3, p. 267-269, mai./jun. 2005.

HOFFMAN, W.A.; PONS, J.A.; JANER, J.L. Sedimentation concentration method in Schistosomiasis mansoni. Puerto Rico health Sciences Journal, v. 9, p.283-298, ago.1934.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades. Minas Gerais. 2015. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/painel/painel.php?codmun=315590. Acesso em 20 dez. 2017.

LANDER, R.L. et al. Factors influencing growth and intestinal parasitic infections in preschoolers attending philanthropic daycare centers in Salvador, Northeast Region of Brazil. Cadernos de Saúde Pública, v. 28, n. 11, p. 2177-2188, nov. 2012.

MACEDO, H.S. Prevalência de parasitos e comensais intestinais em crianças de escolas da rede pública municipal de Paracatu (MG). Revista Brasileira de Análises Clínicas, v. 37, n. 4, p. 209-213, out./dez. 2005.

MAGALHÃES, R.F. et al. Ocorrência de Enteroparasitoses em crianças de creches na região do Vale do Aço - MG, Brasil. Unopar Científica Ciências Biológicas e da Saúde, v. 15, n. 3, p. 187-191, mai. 2013.

MENEZES, R.A.O. et al. Sensibilidade de métodos parasitológicos para o diagnóstico das enteroparasitoses em Macapá – Amapá, Brasil. Bioterra, v. 13, n. 2, p. 66-73. 2013.

NEVES, D.P. et al. Parasitologia humana. 13. ed. São Paulo: Atheneu,2016.

PACHECO, F.T.F.et al. Infecção por Giardia duodenalis e outros enteroparasitos em crianças com câncer e crianças de creche em Salvador, Bahia. Revista de Ciências Médicas e Biológicas, v. 13, n. 3, p. 280-286, set./dez. 2014.

PEDRAZA. D.F.; QUEIROZ, D.; SALES, M.C. Doenças infecciosas em crianças pré-escolares brasileiras assistidas em creches. Revista Ciência & Saúde Coletiva, v. 19, n. 2, p. 511-528, jun. 2014.

PEDROSO R.F. et al. Giardíase: Aspectos Parasitológicos e Imunológicos. Biosaúde, v. 8, n. 1, p. 61-72, 2006.

PIRES, E.C.R. et al. Abordagem interdisciplinar das parasitoses intestinais em escolares da microrregião de Sete Lagoas – MG. Arquivos de Ciências da Saúde da Unipar, v. 20, n. 2, p. 111-116, mai./ago. 2016.

SEMIÃO, C.M. et al. Prevalência de parasitoses intestinais em crianças de uma creche do município de Belo Horizonte, Minas Gerais. Revista Iniciação Científica, v. 14, p. 46-50. 2014.

SILVA, J.C. et al. Parasitismo por Ascaris lumbricoides e seus aspectos epidemiológicos em crianças do Estado do Maranhão. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 44, n. 1, p. 100-102, jan./fev. 2011.

VISSER, S. et al. Estudo da associação entre fatores socioambientais e prevalência de parasitose intestinal em área periférica da cidade de Manaus (AM, Brasil). Revista Ciência & Saúde Coletiva, v. 16, n. 8, p. 3481-3492, fev. 2011.

Publicado
2019-01-09
Como Citar
Barbosa, J. A., Alvim, M. M., Oliveira, M. M. de, Siqueira, R. de A., Dias, T. R., & Garcia, P. G. (2019). Análise do perfil socioeconômico e da prevalência de enteroparasitoses em crianças com idade escolar em um município de Minas Gerais. HU Revista, 43(4), 391 - 397. Recuperado de https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/13902
Seção
Artigos Originais