SOBRE DESENVOLVIMENTO DA INFÂNCIA E DEFECTOLOGIA: INDÍCIOS DO PAPEL ATIVO DO SUJEITO

  • Cristina Massot Madeira Coelho Universidade de Brasília (UnB) – Brasil
Palavras-chave: territorialidade – infâncias – vivência

Resumo

Este texto busca refletir sobre aspectos que, na obra
de Vigotski, demandam transcender a compreensão
cognitivista hegemônica de grande parte dos
desdobramentos teóricos atuais decorrentes de sua obra
seminal. Tais aspectos, além disso, resultam na superação
de determinismos, tanto social quanto biológico,
como uma das bases em que o autor soviético situa sua
obra. As questões reunidas permitem apontar para a
compreensão de desenvolvimentos contemporâneos que
avançam em concepções mais complexas do que seria
possível para Vigotski produzir há um século, tanto pelo
desenvolvimento da ciência de então quanto, no caso desse
autor, por questões políticas que enfrentou em sua época de
vida. Parte-se de dois princípios advindos da apropriação
da noção da dialética para a compreensão de processos
psicológicos, premissas que conferem singularidade a essa
representação teórica. São eles: a busca da superação da
dicotomia individual-social e a procura de uma concepção
dinâmica de fenômenos psíquicos, como, por exemplo, a
unidade dinâmica e significativa para os pares ‘cognição e
afeto’, ‘pensamento e linguagem’, entre outros. A discussão
proposta decorre de questões expostas em dois textos: a
obra ‘Fundamentos de Defectologia’ e o texto-aula ‘The
problem of environment’, escritos em momentos diversos
da produção do autor. Concluo a análise das duas obras,
articulando os indícios encontradossobre o papel da
criança nos seus processos de desenvolvimento, com
uma breve discussão sobre o valor heurístico da categoria teórica de sujeito, tal como proposta na atualidade por
González Rey (2002, 2010, 2017), no âmbito da Teoria
Cultural-Histórica da Subjetividade.
Publicado
2018-12-27
Seção
Artigos