O NOVO “ESPÍRITO DO CAPITALISMO” NA REFORMA CURRICULAR DO ENSINO MÉDIO DA REDE PÚBLICA ESTADUAL DO RS

  • Cleriston Petry Universidade de Passo Fundo (UPF/RS)
Palavras-chave: Espírito do Capitalismo, Ensino Médio, cités (cidades)

Resumo

Articulo, no presente texto, o novo “espírito do capitalismo” com a educação escolar por meio de uma interpretação dos documentos referentes à reforma curricular do Ensino Médio no estado do Rio Grande do Sul, efetivada pela Secretaria da Educação. O novo “espírito do capitalismo” começa a se constituir nos anos 70, a partir da defesa de um estilo de vida móvel, flexível e leve. Por meio dele, angariam o engajamento de trabalhadores e capitalistas oferecendo a empregabilidade como garantia àqueles que se engajarem nos projetos. Assim, os documentos do Ensino Médio Politécnico apresentam uma defesa de um novo “espírito do capitalismo”, ao passo que criticam, a partir da “cidade por projetos”, o “espírito” anterior, bem como o modelo de gestão burocrático. Apesar de se apoiarem numa epistemologia marxista, o Regimento Padrão e a Proposta Pedagógica acabam por legitimar o novo capitalismo, ao fazer a defesa da flexibilidade como eixo normativo da educação pública estadual. Ademais, o foco nessa perspectiva legitima uma linguagem da aprendizagem em detrimento de uma linguagem da educação e a ênfase no “trabalho” como princípio educativo e objetivo da educação, em detrimento da “ação” e dos ensaios para a cidadania.
Publicado
2017-04-13
Seção
Artigos