Reflexões sobre o papel da linguagem em Aristóteles e Wittgenstein

Autores

  • Christiano Pereira de Almeida Universidade Federal de Juiz de Fora.

Palavras-chave:

linguagem, Aristóteles, Wittgenstein, virada linguística

Resumo

Este artigo tem como objetivo elaborar uma breve reflexão sobre o papel da linguagem na concepção aristotélica, apresentada em seu livro Da interpretação, e estabelecer algumas comparações entre esta perspectiva e a de alguns precursores da chamada “Virada linguística”, mais precisamente do filósofo Ludwig Wittgenstein. Para tratar desta questão, serão explorados os textos de Aristóteles (Da Interpretação) e de Wittgenstein (Investigações Filosófica), assim como de alguns comentadores que abordam essa temática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARAÚJO, I. L. Subjetividade e linguagem são mutuamente excludentes?Princípios, 14.21, 2007.

ARISTÓTELES. As Categorias. Tradução: Fernando Coelho; Florianópolis: Editora UFSC, 2014.

ARISTOTELES. Da Interpretação. Tradução: José Veríssimo Teixeira da Mata; São Paulo: Editora Unesp, 2013.

ARISTÓTELES, De Anima. Apresentação, tradução e notas de Maria Cecília Gomes Reis. São Paulo. Ed. 34, 2006.

AUROUX, S. Filosofia da linguagem. São Paulo: Parábola, 2009.

BOUTROUX, E., Aristóteles. Trad. Carlos Nougué. 1.ed. Rio de Janeiro: Record, 2000.

CHILD, W. Wittgenstein on the First Person. In: McGINN, M. (eds.). The Oxford Handbook of Wittgenstein.Oxford: Oxford University Press, 2012.

DINUCCI, A. Notas sobre a teoria aristotélica da linguagem.Cadernos da UFS Filosofia, São Cristóvão, v. 6, p. 7-16, 2009.

DINUCCI, A. L. Linguagem, ontologia e a defesa aristotélica do princípio de não contradição. Kalagatos, revista de filosofia. Fortaleza/CE, v. 5, n.10, 2008.

FREGE, Gottlob. Sobre o Sentido e a Referência. In: Lógica e Filosofia da Linguagem. Trad. Paulo Alcoforado. São Paulo: Edusp, 2ª Ed., 2009.

GARVER, N. Philosophy as Grammar. In: SLUGA, H. D.; STERN. D. G. (Org.). The Cambridge Companion to Wittgenstein. Cambridge: Cambridge University Press, 1997. p. 139-170.

GLOCK, Hans-Johann. Dicionário Wittgenstein. Tradução de Helena Martins. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

HACKER, P.M.S. Wittgenstein: sobre a natureza humana. São Paulo: UNESP, 2009.

HACKING, I. Porque a Linguagem Interessa a Filosofia? São Paulo: UNESP, 1998.

LAW, Vivien. Greek Philosophy and the Origins of Western Linguistics. In: The History of Linguistics in Europe. From Plato to 1600. Cambridge: University Press, 2003, p. 13-33.

MACHADO, Alexandre N. Frege, psicologismo e o problema da linguagem privada. Barbarói – Revista do Departartamento De Ciências Humanas e do Departamento. De Psicologia da UNISC. Santa Cruz do Sul, n.26, p.55- 67, jan./jun. 2007. Disponível em: http://online.unisc.br/seer/index.php/barbaroi/article/viewFile/34/31. Acesso em Junho de 2016.

OLIVEIRA, M. A. de. Reviravolta linguístico-pragmática na filosofia contemporânea. São Paulo: Loyola, 2006.

POLANSKY, R. & KUCZEWSKI, M. Speech and thought, symbol and likeness: Aristotle’s De Interpretatione 16a 3-9IN: Apeiron, vol. 23, nº 1, 1990, p. 51-63.

PUTNAM, H. Aristotle after Wittgenstein. In: Words and Life. Cambridge/Massachusetts: Harvard University Press, 1995, pp. 54-79

REALE, G. Introdução a Aristóteles. Tradução: Artur Morão. Lisboa: Edições 70, 1997.

RORTY, R. M. (org.). The linguistic turn — Essays in philosophical method. Chicago: Universityof Chicago Press, 1992.

SANTOS, I. A possibilidade do esgotamento do giro linguístico. In: Notandum, USP, v. XVII, p. 55-66, 2014.

WITTGENSTEIN, L.Philosophical Investigations. G.E.M. Anscombe (trans.), revised 4th edition by P. M. S. Hacker and J. Schulte. Oxford: Wiley-Blackwell. 2009.

WITTGENSTEIN, L. TractatusLogico-Philososophicus; Trad. Luiz Henrique Lopes dos Santos. São Paulo: Edusp, 1994.

WOLFF, F. Nossa humanidade: de Aristóteles às neurociências. São Paulo: Editora UNESP, 2012.

Downloads

Publicado

2017-03-17

Como Citar

ALMEIDA, C. P. de. Reflexões sobre o papel da linguagem em Aristóteles e Wittgenstein. Rónai – Revista de Estudos Clássicos e Tradutórios, [S. l.], v. 4, n. 2, p. 89–100, 2017. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/ronai/article/view/23183. Acesso em: 14 jul. 2024.

Edição

Seção

Dossiê: XXIV Semana de Estudos Clássicos da UFJF