Ai Weiwei e a cerâmica contemporânea como narradora da história

Autores

  • Sandra Minae Sato Instituto de Artes e Design da Universidade Federal de Juiz de Fora, MG

Palavras-chave:

Cerâmica artística, narrativa histórica, arte contemporânea

Resumo

Este artigo apresenta uma análise da arte cerâmica do artista chinês Ai Weiwei como testemunha e narradora da história contemporânea, tendo como base principalmente as argumentações dos teóricos Charles Jencks e Michael Archer. Trata-se de um recorte sobre o conteúdo do minicurso “Cerâmica: narradora da história”, ministrado na XXIV Semana de Estudos Clássicos: Fronteiras e Limites, promovida pelo Departamento de Letras da Universidade Federal de Juiz de Fora em 2016. Prática de todas as sociedades, incessantemente desde a pré-história, a cerâmica é apresentada como instrumento de registro e narração não apenas da história da arte como da própria história da humanidade. E segue adaptada às novas narrativas e às novas formas de comunicação na atualidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sandra Minae Sato, Instituto de Artes e Design da Universidade Federal de Juiz de Fora, MG

Sandra Minae Sato é professora do Instituto de Artes e Design da Universidade Federal de Juiz de Fora, MG. Atualmente desenvolve pesquisa em cerâmica artística e expressões tridimensionais. PhD em Poéticas Visuais na Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo com orientação da professora doutora Norma Grinberg: “A cerâmica na criação artística: as interfaces na contemporaneidade”, concluído em Abril de 2016.

Referências

ARCHER, M. Arte contemporânea: uma história concisa. São Paulo: Martins Fontes, 2001;

CLARK, G. Mind mud: the conceptual ceramics of Ai Weiwei. In: Ceramics in America 2011. Nova Inglaterra, EUA: The Chipstone Foundation and University Press, 2011;

JENCKS, C. Post-modernism: the new classicism in art and architecture. Nova York, EUA: Rizzoli, 1987;

LIENHARD, J. H. The Engines of Our Ingenuity: An Engineer Looks at Technology and Culture. England: Oxford University Press, 2003;

WARHOL, A. The philosophy of Andy Warhol (from A to B and back again). EUA: Harvest, 1977;

WEIWEI, A. Dropping the urn: ceramics work, 5000 BCE-2010 CE. Pensilvânia, EUA: Arcadia University & Office for Discourse Engineering, 2010.

Referências Eletrônicas:

Estadão.com.br/Internacional. Pequim liberta sob fiança o dissidente Ai Weiwei. São Paulo: 2011. In: http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,Pequim-liberta-sob-fianca-o-dissidente-ai-weiwei,736054,0.htm. Acessado em 11 de fevereiro de 2016;

INDIANAPOLIS MUSEUM OF ART. According to Ai Weiwei: Why do you remain in China?, 2013. In: http://www.imamuseum.org/accordingtoaiweiwei/why-do-you-remain-in-china/. Acessado em 12 de março de 2016;

KLAYMAN, A. Ai Weiwei: Never Sorry (2012). In: http://aiweiweineversorry.com/. Acessado em 5 de novembro de 2015;

TATE MODERN. Tate shots: Ai Weiwei, one-to-one. Londres, Inglaterra: 2010. In: http://www.tate.org.uk/context-comment/video/tateshots-ai-weiwei-one-one. Acessado em 12 de fevereiro de 2016;

Tate Modern. The Unilever Series: Ai Weiwei: Sunflower Seeds. Londres, Inglaterra: 2010. In: http://www.tate.org.uk/whats-on/tate-modern/exhibition/unilever-series-ai-weiwei-sunflower-seeds. Acessado em 7 de março de 2016;

YOUTUBE. Ai Weiwei: a conversation. Londres, Inglaterra: 12 de outubro de 2010. In: http://www.youtube.com/watch?v=-go2H9enz7Y. Acessado em 12 de novembro de 2015.

Downloads

Publicado

2017-03-17

Como Citar

SATO, S. M. Ai Weiwei e a cerâmica contemporânea como narradora da história. Rónai – Revista de Estudos Clássicos e Tradutórios, [S. l.], v. 4, n. 2, p. 111–118, 2017. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/ronai/article/view/23171. Acesso em: 14 jul. 2024.

Edição

Seção

Dossiê: XXIV Semana de Estudos Clássicos da UFJF