Tradução e seus impasses no conto “Notas ao pé da página”, de Moacyr Scliar, sob o olhar de Rosemary Arrojo

  • Dra. Luciana de Mesquita Silva doutorado em Estudos da Linguagem pela PUC do Rio de Janeiro
Palavras-chave: tradução, conto, Moacyr Scliar, Rosemary Arrojo

Resumo

Este artigo tem como objetivo abordar o conto “Notas ao pé da página” (1995), de Moacyr Scliar. O referido texto será analisado no intuito de estabelecer uma conexão entre literatura e o tema da tradução e levantar reflexões sobre linguagem a partir de diferentes concepções, as quais serão relacionadas a visões distintas sobre tradução. Além disso, uma análise da ficção de Scliar por Rosemary Arrojo, cujo trabalho está vinculado aos Estudos da Tradução, será apresentada. A fundamentação teórica inclui os pensamentos de Mounin (1975), Frota (2000) e Arrojo (2004).

 

Palavras-chave: tradução; conto; Moacyr Scliar; Rosemary Arrojo

 

Translation and its impasses in the short story “Notas ao pé da página”, by Moacyr Scliar, under the gaze of Rosemary Arrojo

 

Abstract

This article aims to approach the short story “Notas ao pé da página” (1995), by Moacyr Scliar. The referred text will be analyzed in order to establish a connection between literature and the theme of translation and pose reflections on language from different conceptions, which will be related to distinct views of translation. Moreover, an analysis of Scliar’s fiction by Rosemary Arrojo, whose work is linked to the field of Translation Studies, will be presented. The theoretical foundation includes the thoughts of Mounin (1975), Frota (2000) and Arrojo (2004).

 

Keywords: translation; short story; Moacyr Scliar; Rosemary Arrojo

Referências

ARROJO, R. A questão do texto original. In: _____. Oficina de tradução: a teoria na prática. São Paulo: Ática, 1986. p. 11-24.

_____. Tradução, (in)fidelidade e gênero num conto de Moacyr Scliar. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, v. 4, n. 1, p. 27-36, 2004.

BORGES, J. L. [1932]. As versões homéricas. In: _____. Obras completas. Trad. Josely Viana Baptista. São Paulo: Globo, 1998.

CULLER, J. Em defesa da superinterpretação. In: ECO, Umberto. Interpretação superinterpretação. São Paulo, Martins Fontes, 1993, p. 129-146.

DE MAN, Paul. Impasse da crítica formalista. In: ____. O ponto de vista da cegueira. Trad. Miguel Tamen. Lisboa: Cotovia, 1999. p. 251-268.

DERRIDA, J. Aphorism countertime. In: _____. Acts of literature. Derek Attrige (org.). Nova York: Routledge, 1992. p. 414-433.

_____. This strange institution called literature: an interview with Jacques Derrida. In: _____. Acts of literature. Derek Attrige (org.). Nova York: Routledge, 1992. p. 33-75.

ECO, U. Superinterpretando textos. In: _____. Interpretação e superinterpretação. São Paulo: Martins Fontes, 1993. p. 53-77.

FISH, S. Is there a text in this class? The authority of interpretive communities. Cambridge, Ma./Londres: Harvard University Press, 1980.

FROTA, M. P. A singularidade na escrita tradutora: linguagem e subjetividade nos estudos da tradução, na linguística e na psicanálise. Campinas e São Paulo: Pontes e Fapesp, 2000.

MARTINS, H. F. Três caminhos na filosofia da linguagem. In: BENTES, A. C. e

MUSSALIM, F. (org.). Introdução à linguística: fundamentos epistemológicos, v. 3. São Paulo: Cortez, 2009. p. 439-73.

MOUNIN, G.. [1963]. Fragmentos dos caps. 1 e 3 + caps. 4 e 5. Os problemas teóricos da tradução. Trad. de Heloysa de Lima Dantas. São Paulo: Cultrix, 1975.

SAUSSURE, F. de [1916]. Curso de linguística geral. BALLY, C. e SECHEHAYE, A. (orgs.). Trad. Antônio Shelini, José P. Paes e Izidoro Blikstein. São Paulo: Cultrix, 2000.

SCLIAR, M. Notas ao pé da página. In: _____. Contos reunidos. São Paulo: Companhia das Letras, 1995. p. 371-375.

SONTAG, S. [1964]. Against interpretation. Disponível em: http://www.coldbacon.com/writing/sontag-againstinterpretation.html. Acesso em: 19 nov. 2011.

WIERZBICKA, A. Introduction. In: _____. Semantics, culture, and cognition. New York & Oxford: Oxford University Press, 1992.
Publicado
2015-08-17
Seção
Artigos