O brincar na perspectiva dos Direitos Humanos

  • Alexandre Mauricio Fonseca de Azevedo UFJF

Resumo

Neste artigo, revelam-se os princípios que norteiam a concepção dos direitos do homem no contexto de
uma etnografia sobre o brincar entre crianças que circulam no Porto-do-Sal, em Belém, de forma que as
concepções teórico-práticas norteadoras do trabalho do direito e da antropologia dos costumes possam
dialogar, apresentando um novo horizonte às práticas da infância. A etnografia apresentada permite-nos
compreender as diferentes manifestações da cultura, concretizadas na expressão do brincarem consonância
com a vida social, essenciais para uma vida digna. A ideia de um novo olhar sobre o brincar corrobora com
a validação dos direitos humanos no campo educacional e justifica-se como análise mais ampla das práticas
pedagógicas em contrapartida a uma pedagogização do brincar.

Biografia do Autor

Alexandre Mauricio Fonseca de Azevedo, UFJF

Psicólogo, professor da Faculdade de Letras Estrangeiras Modernas (FALEM), do Instituto de Letras e Comunicação (ILC), da Universidade
Federal do Pará (UFPA); Mestre em Antropologia pela Universidade Federal do Pará; Doutorando em Antropologia pela Universidade Federal do
Pará. 

Publicado
2013-12-05
Seção
Artigos