Envolver os alunos em processos de raciocínio matemático: As ações do professor

Palavras-chave: Raciocínio matemático, Ações do professor, 1º ciclo do ensino básico

Resumo

O raciocínio é uma das capacidades-chave a desenvolver desde os primeiros anos de escolaridade. Neste artigo assumimos raciocínio matemático como a capacidade de fazer inferências justificadas, isto é, de utilizar informação matemática já conhecida para obter, justificadamente, novas conclusões. Serão analisados os padrões de interação entre uma professora e seus alunos do 2.º ano na discussão de uma tarefa matemática aditiva. Trata-se de um estudo qualitativo de carácter interpretativo. Concluímos que o questionamento da professora se foca em aspetos-chave do raciocínio guiando os alunos para processos de justificação, generalização e exemplificação. Neste percurso as ações da professora foram cruciais para desafiar os alunos a apresentarem justificações das relações numéricas identificadas, não só favorecendo, mas também ampliando o seu raciocínio matemático.

Biografia do Autor

Margarida Rodrigues, Escola Superior de Educação de Lisboa; UIDEF, Instituto de Educação, Universidade de Lisboa

 Margarida Rodrigues: Doutora em Educação, especialidade de Didática da Matemática pela Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa. Professora Coordenadora da Escola Superior de Educação, Instituto Politécnico de Lisboa, Lisboa, Portugal. Membro integrado da Unidade de Investigação e Desenvolvimento em Educação e Formação (UIDEF), do Instituto de Educação, Universidade de Lisboa, Portugal.

Referências

Jeannotte, D., & Kieran, C. (2017). A conceptual model of mathematical reasoning for school mathematics. Educational Studies in Mathematics, 96(1), 1 – 16. Doi: 10.1007/s10649-017-9761-8.
Lannin, J., Ellis, A. B., & Elliot, R. (2011). Developing essential understanding of mathematics reasoning for teaching mathematics in prekindergarten-grade 8. Reston, VA: National Council of Teachers of Mathematics.
Mata-Pereira, J., & Ponte, J. P. (2018). Promover o raciocínio matemático dos alunos: Uma investigação baseada em design. Bolema, 32(62), 781 - 801. Doi 10.1590/1980-4415v32n62a02.
Ministério da Educação (2018). Aprendizagens Essenciais. Matemática, 2.º ano. Lisboa: DGE. Consultado a 18 de julho de 2019, em http://www.dge.mec.pt/aprendizagens-essenciais-ensino-basico.
Morais, C., Serrazina, L., & Ponte, J. P. (2018). Mathematical reasoning fostered by (fostering) transformations of rational number representations. Acta Scientiae, 20(4), 552 – 570. Doi 10.17648/acta.scientiae.v20iss4id3892.
National Council of Teachers of Mathematics (2017). Princípios para a ação: Assegurar a todos o sucesso em Matemática. Lisboa: Associação de Professores de Matemática. (Obra original em inglês publicada em 2014)
Ponte, J. P., Carvalho, R., Mata-Pereira, J.; & Quaresma, M. (2016). Investigação baseada em design para compreender e melhorar as práticas educativas. Quadrante, 25(2), 77 – 98.
Ponte, J. P., Mata-Pereira, J., & Quaresma, M. (2013). Ações do professor na condução de discussões matemáticas. Quadrante, 22(2), 55-81.
Stylianides, G. (2009). Reasoning-and-proving in school mathematics textbooks. Mathematical Thinking and Learning, 11(4), 258-288. DOI: 10.1080/10986060903253954.
Wood, T. (1998). Creating classroom interactions for mathematical reasoning: Beyond “natural teaching”. In P. Abrantes, J. Porfírio, & M. Baía (Orgs.), The interactions in the mathematics classroom, Proceedings of the CIEAEM 49 (pp. 34-43). Setúbal: Escola Superior de Educação.
Publicado
2020-05-30
Seção
Dossiê Temático Engajamento Escolar