Madame Bovary: De Flaubert a Renoir e Chabrol

  • Daniella de Aguiar Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Alfredo Suppia
  • João Queiroz Universidade Federal de Juiz de Fora
Palavras-chave: Madame Bovary, Gustave Flaubert, Jean Renoir, Claude Chabrol, Adaptação cinematográfica

Resumo

Em seu romance de estreia, Gustave Flaubert fez uso de recursos estilísticos e estratégias narrativas que transformaram Madame Bovary em um dos mais importantes textos da narrativa moderna. Há diversas adaptações cinematográficas desta obra, certamente devido a sua importância e a seu enorme sucesso. A questão que trataremos neste artigo está relacionada à transposição de certos aspectos da escritura de Flaubert, e do contexto de sua obra, para adaptações cinematográficas dirigidas por Jean Renoir e Claude Chabrol.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGUIAR, Daniella; QUEIROZ, João. Semiosis and intersemiotic translation. Semiotica, v. 2013, n. 196, p. 283-292, agosto 2013.

AUERBACH, Erich. Mimesis. São Paulo: Perspectiva, 1987. 504 p.

BALOGH, Anna Maria. Conjunções – Disjunções – Transmutações: da Literatura ao Cinema e à TV. São Paulo: Annablume, 2005. 246 p.

BARTHES, Roland. A escrita do romance. In: ______. O Grau Zero da Escrita. Trad. Mário Laranjeira. São Paulo: Martins Fontes, 2000. 240 p.

BAZIN, André. Por um cinema impuro: Defesa da adaptação. In: BAZIN, André (Ed.). O Cinema: Ensaios. São Paulo: Brasiliense, 1991. p. 82-104.

BENJAMIN, Walter. The task of the translator. In: Harendt, Anna. (Ed.). Illuminations. New York: Shocken Books, 1978. p. 69-82.

BERSANI, Leo. The Narrator and the Bourgeois Community in “Madame Bovary”. The French Review, v. 32, n. 6, p. 527-533, maio 1959.

BOON, Kevin Alexander. Script Culture and the American Screenplay. Detroit: Wayne State University Press, 2008.

BRESSANE, Julio. Alguns. São Paulo: Imago, 1996. 95 p.
Campos, Augusto. O Flaubert que faz falta. In: ______. À Margem da Margem. São Paulo: Companhia das letras, 1989. p. 13-22.

CAMPOS, Haroldo. A Arte no Horizonte do Provável. São Paulo: Perspectiva, 1975. 236 p.

CANUDO, Ricciotto. Birth of a Sixth Art [1911]. In: Abel, Richard (Ed.). French Film Theory and Criticism. Princeton: U P, 1988. p. 58-65.

______. Reflections on the Seventh Art [1923]. In: Abel, Richard (Ed.). French Film Theory and Criticism. Princeton: U P, 1988. p. 291-302.

CARDOSO, Luís Miguel. A Questão Social na dialética entre a Literatura e o Cinema. In: CONGRESSO LUSO-AFRO-BRASILEIRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS, VIII, 16-18 de setembro, Coimbra. Actas do VIII Congresso Luso-Afro-Brasileiro de Ciências Sociais. setembro de 2004.

DONALDSON-EVANS, Mary. Madame Bovary at the movies: adaptation, ideology, context. Netherlands: Rodopi, 2009. 218 p.

______. A medium of exchange: the Madame Bovary film. Dix-Neuf, n. 4, p. 21-34, abril 2005.

FLAUBERT, Gustave. Madame Bovary. Trad. Ilana Heineberg. Porto Alegre: L&PM, 2008. 336 p.

______. Cartas Exemplares. Duda Machado (org.). Rio de Janeiro: Imago, 1993. 258 p.

______. Correspondance. Nouvelle édition augmentée. Paris: Louis Conrad, Libraire-Editeur, 1926-1933 (9 volumes). Suplementos, 1954 (4 volumes).

GAUDREAULT, André. Du Littéraire au Filmique: Système du récit. Paris: Méridiens Klincksieck, 1989. 200 p.

______. From Plato to Lumiere: Narration and Monstration in Literature and Cinema. Toronto: University of Toronto Press, 2009. 225 p.

HOSSNE, Andrea Saad. Bovarismo e Romance: Madame Bovary e Lady Oracle. Cotia: Ateliê Editorial, 2000. 300 p.
Junkes, Lauro. Romancistas e a teoria do romance. Anuário de Literatura, UFSC, n.5, p. 131-158, 1997.

LUKÁCS, Georg. A Teoria do Romance: Um ensaio histórico-filosófico sobre as formas da grande épica. São Paulo: Duas Cidades, 2000. 236 p.

MAUPASSANT, Guy. Gustave Flaubert. Tradução Betty Joyce. Campinas: Pontes, 1990. 128 p.

MOISÉS, Massaud. A Criação Literária: Prosa 1. São Paulo: Cultrix, 2006. 356 p.

MÜLLER JR., Adalberto. Cinema, tradução e infidelidade: os casos de Madame Bovary. Sessões do imaginário, Famecos/PUCRS, Porto Alegre, n. 11, p. 52–57, julho 2004.

SERCEAU, Michel. L’adaptation Cinématographique des Textes Littéraires: Théories et lectures. Liége: Éditions du CEFAL, 1999. 206 p.
Sierra, Nelly Vélez. En los 150 años de ‘Madame Bovary’, 1857-2007 – Diseño de um personaje: ‘Madame Bovary’. Pensamiento Y Cultura, v. 10, p. 123-137, nov. 2007.

SILVA, Marcel Vieira Barreto. Adaptação literária no cinema brasileiro contemporâneo: um painel analítico. Rumores – Revista de Comunicação, Linguagem e Mídias, v. 2, n. 2, 2009. Disponível em: http://www.revistas.univerciencia.org/index.php/rumores/article/viewFile/6544/5951 Acesso em: 29 abril 2013.

STAM, Robert. Beyond Fidelity: The Dialogics of Adaptation. In: NAREMORE, James (Ed.). Film Adaptation. New Brunswick: Rutgers UP, 2000. p. 54-76.

TRUFFAUT, François. O Prazer dos Olhos: Escritos sobre Cinema. Rio de Janeiro: JZE, 2005. 302 p.

VARGAS LLOSA, Mário. A Orgia Perpétua: Flaubert e Madame Bovary. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1979. 198 p.
Publicado
2015-06-30
Como Citar
AGUIAR, D. DE; SUPPIA, A.; QUEIROZ, J. Madame Bovary: De Flaubert a Renoir e Chabrol. Lumina, v. 9, n. 1, 30 jun. 2015.
Seção
Artigos