“Renovação” do Serviço Social brasileiro

um continuum à ofensiva conservadora

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34019/1980-8518.2020.v20.32167

Palavras-chave:

Serviço Social; conservadorismo; renovação” profissional

Resumo

Nosso objetivo geral é analisar as condições sócio históricas do tempo presente, considerando as mediações com os fundamentos do conservadorismo e alguns de seus rebatimentos para o Serviço Social, especialmente em relação aos desafios que a profissão enfrenta em seu processo de “renovação”.  Utilizamos o materialismo histórico dialético como método de análise do objeto em questão: Serviço Social, conservadorismo e “renovação” profissional na atualidade. Para tanto, realizamos uma pesquisa bibliográfica e documental, de tipo qualitativo. Defendemos como conclusão central, que o processo de “renovação” profissional configura-se como um movimento continumm, no confronto com as reatualizações conservadores, o que demanda uma sintonia do Projeto Ético Político do Serviço Social com as lutas classistas, feministas e antirracistas.

Biografia do Autor

Mirla Cisne, Faculdade Serviço Social UERN

Doutora em Serviço Social pela UERJ; Professora de Serviço Social da UERN; Coordenadora do Programa de Pós-graduação em Serviço Social e Direitos Sociais (PPGSSDS); Bolsista Produtividade do CNPq.

Luciana Batista de Oliveira Cantalice, UFPB

Doutora em Serviço Social pela UERJ; Professora de Serviço Social da UFPB.

Luciene Araújo, UERN - discente

Assistente Social pela UERN; mestranda em Serviço Social e Direitos Sociais na UERN.

Referências

ÁVILA, M. Betânia. O tempo de trabalho das empregadas domésticas: tensões entre dominações, explorações e resistências. Tese doutorado em Sociologia. Recife: UFPE, 2009.
BARROCO, Maria Lúcia. Barbárie e neoconservadorismo: os desafios do projeto ético-político. In: Serviço Social e Sociedade, nº 106. São Paulo: Cortez, 2011.
BARROCO, Maria Lúcia. Não passarão! Ofensiva neoconservadora e Serviço Social. In: Serviço Social e Sociedade, nº 104. São Paulo: Cortez, 2015.
BARROSO, Milena F. “O começo do fim do mundo”: violência estrutural contra mulheres no contexto da hidrelétrica de Belo Monte. Tese de doutorado em Serviço Social. Rio de JANEIRO: UERJ, 2018.
BURKE, Edmund. Reflexões sobre a Revolução em França. Trad. Renato de Assumpção, Denis Fontes de S. Pinto e Carmen Lídia R.R. Moura. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1982.
CANTALICE, Luciana. Neoconservadorismo na Produção do Conhecimento em Serviço Social: tensões entre o pós-moderno e o Projeto Profissional. Temporalis v.16, n.32, p.231-259, fev. 2017. Disponível em: htto://periódicos.ufes.br/temporalis/article/view/14199.
COUTINHO, Carlos N. O Estruturalismo e a Miséria da razão. São Paulo: Expressão Popular, 2017.
CFESS. CONSELHO FEDERAL DE SERVIÇO SOCIAL. Educação como direito e sem censura para a formação de Assistentes Sociais qualificados/as. [CFESS Manifesta] Brasília, 2018. Disponível em: http://www.cfess.org.br/arquivos/2018-CfessManifesta-16Enpess-Site.pdf. Acesso em 10 Jun. 2019.
CFESS. CONSELHO FEDERAL DE SERVIÇO SOCIAL. Educação não é fast-food! Campanha diz não para a graduação à distância em Serviço Social. [CFESS Manifesta] Brasília, 2011. Disponível em: <http://www.cfess.org.br/visualizar/noticia/cod/603> Acesso em: 13 Nov. 2017.
CISNE, Mirla. Gênero, Divisão Sexual do trabalho e Serviço Social. São Paulo: Novas Expressões, 2012.
CISNE Mirla; SANTOS, Silvara Mara de Morais dos. Feminismo, diversidade sexual e Serviço Social. Biblioteca Básica do Serviço Social, v.8. São Paulo: Cortez, 2018.
GRAMSCI, Antônio. Cadernos do Cárcere. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.
GUILLAUMIN, Colette. Prática do poder e ideia de natureza. In: FERREIRA, Verônica; ÁVILA, Maria Betânia; FALQUET, Jules; ABREU, Maíra. O patriarcado desvendado: teorias de três feministas materialistas. Recife: SOS Corpo, 2014, p. 27-99.
IASI, Mauro. O dilema de Hamlet: o ser e o não ser da consciência. São Paulo: Viramundo, 2002.
KERGOAT, Danièle. “Divisão sexual do trabalho e relações sociais de sexo”. In: HIRATA, Helena [et al.] (orgs.). Dicionário Crítico do Feminismo. São Paulo: Editora UNESP, 2009.
KERGOAT, Danièle. “Dinâmica e consubstancialidade das relações sociais”. In: Novos Estudos. CEBRAP, n. 86, março 2010.
LUKÁCS, Gyorgy. História e Consciência de Classe: estudos sobre a dialética marxista. São Paulo: Martins Fontes, 2003.
MARX, Karl. O 18 Brumário de Luís Bonaparte. São Paulo: Boitempo, 2011. Disponível em: http://neppec.fe.ufg.br/uploads/4/original_brumario.pdf. Acesso: 08 Jun. 2019.
MARX, K; ENGELS, F. Ideologia Alemã. São Paulo: Expressão Popular, 2009.
MÉSZÁROS, Istiván. Para Além do Capital. São Paulo: Boitempo, 2002.
MORAES, Reginaldo C. O golpe de 2016, suas raízes. Perspectivas da resistência. In: KRAWCZYK, Nora; LOMBARDI, José Claudinei (Orgs.). O golpe de 2016 e a educação no Brasil. Uberlândia: Navegando Publicações, 2018, pp. 79-88.
MOTA, Ana Elizabete. “Crise, desenvolvimentismo e tendências das políticas sociais no Brasil e na América Latina”. In: Configurações [Online], 10 | 2012. Consultado em 19 abril 209. URL : http://journals.openedition.org/configuracoes/1324
NETTO, José P. Posfácio. In: COUTINHO, O Estruturalismo e a Miséria da razão. São Paulo: Expressão Popular, 2017.
NETTO, Leila E. O Conservadorismo Clássico: elementos de caracterização e crítica. São Paulo: Cortez, 2011.
OLIVEIRA, Edson Marques. 23 Teses pela Reforma do Serviço Social Brasileiro: pelo resgate de sua identidade e de uma cultura profissionalizante. Paraná, 2017. Disponível: https://drive.google.com/file/d/0B159LRiZwoG5TFFzMW9VSUs2THM/view. Acesso: 17 Maio 2019.
RAMOS, Sâmya R. Limites e possibilidades do Projeto Ético-Político. In: Revista Inscrita. n. 12. Brasília: CFESS, 2009.
SAFFIOTI, H. Gênero, Patriarcado e violência. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004.
SERVIÇO SOCIAL LIBERTÁRIO. Princípios do Serviço Social Libertário [Post da rede social Facebook]. Disponível em: https://www.facebook.com/servicosociallibertario/posts/897486883928855?__tn__=K-R. Acesso em: 10 de Jun. de 2019.
SOUZA, Jamerson M.A. de. O Conservadorismo Moderno: esboço para uma aproximação. In: Revista Serviço Social & Sociedade. N.122, p.199-223 abr-jun/2015. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sssoc/n122/0101-6628-sssoc-122-0199.pdf.

Publicado

2020-12-15

Edição

Seção

Dossiê: Os desafios do Serviço Social ante a escalada do Conservadorismo

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Obs .: Este plugin requer que pelo menos um plugin de estatísticas / relatório esteja ativado. Se seus plugins de estatísticas fornecerem mais de uma métrica, selecione também uma métrica principal na página de configurações do site do administrador e / ou nas páginas de configurações do gerente da revista.