Recrudescimento conservador no Brasil

bases ontológico-concretas e expressões no Serviço Social

  • Raquel Sant'Ana UNESP - Franca
  • Jose Fernando Siqueira da Silva UNESP-Franca
Palavras-chave: conservadorismo-reacionário; desigualdade social; serviço social.

Resumo

O presente artigo oferece alguns elementos para analisar as atuais expressões do conservadorismo no Brasil no contexto de crise estrutural do capital. Sustentado na abordagem ontológico-materialista, portanto histórico-crítica, o texto considera as particularidades da América Latina na economia-política mundial e apresenta as bases materiais que oferecem sustentação para o avanço do conservadorismo no Brasil. A estrutura socioeconômica dependente e a desigualdade radical estruturam esta base por onde teorias e concepções conservadoras/reacionárias são reavivadas e se desenvolvem. Os impactos no Serviço Social e no atual projeto ético-político profissional de orientação emancipatória recolocam desafios concretos.

Biografia do Autor

Raquel Sant'Ana, UNESP - Franca

Doutora em Serviço Social pela Universidade Estadual Paulista UNESP-Franca - Professora Associada do Departamento de Serviço Social da UNESP-Franca.

Jose Fernando Siqueira da Silva, UNESP-Franca

Doutor em Serviço Social pela Pontifica Universidade Católica de São Paulo. Professor Associado do Departamento de Serviço Social da Universidade Estadual Paulista UNESP-Franca. Professor colaborador do Programa de Pós-graduação em Serviço Social e Políticas Sociais da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP).

Referências

AGÊNCIA BRASIL, Ipea: trabalho doméstico é exercido por mulheres mais velhas.2019.
https://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2019-12/ipea-trabalho-domestico-e-exercido-por-mulheres-mais-velhas#:~:text=Em%202018%2C%206%2C2%20milh%C3%B5e. Acesso em 14 de set, de 2020.
ANTUNES, Ricardo. Adeus ao trabalho? Ensaios sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. 6. ed. São Paulo: Cortez; Campinas: Unicamp, 1999.
ANTUNES, R. O privilégio da servidão. São Paulo: Boitempo, 2018.
BARROCO, Maria Lúcia S. Barbárie e neoconservadorismo: os desafios do projeto ético-político. Serviço Social & Sociedade, São Paulo, n. 106, p. 205-218, abr./jun. 2011.
_____. Não passarão! Ofensiva neoconservadora e serviço social. Serviço Social & Sociedade, São Paulo, n. 124, p. 623-636, out./dez. 2015.
BARROS, J. P. P., Benício, L. F. S., SILVA, D. B., LEONARDO, C. S., TORRES, & F. J. P. (2017). Homicídios Juvenis e os Desafios à Democracia Brasileira: Implicações Ético-políticas da Psicologia. Psicologia: Ciência e Profissão (Online), 37(4), 1051-1065 https://www.scielo.br/pdf/pcp/v37n4/1414-9893-pcp-37-04-1051.pdf Acesso em 11 de set, de 2020.
BATISTONI, Maria Rosângela. O movimento de reconceituação no Brasil: o projeto da Escola de Serviço Social da Universidade Católica de Minas Gerais (1964-1980). Em Pauta. Rio de Janeiro: UERJ, 2017, p. 136-150.
BENÍCIO, Luis Fernando de Souza. BARROS, João Paulo Pereira, RODRIGES, Jéssica Silva, SILVA, Dagualberto Brabosa, LEONARDO, Camila dos Santos, COSTA, Aldemar Ferreira. Necropolítica e Pesquisa-Intervenção sobre Homicídios de Adolescentes e Jovens em Fortaleza, CE. Psicologia: ciencia e profissão. vol.38 no.spe2 Brasília https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-98932018000600192&script=sci_arttext. . Acesso em 11 de setembro de 2020.
BRAZ, Marcelo; RODRIGUES, Mavi. O ensino de Serviço Social na era neoliberal (1990 2010): avanços, retrocessos de enormes desafios. In: SILVA, J. F. S. et al. (Orgs.). Sociabilidade burguesa e Serviço Social. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2013.
BRITES, Cristina. Psicoativos (drogas) e Serviço Social – uma crítica ao proibicionismo. São Paulo: Cortez. 2017.
BURKE, Edmund. Reflexões sobre a revolução na França. Rio de Janeiro: Topbooks, 2012. (Coleção Liberty Classics)
CARDOSO, Antonio Sidnei Ribeiro, DIAS, Raimunda Áurea, REIS, Leandro Cavalcanti. O agro é tech, é pop, é tudo: o (des) velar dessa realidade. Geosul, Florianópolis. V.32, n. 71- Dossiê Agronegócios no Brasil. p. 836-857. Abril. 2019. file:///C:/Users/User/Downloads/61330-218855-1-PB.pdf
CISNE,Mirla , SANTOS, Silvana Mara Moraes. Feminismo, diversidade sexual e serviço social. Biblioteca Básica de Serviço Social. São Paulo: Cortez. 2018.
COUTINHO, Carlos Nelson. O estruturalismo e a miséria da razão. São Paulo: Expressão Popular, 2010.
DURIGUETO, Maria Lúcia. Criminalização das classes subalternas no espaço urbano e ações profissionais do Serviço Social. Serviço Social Sociedade, São Paulo, n. 128, p. 104-122, jan./abr. 2017. https://www.scielo.br/pdf/sssoc/n128/0101-6628-sssoc-128-0104.pdf Acesso em 12 de set. de 2020.
Durkheim. E. As regras do método sociológico. São Paulo: Martins Editora, 2014.
_____. Da divisão do trabalho social. São Paulo: WMF Martins Editora, 2010.
ESCORSIM, L. O conservadorismo clássico. São Paulo: Cortez Editora. 2011.
FERNANDES, Florestan. A revolução burguesa no Brasil; ensaio de interpretação sociológica. 3 ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 1987.
_____. Sociedade de classes e subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Zahar, 1968.
_____. Capitalismo dependente e classes sociais na América Latina. São Paulo: Global, 2009.
FONTES, Virgínia. El proto-fascismo: núcleo central del gobierno Bolsonaro. Trasversales, 46, 2019. Disponível em: http://www.trasversales.net/t46vfontes.pdf
IAMAMOTO, Marilda Villela. 80 anos do serviço social no Brasil: a certeza na frente, a história na mão. Revista Serviço Social & Sociedade, n. 128, p.13-38, 2017. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/0101-6628.091. Acesso em: 05/04/2020.
_____. O Serviço Social na contemporaneidade: trabalho e formação profissional. 22. ed. São Paulo: Cortez, 1999.
INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Desigualdades por cor ou raça no Brasil. Estudos e Pesquisas. Informação Demográfica e Sócio- econômica, nº 41. 2019. https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101681_informativo.pdf. Acesso em 14 de set. de 2020.
_____. Estatísticas de Gênero: indicadores sociais das mulheres no Brasil. . Estudos e Pesquisas. Informação Demográfica e Sócio- econômica, nº 38. 2018. https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101551_informativo.pdfAcesso em 14 de set. de 2020.
IANNI, Octavio. A ditadura do grande capital. São Paulo: Expressão Popular, 2019.
GIMENES, Erick. Racismo: taxa de assassinatos cresce para negros e cai para o resto da população. https://www.brasildefato.com.br/2020/08/27/racismo-taxa-assassinatos-de-negros-cresce-e-cai-para-o-resto-da-populacao Acesso em 12 set de 2020.
LENIN. V. I. O imperialismo: fase superior do capitalismo. 4. ed., São Paulo: Centauro, 2008.
LOURENÇO, Edvânia Ângela, ANUNCIAÇÃO, Luís. Narrativas de sofrimento e trabalho profissional do Serviço Social da Previdência Social em tempos de indústria 4.0. Revista Serviço social e Sociedade, nº138. São Paulo.2020. https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010166282020000200215&lng=en&nrm=iso. Acesso em 14 de set. 2020.
LOURENÇO, Edvânia Ângela; SANT'ANA, Raquel Santos, GALLO, Marcelo. Condições de trabalho e saúde de assistentes sociais que atuam no SUS.. Anais do Encontro Internacional e Nacional de Política Social. 2018. Disponível em https://periodicos.ufes.br/einps/article/view/20110 Acesso em 14 de set. de 2020.
LUKÁCS, György. Para uma ontologia do ser social I. São Paulo: Boitempo, 2012.
GUERRA, Iolanda. Compromisso com a qualidade dos serviços prestados à população e com o aprimoramento intelectual, na perspectiva da competência profissional: significado, limites e possibilidades. In: CONSELHO REGIONAL DE SERVIÇO SOCIAL (Org) Projeto ético político e o exercício profissional em Serviço Social- Os princípios do Código de Ética articulados à atuação crítica de assistentes sociais. Rio de Janeiro, CRESS, 2013.
LIMA. Iana Gomes; HYPÓLITO, A. M. A expansão do neoconservadorismo na educação brasileira. Educação e Pesquisa. vol. 45, l São Paulo, Epub Aug 15, 2019. https://doi.org/10.1590/s1678-463420194519091. Acesso em 28de agosto de 2020.
LUXEMBURGO, Rosa. Reforma ou revolução? São Paulo: Expressão Popular, 1999.
MARINI, Ruy Mauro. América Latina, dependencia y globalización. Bogotá: CLACSO y Siglo del Hombre Editores, 2008.
MARX, Karl. Glosas críticas marginais ao artigo “O rei da Prússia e a reforma social”. De um prussiano. In: Lutas de classes na Alemanha. São Paulo: Boitempo Editorial. 2010.
MARX, Karl. O capital: crítica da Economia Política. São Paulo: Abril Cultural, 1984a. v.1, tomo 2.
_____. O método da economia política. In: FERNANDES, Florestan (Org). Marx e Engels: história. 3. ed. São Paulo: Ática, 1989. (Textos originais de Marx e Engels).
MARX, Karl, ENGELS, Friedrich. A Ideologia alemã. São Paulo Boitempo. 2007.
_____. Manifesto do Partido Comunista. Prólogo de José Paulo Netto. São Paulo: Cortez, 1998.
MATOS. Maurílio de Castro. Considerações sobre atribuições e competências profissionais de assistentes sociais na atualidade. Serviço social e Sociedade. São Paulo. n. 124, p. 678-698, out./dez. 2015. https://www.scielo.br/pdf/sssoc/n124/0101-6628-sssoc-124-0678.pdf Acesso em 12 de setembro de 2020.
MÉSZÁROS. István. Para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2002.
MOURA, C. Sociologia do Negro Brasileiro. São Paulo Ática editora. 1988.
PAULO NETTO, José Paulo O projeto ético-político do Serviço Social: das ameaças à crise. In: BRAZ, Marcelo (Org.). José Paulo Netto. Ensaios de um marxista sem repouso. São Paulo: Cortez, p. 309-313, 2017.
OLIVEIRA, Francisco de. Crítica a razão dualista/o ornitorrinco. São Paulo: Boitempo, 2003.
PEREIRA, Larissa Dahmer. Mercantilização do ensino superior, educação a distância e Serviço Social. Rev. katálysis, Florianópolis, v. 12, n. 2, p. 268-277, Dec. 2009. https://doi.org/10.1590/S1414-49802009000200017
PEREIRA, Larissa Dahmer; FERREIRA, Andreza Telles dos Santos; SOUZA, Andréa Cristina Viana de. Análise comparativa entre expansão dos cursos de Serviço Social EAD e Presenciais. Revista Temporalis. v. 14 n. 27, p. 181-202, 2014.
REAL GDP growth. International Monatary Fund, [2020]. Disponível em: https://www.imf.org/external/datamapper/NGDP_RPCH@WEO/OEMDC/ADVEC/WEOWORLD. Acesso em: 28 jul. 2020.
RAICHELIS, Raquel. Atribuições e competências profissionais revisitadas: a nova morfologia do trabalho no Serviço Social. Atribuições Privativas do/a Assistente Social em Questão (vol. 2). CFESS. Brasília (DF), 2020. http://www.cfess.org.br/arquivos/CFESS202-AtribuicoesPrivativas-Vol2-Site.pdf
ROMEIRO, Ademar Ribeiro. Perspectivas para políticas agroambientais. In: RAMOS, Pedro (Org.). Dimensões do agronegócio brasileiro: Políticas, instituições e perspectivas. Brasília: NEAD Estudos, 2007. p. 283‐312
SANTOS, Dyane Brito. Para além das cotas: a permanência de estudantes negros no ensino superior como política de ação afirmativa. 2009. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal da Bahia, Salvador - Bahia, 2009.
SANTOS, L. L. Textos de Serviço Social. São Paulo: Cortez, 1983.
SANTOS, Rosenverck Estrela. O marxismo e a questão racial no Brasil: reflexões introdutórias. 2015. https://revistas.pucsp.br/ls/article/viewFile/25760/pdf Acesso em 12 de set. de 2020.
SANT'ANA, Raquel Santos. MASSON, Gabriel Abrahão. Serviço Social e questão agrária: um debate necessário ao fortalecimento da direção crítica do projeto ético‐políticoprofissional. Serviço social em Revista. Londrina V. 21, n .1, p 195‐216, julh/dez. 2018. http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/ssrevista/article/view/34817
SUER, Sérgio, PERDIGÃO, Luis Felipe, Lutas pela Terra no Brasil: sujeitos, conquistas e direitos territoriais. ABYA YALA. Revista sobre acesso à justiça e direitos nas Américas. Brasília, v.1, n.2, abr./jul. 2017. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/abya/article/view/7031/23582 Acesso em 12 de setembro de 2020.
SILVA, J. F. da. América Latina: capital e devastação social. Revista Katálysis, janeiro de 2021 (prelo).
SILVA, José Fernando Siqueira da. Serviço Social: resistência e emancipação? São Paulo: Cortez, 2013.
_____. Sociedade do capital, violências e práxis profissional. In: Giovane Scherer. (Org.). Violência, Juventudes e Políticas Públicas. Porto Alegre: PUCRS, v. 1, p. 65-75, 2018.
SOUZA, Jamerson Murillo Anunciação de. Tendências Ideológicas do conservadorismo. Programa de Pós-graduação em Serviço Social da Universidade Federal de Pernambuco. Recife, Tese de Doutorado. 2016.
_____. O Conservadorismo moderno: esboço para uma aproximação. Serv. Soc. Soc. [online]. 2015, n.122, pp.199-223. ISSN 2317-6318. https://doi.org/10.1590/0101-6628.020. Acesso em 28 de agosto de 2020.
TEIXEIRA, Leile Silvia Cândido. O valor da fome no Brasil: Entre as necessidades humanas e a
reprodução do capital. 2015. 253f. Tese (Doutorado em Serviço Social) ‐ Universidade
Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Rio de Janeiro, 2015.
TOCQUEVILLE, A. de. Democracia y pobreza (memorias sobre el pauperismo). Madrid: Editora Trotta, 2003.
______. Lembranças de 1848 – as jornadas revolucionárias em Paris. São Paulo: Penguin Companhia, 2011.

Sites consultados -
https://tvjornal.ne10.uol.com.br/noticias/2020/08/11/ibge-2020-tem-recorde-de-desemprego-no-brasil-193188#:~:text=O%20segundo%20trimestre%20de%202020,per%C3%ADodo%20de%20janeiro%20a%20mar%C3%A7o.
https://www.oxfam.org.br/publicacao/menos-de-1-das-propriedades-agricolas-e-dona-de-quase-tade-da-area-rural-brasileira/. Acesso em 12 de set. 2020.
ttp://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2016/10/numero-de-homicidios-no-brasil-e-maior-do-que-o-de-paises-em-guerra.html. Acesso em 11 de set. 2020.
https://nacoesunidas.org/onu-fome-na-america-latina-e-no-caribe-pode-afetar-quase-67-milhoes-de-pessoas-em-2030/. Aceso em 14 de set. de 2020.
Publicado
2020-12-15
Seção
Dossiê: Os desafios do Serviço Social ante a escalada do Conservadorismo