Serviço Social e a temática família

renovação e conservadorismo na produção do conhecimento

Autores

  • Claudio Henrique Miranda Horst UFOP

DOI:

https://doi.org/10.34019/1980-8518.2020.v20.32043

Palavras-chave:

família; conservadorismo; serviço social; ENPESS

Resumo

O artigo apresenta a dialética renovação/conservadorismo na produção teórica e no trabalho profissional com famílias a partir de duas frentes: a) a recuperação histórica de três momentos da profissão (gênese/renovação/aproximação com o marxismo) e sua relação com a temática família; b) a compreensão de família apresentada por assistentes sociais em artigos publicados nos Encontros Nacionais de Pesquisadores em Serviço Social (ENPESS) entre 2004 e 2012. Por meio de uma pesquisa documental, com análise de conteúdo, busca-se decifrar os elementos históricos que se reatualizam, no presente, ou que são fontes de rupturas. Conclui-se que, diante da persistência de perspectivas conservadoras, na contramão da direção assumida há mais de 40 anos pela profissão, impõe-se, como urgente, a produção crítica do conhecimento sobre família.

Biografia do Autor

Claudio Henrique Miranda Horst, UFOP

Doutor em Serviço Social pela UFSC, Docente no Departamento de Serviço Social da UFOP.

Referências

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Política Nacional de Assistência Social/PNAS. Resolução CNAS nº 145, de 15 de outubro de 2004.
__________. Ministério da Previdência e Assistência Social. Norma Operacional Básica da Assistência Social/NOB-AS. Brasília: MPAS/SAS, 2005.
CARLI, R. Fenomenologia e Questão Social: Limites de uma filosofia. 1ª ed. Campinas, SP: Papel Social, 2013.
CONSELHO, Federal de Serviço Social. Serviço Social e Reflexões Críticas sobre Práticas Terapêuticas. 2010.
FÉRES-CARNEIRO, T. Terapia familiar: das divergências às possibilidades de articulação dos diferentes enfoques. Psicologia: Ciência e Profissão, n.16, p.38-42. 1996.
GUERRA, Y. A instrumentalidade do Serviço Social. 10. ed. São Paulo: Cortez, 2014.
________. Consolidar Avanços, Superar Limites e Enfrentar Desafios: os Fundamentos de uma Formação Profissional Crítica. In: Serviço Social e seus Fundamentos: Conhecimento e Crítica. Guerra, Yolanda (org.). Campinas, Papel Social, 2018. P.25-46.
IAMAMOTO, M. V; CARVALHO, R. Relações Sociais e Serviço Social no Brasil: esboço de uma interpretação histórico-metodológica. 10. ed. São Paulo: Cortez, 1996.
________. Renovação e Conservadorismo no Serviço Social – Ensaios Críticos. 12. ed. São Paulo: Cortez, 2013.
________. 40 anos da “virada” do Serviço Social no Brasil: história, atualidade e desafios. Revista Libertas, Juiz de Fora, v. 20, n.1, p.1 a 20, jan./jun. 2020. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/libertas/article/view/30303/20727. Acesso em:03/08/2020.
JORGE, C.F. A construção teórica das relações entre família e Serviço Social Brasileiro no contexto dos diferentes projetos societários. Dissertação do PPGSS/ PUC/SP. São Paulo, 2009, 103p.
KOFLER, L. História e Dialética – estudos sobre a metodologia da dialética marxista. Tradução de José Paulo Netto. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2010.
LÚKÁCS, G. Marx e o problema da decadência ideológica da burguesia. Anuário Lukács 2015. Miguel Vedda, Gilmaisa Costa, Norma Alcântara. São Paulo: Instituto Lukács, 2015.
MÉSZÁROS, I. Para além do Capital. São Paulo: Boitempo Editorial. 2002.
MINUCHIN. S. Famílias: funcionamento & tratamento. Porto Alegre, Artes Médicas, 1982.
MIOTO, R. C. T. Trabalho com Famílias: um desafio para os Assistentes Sociais. Revista Textos & Contextos, nº 3, ano III, dez. 2004.
________ Família, trabalho com famílias e Serviço Social. Serviço Social em Revista. Londrina, PR. vol. 12, nº.2, 2010.
NETTO, J. P. Transformações societárias e Serviço Social – Notas para uma análise prospectiva da profissão no Brasil. Revista Serviço Social e Sociedade, n º50, ano XVII, abril de 1996.
________. Capitalismo Monopolista e Serviço Social. 8. Ed. Cortez, 2011.
________ Ditadura e Serviço Social: uma análise do serviço social no Brasil pós 64. 17. ed. São Paulo: Cortez. 2015.
________ Marxismo e Família – Notas para uma discussão. In: AZEVEDO, M. A; GUERRA, V. N. (Orgs.). Infância e violência doméstica: fronteiras do conhecimento. 4. ed. São Paulo: Cortez. 2005.
SILVA, L. M. M. R. Serviço Social e Família: a legitimação de uma ideologia. São Paulo: Cortez. 2. Ed, 1982.
SILVEIRA JUNIOR, A. A. A assistência social e as ideologias do social-liberalismo: tendências político-pedagógicas para a formação dos trabalhadores do SUAS. Tese (Doutorado em Serviço Social) UFPE. 2016.
SOUZA, J. M. A. O sincretismo no Serviço Social: uma abordagem ontológica. In: MOTA, A. E; AMARAL, A. (org.) Cenários, contradições e pelejas do Serviço Social brasileiro. São Paulo: Cortez, 2016.
YAZBEK, C. Prefácio. Serviço Social no Brasil: história de resistências e de ruptura com o conservadorismo. Maria Liduína de Oliveira e Silva (org.). São Paulo. Cortez, 2016.

Publicado

2020-12-15

Edição

Seção

Dossiê: Os desafios do Serviço Social ante a escalada do Conservadorismo

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Obs .: Este plugin requer que pelo menos um plugin de estatísticas / relatório esteja ativado. Se seus plugins de estatísticas fornecerem mais de uma métrica, selecione também uma métrica principal na página de configurações do site do administrador e / ou nas páginas de configurações do gerente da revista.