Aspectos do conservadorismo higienista no Serviço Social clínico

implicações para o projeto ético-político profissional

  • Angely Dias da Cunha Universidade Estadual da Paraíba
  • Ariadna Nunes
Palavras-chave: Conservadorismo; Serviço Social Clínico; Serviço Social; Projeto Ético-Político.

Resumo

Este artigo é resultado de pesquisa bibliográfica e documental alicerçada no materialismo histórico-dialético e tem por objetivo geral analisar a presença do conservadorismo higienista no serviço social clínico e seus desdobramentos para efetivação do projeto ético-político. Com o intuito de apreender o objeto por meio das categorias heurísticas do método crítico-dialético problematiza-se o avanço do conservadorismo na sociedade e no serviço social em uma conjuntura marcada pela crise do capitalismo e contrarreforma do Estado. Nessa elucubração ontológica, identificou-se a presença de um perfil profissional terapêutico conservador adequado à reprodução do capitalismo e contrário ao projeto ético-político.

Biografia do Autor

Angely Dias da Cunha, Universidade Estadual da Paraíba
Graduada em serviço social pela Universidade Estadual da Paraíba. Foi membro do NÚCLEO DE PESQUISA E PRÁTICAS SOCIAIS (NUPEPS). Participou do projeto de pesquisa que tem como título TENDÊNCIAS DA FORMAÇÃO ACADÊMICO-PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NA PARAÍBA: mediações históricas, teóricas e ideopolíticas, Participou como monitora bolsista da disciplina Formação Sócio-Histórica do Brasil. Estagiou nas Unidades Básicas de Saúde nos bairros Das Cidades, Cruzeiro e Três Irmãs, no município de Campina Grande-PB, na qual desenvolveu um projeto de intervenção, que teve como objetivo Os Direitos dos Usuários do Sistema Único de Saúde (SUS).
Ariadna Nunes

Bacharela em Serviço Social pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM), Especialista em Docência do Ensino Superior pela Universidade Pitágoras Unopar e em Instrumentalidade do Serviço Social pela Faculdade Aldemar Rosado (FAR). Assistente Social na Secretária de Assistência Social de Natal.

Referências

ALENCAR, Mônica. O trabalho do assistente social nas organizações privadas não lucrativas. In: Serviço Social: direitos sociais e competências profissionais. Brasília:
CFESS/ABEPSS, 2009.

ANTUNES, Ricardo. A dialética do trabalho, escritos de Marx e Engels. São Paulo: Expressão Popular, 2005.

BEHRING, Elaine. Brasil em contra-reforma: desestruturação do Estado e perda de direitos. São Paulo: Cortez, 2003.

CIGNOLLI, Alberto. Estado e Força de trabalho: introdução à política social no Brasil. Ed. Brasiliense, 1985.

BIANCHI, Álvaro. Conservadorismo-liberal: uma nova linhagem do pensamento político? Blog Junho: ideias na rua. 2015.

CFESS. Atribuições privativas do(a) Assistente Social - Em Questão. Brasília/DF, 2012. In: Em foco: O Serviço Social Clínico e o projeto ético-político do Serviço Social, Rio de Janeiro, 2003.

DAIN, Sulamis; SOARES, Laura Tavares. Reforma do Estado e políticas públicas: relações intergovernamentais e descentralização desde 1988. In: OLIVEIRA, Marco Antonio de (org.). Reforma do Estado e Políticas de Emprego no Brasil. Campinas: UNICAMP, 1988.

DEMIER, Felipe. (orgs.) A onda conservadora: ensaios sobre os atuais tempos sombrios no Brasil. Rio de Janeiro: Mauad, 2016.

GUERRA, Yolanda. A formação profissional frente aos desafios da intervenção e das atuais configurações do ensino público, privado e à distância. In. Revista Serviço Social e Sociedade. São Paulo: Cortez, n. 104, p.715-736, 2010.

HARVEY, David. A Produção Capitalista do Espaço. São Paulo: Annablume, 1993.

IAMAMOTO, Marilda. Serviço Social em Tempo de Capital Fetiche: capital financeiro, trabalho e questão social. São Paulo: Cortez, 2007.

LOWY, Michael. Conservadorismo e extrema-direita na Europa e no Brasil. Revi. Serv. Soc. Soc., São Paulo, n. 124, p. 652-664, 2015.

MINAYO, M. C. S. Ciência, tecnica e arte: o desafio da pesquisa social. In: MINAYO, M. C. S. (org.). Pesquisa Social: Teoria, Método e Criatividade. 23 ed. Petrópolis: Vozes, 2004.

NETTO, José Paulo. O movimento de reconceituação: 40 anos depois. In: Revista Serviço Social e Sociedade, n.84. São Paulo: Cortez, 2005.
¬
__________. Ditadura e Serviço Social: uma análise do Serviço Social no Brasil pós-64. 16ºed. São Paulo: Cortez, 2011.

__________. Capitalismo monopolista e serviço social. 3° Ed. São Paulo: Cortez, 2001.

__________. Crise do Capital e Consequências Societárias. In. Revista Serviço Social e Sociedade. São Paulo, n. 111, p. 413-429, jul./set. 2012.

NOGUEIRA, Marco Aurélio. As Possibilidades da Política: idéias para a reforma democrática do Estado. São Paulo: Paz e Terra, 1998.

PAULISTA, Maria Inês. O passado sempre presente: as concepções de formação na história da Faculdade Paulista de Serviço Social - 1960-2000. Dissertação de mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Nove de Julho UNINOVE- 2009.

PEREIRA, Larissa. Educação Superior e Serviço Social: o aprofundamento mercantil da formação profissional a partir de 2003. In: Revista Serviço Social e Sociedade, n. 96. São Paulo: Cortez, 2008, p. 151-173 da Universidade Estadual de Campinas-SP. Campinas, 1994.

PRZEWORSKI, Adam et all. O capitalismo democrático na encruzilhada. trad. Otacílio F. Nunes Jr, Revista Novos Estudos, 1988.

REIS, Jose Roberto Franco. Higiene Mental e eugenia: o projeto de “regeneração nacional” da Liga Brasileira de Higiene Mental (1920-30). Dissertação de mestrado apresentada ao Departamento de História do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas-SP. Campinas, 1994.

SOUZA, Jamerson. Tendências ideológicas do conservadorismo. Tese (Doutorado em Serviço Social) – Universidade Federal de Pernambuco. CCSA, 2016.

VASCONCELOS, Eduardo. (Org.). Saúde Mental e Serviço Social. O desafio da subjetividade e da interdisciplinaridade. São Paulo: Cortez, 2000.

YASBEK, Maria. Os fundamentos históricos e teórico¬-metodológicos do Serviço Social brasileiro na contemporaneidade. Disponível em: . Acesso em: 20 de ago. de 2020.
Publicado
2020-12-15
Seção
Dossiê: Os desafios do Serviço Social ante a escalada do Conservadorismo