Notas sobre a superexploração da força de trabalho no Brasil no século XXI

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34019/1980-8518.2020.v20.30928

Palavras-chave:

PALAVRAS-CHAVE: acumulação capitalista; superexploração da força de trabalho; Brasil

Resumo

Este artigo é resultado de uma pesquisa bibliográfica e documental sobre a relação da superexploração da força de trabalho no Brasil através de dados fornecidos pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), pelo Sistema de Contas Nacionais (SCN) e pelo Instituto Latino-Americano de Estudos Socioeconômicos (ILAESE). Entendemos que a categoria superexploração do trabalho analisada por Marini nos anos de 1970  nos permite constatar que, nas primeiras décadas do século XXI, explica a relação trabalhista no país e os fundamentos da acumulação capitalista em curso, seja pela via do arrocho salarial e também pelo aumento dos impostos sobre a classe trabalhadora.

 

 

Biografia do Autor

Anderson Martins Silva, UFJF

Licenciado em Ciências Sociais pela Universidade Estadual Paulista (UNESP-Marília). Mestre e doutorando em Serviço Social pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Membro do grupo de pesquisa dýnamis – Grupo de Estudos em Teoria Social e Crítica da Economia Política (CNPq). Bolsista CAPES.

Ednéia Alves de Oliveira, Faculdade Serviço Social - UFJF

Doutora em Serviço Social pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Professora da Faculdade de Serviço Social da Universidade Federal de Juiz de Fora. Coordenadora do Grupo de pesquisa Trabalho, Mercado de Trabalho e Serviço Social (CNPq) e do grupo de pesquisa dýnamis – Grupo de Estudos em Teoria Social e Crítica da Economia Política (CNPq).

Referências

ABBC. Endividamento das famílias. 2018, disponível em <http://www.abbc.org.br/images/content/Endividamento%20das%20Fam%C3%ADlias%20-%20Mar%C3%A7o%202018.pdf>. Acesso em 24/11/2018.
ARCARY, Valério. Um reformismo quase sem reformas: uma crítica marxista do governo Lula em defesa da revolução brasileira. São Paulo: Sundermann, 2014.

BAMBIRRA, V. O capitalismo dependente latino-americano. Florianópolis: Insular/IELA, [1972] 2012.

BEHRING, Elaine Rossetti; BOSCHETTI, Ivanete. Política Social: fundamentos e história. 6° ed. São Paulo: Cortez, 2009.

CARCANHOLO, M. (Im)precisões sobre a categoria da superexploração da força de trabalho. In ALMEIDA FILHO, N. (org) Desenvolvimento e dependência. Brasília: IPEA, 2013.

CARNEIRO, R. Desenvolvimento em crise: A economia brasileira no último quarto do século XX. São Paulo: Editora UNESP/IE-UNICAMP, 2002.

CARVALHO, Laura. Valsa Brasileira: do boom ao caos econômico. São Paulo: Todavia, 2018.
CHAHAD, José Paulo Zeetano. O mercado de trabalho brasileiro- 2012/2019. Retrospectivas e perspectivas. Temas de Economia Aplicada. Informações Fipe, set. 2019. Disponível em: https://downloads.fipe.org.br/publicacoes/bif/bif468-7-22.pdf >Acesso em 14 de abril de 2020.
DIEESE. Pesquisa nacional da Cesta Básica de Alimentos: Salário mínimo nominal e necessário. Disponível em www.dieese.org.br/analisecestabasica/salarioMinimo.html, acesso em 24/06/2019.

_______. Política de valorização do salário mínimo: depois de 20 anos, reajuste fica abaixo da inflação (INPC). Nota técnica n.166, jan, 2017.

DOS SANTOS, T. Teoria da dependência: balanço e perspectivas. Belo Horizonte: Vega, 1983.

IBGE. Sistema de Contas Nacionais. 2017.

FILGUEIRAS, L., GONÇALVES, R. A economia política do Governo Lula. 1° ed. Rio de janeiro: Contraponto, 2007.

GONÇALVES, R. Balanço crítico da economia brasileira nos governos do Partido dos Trabalhadores. 2013. Disponível em http://www.ie.ufrj.br/intranet/ie/userintranet/hpp/arquivos/r_goncalves_balanco_critico_12_05_2013.pdf. Acesso em: 30/06/2018.

______________. Governo Lula e o Nacional Desenvolvimentismo às avessas. In Revista da Sociedade Brasileira de Economia. São Paulo, nº 31, p. 5-30, fevereiro 2012.

LUCE, M. A superexploração da força de trabalho no Brasil. Revista da Sociedade Brasileira de Economia Política, São Paulo, n.32, p.119-141, junho. 2012.

MARINI, R. Subdesenvolvimento e Revolução. 4°. ed. Florianópolis: Insular, 2013.

_________. Dialéctica de la dependencia. México: Ediciones Era, 1991.

MARX, K. O Capital: Crítica da Economia Política. Livro III. São Paulo: Boitempo, 2017.

OLIVEIRA, E.A. A política de emprego na Itália e no Brasil: a precarização protegida e a precarização desprotegida. Editora CRV, Curitiba, 2017.

OREIRO, José Luiz da Costa e Paula, Luiz Fernando. A economia brasileira no governo Temer e Bolsonaro: uma avaliação preliminar, 2019. Disponivel em: https://www.researchgate.net/publication/336147850_A_economia_brasileira_no_governo_Temer_e_Bolsonaro_uma_avaliacao_preliminar Acesso 09 abr. 2020.
OSÓRIO, J. Fundamentos da superexploração. In ALMEIDA FILHO, N. (org) Desenvolvimento e dependência. Brasília: IPEA, 2013.

PEREIRA, D. Distribuição funcional da renda no Brasil (1955-2014). Natal, 2017, 106 pp. Dissertação (Mestrado em Economia) – Programa de Pós-Graduação em Economia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

POCHMANN, M. Nova Classe Média? O trabalho na base da pirâmide social brasileira. São Paulo: Boitempo, 2012.

PRADO, F; CASTELO, R. O início do fim? Notas sobre a teoria marxista da dependência no Brasil Contemporâneo. Pensata, São Paulo, v. 3, n° 1, dezembro. 2013.

ROMERO et al, D. Os motivos da revolta popular: um balanço crítico do governo do PT. São Paulo: ILAESE, 2014.

VELOSO, F; VILLELA, A et al. Determinantes do “Milagre” Econômico Brasileiro (1968-1973): Uma Análise Empírica. Revista Brasileira de Economia. Rio de Janeiro v. 62, n. 2 / p. 221–246, Abr-Jun, 2008.

TRUFFI, R. A conta chegou... para os pobres. In Carta Capital 12/01/2017. Disponível em https://www.cartacapital.com.br/revista/934/a-conta-chegou-para-os-pobres . Acesso em 20/09/2018.

Publicado

2020-12-15