A apropriação do pensamento marxiano e os fundamentos ontológicos da ética: algumas aproximações teóricas | The appropriation of Marxian thought and the ontological foundations of ethics: some theoretical approaches

  • Everton Melo da Silva
Palavras-chave: fundamentos da ética;, pensamento marxiano;, Serviço Social brasileiro.

Resumo

Este artigo discute sobre o processo de apropriação ideopolítica, epistemológica e ontológica da teoria social de Karl Marx pelo Serviço Social brasileiro, especificando a discussão dos fundamentos ontológicos da ética. O artigo é parte das reflexões desenvolvidas na disciplina “Relações sociais e Serviço Social”, no âmbito do Programa de Pós-graduação em Serviço Social/UFAL, e de uma pesquisa bibliográfica que versou sobre a literatura crítica do Serviço Social, com destaque para os autores Marilda Iamamoto, José Paulo Netto e Lúcia Barroco, e sobre os fundamentos do trabalho e da ética, sustentado em Karl Marx, György Lukács e Sérgio Lessa. O resultado principal da pesquisa aponta que o Serviço Social, por meio da apropriação ontológica do pensamento marxiano, pôde pensar e problematizar o complexo da ética na sociabilidade humana, tomando o trabalho enquanto fundamento ontológico do ser social.

Referências

BARROCO, M. L. Ontologia Social e Reflexão Ética. 1996. 304f. Tese (Doutorado em Serviço Social). Programa de Pós-graduação em Serviço Social, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1996.
______. Ética e Serviço Social: fundamentos ontológicos. 5 ed. São Paulo: Cortez, 2007.
______. Bases filosóficas para uma reflexão sobre ética e Serviço Social. In: BONETTI, D. A. et al (Org.). Serviço Social e Ética: convite a uma nova práxis. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2008. p. 71-86.
______. Ética: fundamentos sócio-históricos. 3 ed. São Paulo: Cortez, 2010.
CORTELLA, M. S. O espaço da ética na relação indivíduo e sociedade. In: BONETTI, D. A. et al (Org.). Serviço Social e Ética: convite a uma nova práxis. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2008. p. 49-59.
IAMAMOTO, M. V. O Serviço social na contemporaneidade: trabalho e formação profissional. 12 ed. São Paulo: Cortez, 2006.
______. Renovação e conservadorismo no Serviço Social. 9 ed. São Paulo: Cortez, 2003. p. 17-40
LESSA, S. O mundo dos homens: trabalho e ser social. 3 ed. São Paulo: Instituto Lukács, 2012.
______. Para compreender a ontologia de Lukács. 3 ed. Ijuí: Ed. Unijuí, 2007.
LUKÁCS, G. Para uma ontologia do ser social II. São Paulo: Boitempo, 2013.
MARX, Karl. O Capital: crítica da economia política. São Paulo: Boitempo, 2013.
MARX, K. ENGELS, F. A ideológica alemã. São Paulo: Expressão Popular, 2009.
NETTO, J. P. O movimento de reconceituação – 40 anos depois. Serviço Social e Sociedade, São Paulo, n. 84, ano XXVI, p. 05-20, nov. 2005.
______. Prefácio. In: Ética e Serviço Social: fundamentos ontológicos. 5 ed. São Paulo: Cortez, 2007.
______. Ética e crise dos projetos de transformação social. In: BONETTI, D. A. et al (Org.). Serviço Social e Ética: convite a uma nova práxis. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2008.
______. Ditadura e Serviço Social: uma análise do Serviço Social pós-64. 16 ed. São Paulo: Cortez, 2011.
PAIVA, B. A. Algumas considerações sobre a ética e valor. In: BONETTI, D. A. et al (Org.). Serviço Social e Ética: convite a uma nova práxis. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2008. p. 105-110.
QUIROGA, C. Invasão positivista no marxismo: manifestações no ensino da metodologia no Serviço Social. São Paulo: Cortez, 1991.
SANTOS, D. R. Os fundamentos ontológicos da ética e as suas configurações no debate teórico do Serviço Social: um estudo introdutório a partir de György Lukács. Dissertação (mestrado em Serviço Social). Universidade Federal de Alagoas, Pós-graduação em Serviço Social, Alagoas: UFAL, 2014.
SANTOS, J. S. Neoconservadorismo pós-moderno e Serviço Social brasileiro. São Paulo: Cortez, 2007.
SIMÕES, C. A ética das profissões. In: BONETTI, D. A. et al (Org.). Serviço Social e Ética: convite a uma nova práxis. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2008. p. 60-70.
TONET, I. Método científico: uma abordagem ontológica. São Paulo: Instituto Lukács, 2013.
Publicado
2019-08-26