O financiamento federal da Saúde Mental após o Pacto da Saúde

  • Maria Lúcia Teixeira Garcia
Palavras-chave: Política de saúde mental, financiamento, governo Lula

Resumo

O artigo analisa o financiamento das ações e dos serviços em saúde mental brasileiro, partindo de revisão de literatura e pesquisa documental. Dados do Ministério da Saúde indicam um gasto com Saúde Mental de 1 bilhão, oitocentos e doze milhões, setecentos e setenta mil reais em 2011 (28,80% com assistência hospitalar e 71,20% com assistência extrahospitalar). A política de saúde mental brasileira propõe a organização de uma rede articulada de serviços que forneçam atenção psicossocial à todas as pessoas com transtornos mentais. Os gastos aqui expressam dois pólos da questão: de um lado, a garantia do direito constitucional de acesso aos serviços de saúde mental à 72% da população. Por outro, a 28% de brasileiros esse direito é negado. Os gastos extrahospitalares em saúde mental mantêm-se superiores aos gastos com internação, mas o avanço da reforma psiquiátrica se faz lento no país.

Biografia do Autor

Maria Lúcia Teixeira Garcia
Assistente social, doutora em Psicologia (USP) e docente do Departamento de Serviço Social e do Programa de Pós-Graduação em Política Social da UFES. Editora da revista Argumentum e colaboradora na revista Temporalis (Abepss).
Publicado
2012-04-16