Fatores para o status de ser doador de medula óssea em cidade médio porte

Autores

  • José Antonio Chehuen Neto Departamento de Cirurgia, Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Juiz de Fora https://orcid.org/0000-0001-9640-0444
  • Carolina Martins Moreira Elias Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Juiz de Fora https://orcid.org/0000-0002-7010-8514
  • Maura Furtado Barbosa Felipe Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Juiz de Fora https://orcid.org/0000-0002-3955-6888
  • Matheus Cruz Ferraro Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Juiz de Fora https://orcid.org/0000-0003-3649-3399
  • Renato Erothildes Ferreira Programa de Pós-Graduação em Saúde, Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Juiz de Fora

DOI:

https://doi.org/10.34019/1982-8047.2021.v47.34072

Palavras-chave:

Medula óssea, Transplante de medula óssea, Doadores de Tecidos

Resumo

Introdução: Transplante de medula óssea é o tratamento primordial para algumas doenças que comprometem a medula óssea (MO). Atualmente, o número de cadastrados para doação de MO é crescente, mas ainda está aquém do ideal. Objetivo: Avaliar os principais motivos que levam à decisão de se cadastrar ou não para doação de MO com o intuito de aumentar a adesão ao cadastro no Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea (Redome). Metodologia Material e Métodos: Pesquisa quantitativa e descritiva realizada na cidade de Juiz de Fora, com a aplicação de questionário, em uma amostra de 448 moradores, entre 18 e 55 anos, sem afecções que contraindicam a doação. O questionário foi elaborado pelos autores com base em uma revisão bibliográfica minuciosa. Foram avaliadas variáveis demográficas e barreiras para o cadastro para ser doador de MO. Resultados: Entre os entrevistados, a média de idade foi de 32,6 anos, sendo 50,2% do sexo feminino, 52,6% brancos, 51% com renda de 1 a 3 salários e 55% com ensino médio completo. Dentre eles, 89,7% declararam não serem cadastrados como doadores de MO. Concluiu-se que os mais velhos têm 3,39 mais chances de se cadastrarem, enquanto os não brancos têm 55,1% menos chances de se cadastrarem. Conclusões: O fator que contribui para a baixa adesão ao cadastro em nosso meio é, principalmente, a falta de informação. Ademais, a informação por meio da mídia e as campanhas de doação de MO pelos setores de saúde são alguns dos fatores que esclareceriam a população sobre o tema, influenciando, assim, o cadastro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Antonio Chehuen Neto, Departamento de Cirurgia, Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Juiz de Fora

Graduado em Medicina pela Universidade Federal de Juiz de Fora (1982),possui Mestrado em Técnica Operatória e Cirurgia Experimental pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp -1990) e Doutorado em Técnica Operatória e Cirurgia Experimental pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp -1994). Atualmente é Professor Associado 2 da Universidade Federal de Juiz de Fora em Técnica Cirúrgica e Metodologia Científica, médico da Prefeitura Municipal de Juiz de Fora, médico staff em Cirurgia de Cabeça e Pescoço do Hospital Albert Sabin e do Hospital Monte Sinai. Pós-graduado Sensu Lato em Cirurgia Geral (Hospital Miguel Couto RJ ) e Cirurgia de Cabeça e Pescoço ( Hospital Heliópolis -SP). Como docente e profissional, atua principalmente nos seguintes temas: educação médica, cirurgia, gestão, estratégia educacionaAtua l e metodologia científica.

Referências

Souza AB, Gomes EB, Leandro ML. Fatores contribuintes para a adesão àdoação de sangue e medula óssea. Cad. Cult. Ciênc. 2008; 2(1):07-14.

Coelho P, Ibiapina I, Silva ALL, Guimarães DB. Predisposição para doação de medula óssea à luz da Teoria do Comportamento Planejado. Teoria e Prática em Administração. 2019; 9(1):119-30.doi: http://dx.doi.org/10.21714/2238-104X2019v9i1-41116.

Valeri PAO, Mesquita CC, Laurindo PS, Pereira GC, Silva PGPP, Faria JTB et al. Impacto da pandemia por COVID-19 no Serviço de Transplante de Medula Óssea e Terapia Celular do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo. Revista Qualidade HC. 2020; 1:104-12.

Aljurf M, Weisdorf D, Alfraih F, Szer J, Muller C, Confer D et al. Worldwide Network for Blood & Marrow Transplantation (WBMT) special article, challenges facing emerging alternate donor registries. Bone Marrow Transplantation. 2019; 54(8):1179-88. doi: 10.1038/s41409-019-0476-6.

Kim M, Shin M. Effect of Educational Program on Knowledge, Attitude, and Willingness of Nursing Students for Hematopoietic Stem-Cell Donation. IntJ Environ ResPublic Health. 2019; 16(19): 3696. doi: 10.3390/ijerph16193696.

Vekaria KM, Hammell AE, Vincent L, Smith M, Switzer GE, Rogers T, et al. The Hole of Prospection in Altruistic Bone Marrow Donation Decisions. Health Psychology. 2019; 39(4):316–24.doi: 10.1037/hea0000819.

Bicalho MG, Ruiz TM, da Costa SMC, Zacarias FR. Haplótipos HLA mais frequentes em doadores voluntários de medula óssea de Curitiba, Paraná. RevBrasHematolHemoter. 2002; 24(4):1. doi: https://doi.org/10.1590/S1516-84842002000400010.

Silva MJS, de Souza PGVD. Desenvolvimento de doenças e complicações após transplante de medula óssea. BrazilianJournalofDevelopment. 2020; 6(12):98279-94. doi: 10.34117/bjdv6n12-354.

Corgozinho MM, Gomes JRAA, Garrafa V. Transplantes de medula óssea no Brasil: dimensão bioética. Revista Latino-americana de Bioética. 2012; 12(1):36-45.

Neumann J. Nursing challenges caring for bone marrow transplantation patient with graft versus host disease. Hematol Oncol Stem Cell Ther. 2017; 10(4):192-4. doi: 10.1016/j.hemonc.2017.06.001.

Beom SH, Kim EJ, Kim M, Kim TG. Unrelated hematopoietic stem cell registry and the role of the Hematopoietic Stem Cell Bank. BloodReserach. 2016; 51(2):107-12. doi: 10.5045/br.2016.51.2.107.

Neto JAC, Sirimarco MT, Choi CMK, Duque AGS, Faria BLPP. Doadores de medula óssea entre docentes de medicina e ciências exatas: há informação suficiente?. HU Revista. 2007; 32(2):37-42.

Glaser EVL, Barbosa FAF, Cunha FV, Vador RMF, Menêses TMF. O enfermeiro frente aos fatores que dificultam a doação de medula óssea. BrazilianJournalofDevelopment. 2021; 7(1):3240-49. doi: https://doi.org/10.34117/bjdv7n1-218.

Instituto Nacional do Câncer (Inca) [homepage na internet]. Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea [acesso em 16 jan 2020]. Disponível em: http://redome.inca.gov.br/o-redome/dados.

Tasso NAM. Doação de sangue: aspectos sociodemográficos e análise evolutiva [Dissertação]. Natal: Universidade Federal do Rio Grande do Norte; 2018.

La Casta AH, Shaw BE, Anthias C, Bruce JG, Pastorek G, Billen A, et al. Motives for joining an unrelated HSC donor registry: description, categorization, and association with donor availability. Springer NatureLimited. 2018; 54(3):425-31. doi: 10.1038/s41409-018-0278-2.

Ferrazzo S, Vargas MAO, Mancia JR, Ramos FRS. Crença religiosa e doação de órgãos e tecidos: revisão integrativa da literatura. Revista de enfermagem da UFMS. 2011; 1(3): 449-460. doi: https://doi.org/10.5902/217976922790.

Camargo A, Faraco C, Fernandes F, Guimarães F, Silva L, Aragon L, et al. Estudo sobre doação voluntária de medula óssea em Porto Alegre e região metropolitana [Dissertação]. Porto Alegre: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul; 2018.

Lima ANR, Martins C, Miguel M. Avaliação do conhecimento de acadêmicos universitários sobre o transplante de medula óssea e dos motivos para o não cadastramento no REDOME. EnciclopédiaBiosfera. 2015; 11(21):3325-33.

Switzer GE, Myaskovsky L, Goycoolea JM, Dew MA, Confer DL, King R. Factors associated with ambivalence about bone marrow donation among newly recruited unrelated potential donors. Transplantation. 2003; 75(9):1517–23. doi: 10.1097/01.TP.0000060251.40758.98.

Li EW, Lee A, Vaseghi-Shanjani M, Anagnostopoulos A, Jagelaviciute G, Kum E, Petraszko T, et al. Development and Evaluation of a Whiteboard Video Series to Support the Education and Recruitment of Committed Unrelated Donors for Hematopoietic Stem Cell Transplantation. Biol Blood Marrow Transplant. 2020; 26(11):2155-64. doi: 10.1016/j.bbmt.2020.07.008.

Gomes EB, Maia ER. Doador voluntário ou de reposição? Fatores determinantes para um doador de reposição tornar-se um doador voluntário de sangue. Saúde Coletiva: coletânea. 2007; 1:1.

Downloads

Publicado

2022-01-04

Como Citar

1.
Chehuen Neto JA, Martins Moreira Elias C, Furtado Barbosa Felipe M, Cruz Ferraro M, Erothildes Ferreira R. Fatores para o status de ser doador de medula óssea em cidade médio porte. hu rev [Internet]. 4º de janeiro de 2022 [citado 5º de julho de 2022];47:1-11. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/34072

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

<< < 1 2