Doença de Rosai-Dorfman em paciente do sexo feminino e idade atípica: relato de caso e revisão de literatura

  • Ana Luíza Guedes Pires Departamento de Cirurgia, Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Juiz de Fora. Juiz de fora, MG https://orcid.org/0000-0002-4061-0028
  • Matheus Magalhães Apolinário Departamento de Cirurgia, Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Juiz de Fora. Juiz de fora, MG https://orcid.org/0000-0002-2599-9442
  • Lucas Alves de Almeida Departamento de Cirurgia, Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Juiz de Fora. Juiz de fora, MG https://orcid.org/0000-0001-6120-0661
  • José Antônio Chehuen Neto Departamento de Cirurgia, Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Juiz de Fora. Juiz de fora, MG https://orcid.org/0000-0001-9640-0444
  • Emílio Augusto Campos Pereira de Assis Centro de Investigação e Diagnóstico em Anatomia Patológica. Juiz de Fora, MG
Palavras-chave: Histiocitose Sinusal, Emperipolese, Esvaziamento Cervical

Resumo

Introdução: A doença de Rosai-Dorfman (DRD) é um distúrbio histiocítico proliferativo benigno raro, que normalmente se apresenta com linfadenopatia massiva, indolor, bilateral, principalmente na região cervical e submandibular, podendo vir acompanhado de febre, perda de peso, sudorese noturna, leucocitose e aumento da velocidade de hemossedimentação. A prevalência da doença é maior em  homens de até 20 anos. Não há consenso quanto à etiologia da doença, apesar de acreditarem existir algumas correlações com herpes vírus humano tipo 6 (HHV6), vírus Epstein-Barr (EBV) ou citomegalovírus. Objetivo: Demonstrar entidade rara em uma apresentação atípica e verificar as condutas tomadas. Relato de Caso: MASC, feminino, 55 anos, queixava-se de massa cervical à direita com compressão  há cinco meses. Ainda sem diagnóstico, foi realizada operação para retirada de provável linfonodo cervical. A peça cirúrgica foi enviada para exame anatomopatológico e imunohistoquímico, sendo diagnosticada doença de Rosai-Dorfman. Após um ano e cinco meses de pós-operatório, notou-se recidiva do caso. Resultados: Trata-se de uma paciente de 55 anos, cuja entidade torna-se ainda mais rara pelo sexo e idade acometidos, além de apresentação unilateral. Diagnóstico prévio  ao ato operatório não foi possível, sendo confirmado pelas análise anatomopatológica e imunohistoquímica. Paciente apresentou recidiva, tratada com corticoterapia pela equipe clínica. Conclusão: Para minimizar situações de erro ou atraso de diagnóstico, torna-se importante o conhecimento dos principais sintomas apresentados pelos pacientes e suas possíveis variações, colocando-a sempre como diagnóstico diferencial de adenomegaliais cervicais.

Referências

Veloso Neto JC, Siqueira SAC, Zerbini MCN. Rosai-Dorfman disease: a rare entity diagnosed at autopsy. Autopsy Case Rep. 2013; 3(1):23-8. http://dx.doi.org/10.4322/acr.2013.004

Correia R, Carvalho A, Rodrigues M, Rios E, Fonseca E, Cunha R. Doença de Rosai-Dorfman. Act Radiol Port. 2018; 30(2):31-3.

Bhakta PR, Kripa D, Anjan S, Kanta BD. Sinus histiocytosis with massive lymphadenopathy (Rosai-Dorfman disease): a case report and literature review. Int Arch Otorhinolaryngol. 2014; 18(4):406-8. http://dx.doi.org/10.1055/s-0034-1387163.

Maia RC, Meis E, Romano S, Dobbin JA, Klumb CE. Rosai-Dorfman disease: a report of eight cases in a tertiary care center and a review of the literature. Braz J Med Biol Res. 2015; 48(1):6-12. http://dx.doi.org/10.1590/1414-431x20144110.

Lao IW, Dong Y, Wang J. Rosai-Dorfman disease of the pericardium: a case report and review of literature. Int J Clin Exp Pathol. 2014; 7(6):3408-12.

Janku F, Diamond EL, Goodman AM, Raghavan VK, Barnes TG, Kato S et al. molecular profiling of tumor tissue and plasma cell-free DNA from patients with non-langerhans cell histiocytosis. American Association for Cancer Research. 2019. doi: 10.1158/1535-7163.MCT-18-1244

Cruz-Camejo Y, Burgos-Aragüez D, Flores-Veja Y, Cáceres-Lavernia HH, Jimenez-Galainena J, Curbelo-Heredia I. Enfermedad de Rosai-Dorfman cutánea: a propósito de un caso. Rev Cubana Hematol Inmunol Hemoter. 2013; 29(1):90-8.

Gameiro A, Gouveia M, Cardoso JC, Tellechea O. Histological variability and the importance of clinicopathological correlation in cutaneous Rosai-Dorfman disease. An Bras Dermatol. 2016; 91(5):634-7.

Dalia S, Sagatys E, Sokol L, Kubal T. Rosai-Dorfman disease: tumor biology, clinical features, pathology, and treatment. Cancer Control. 2014; 322-7.

Cartin-Ceba R, Golbin JM, Yi ES, Prakash UB, Vassallo R. Intrathoracic manifestations of Rosai-Dorfman disease. Respir Med. 2010;104(9):1344-9.

Foucar E, Rosai J, Dorfman R. Sinus histiocytosis with massive lymphadenopathy (Rosai-Dorfman disease): review of the entity. Semin Diagn Pathol. 1990; 7(1):19-73.

Lateef N, Haseeb A, Ghori UK, Tauseef A, Dawood M, Hasan Kazmi SM. Rosai-Dorfman disease: rare presentation as isolated mediastinal and hilar lymphadenopathy. Cureus. 2018; 10(1):e2017. doi: 10.7759/cureus.2017.

Ahuja J, Kanne JP, Meyer CA, Pipavath SN, Schmidt RA, Swanson JO et al. Histiocytic disorders of the chest: imaging findings. Radiographics. 2015; 35(2):357-70.

Mantilla JG, Goldberg-Stein S, Wang Y. Extranodal Rosai-Dorfman disease: clinicopathologic series of 10 patients with radiologic correlation and review of the literature. Am J Clin Pathol. 2016; 145(2):211-21.

Medeiros IL, Cruz Neto CA, Mendes MS, Gomes Neto A, Martins Neto F, Arruda BFT. Doença de Rosai-Dorfman apresentando-se como massa em artéria pulmonar. Relatos Casos Cir. 2019; (1):e2078.

Publicado
2020-08-21
Como Citar
1.
Guedes Pires AL, Magalhães Apolinário M, Alves de Almeida L, Chehuen Neto JA, Campos Pereira de Assis EA. Doença de Rosai-Dorfman em paciente do sexo feminino e idade atípica: relato de caso e revisão de literatura. hu rev [Internet]. 21º de agosto de 2020 [citado 21º de setembro de 2020];460:1-. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/29673
Seção
Relato de Caso