Limitações no cotidiano das pessoas com lesão crônica

Autores

  • Rayssa Nogueira Rodrigues Universidade Federal de São João del Rei, Campus Centro-Oeste Dona Lindu.
  • Maísa Mara Lopes Macedo Universidade Federal de São João del Rei, Campus Centro-Oeste Dona Lindu
  • Débora Aparecida Silva Souza Universidade Federal de São João Del Rei - Campus Centro Oeste Dona Lindu
  • Juliano Teixeira Moraes Universidade Federal de São João del Rei, Campus Centro-Oeste Dona Lindu
  • Fernanda Moura Lanza Universidade Federal de São João Del Rei - Campus Centro Oeste Dona Lindu https://orcid.org/0000-0001-8250-180X
  • Daniel Nogueira Cortez Universidade Federal de São João del Rei, Campus Centro-Oeste Dona Lindu

DOI:

https://doi.org/10.34019/1982-8047.2019.v45.25798

Palavras-chave:

Enfermagem, Cuidados de enfermagem, Úlcera da perna, Atividades cotidianas, Qualidade de vida.

Resumo

Introdução: A lesão de pele é considerada crônica quando ultrapassa seis semanas para cicatrizar, sendo um problema de saúde pública, devido ao impacto psicológico, social e econômico para o paciente, com elevados e crescentes custos para o sistema de saúde. Objetivo: compreender as limitações no cotidiano das pessoas com lesões crônicas. Material e métodos: estudo descritivo, exploratório, de abordagem qualitativa, realizado em um município de Minas Gerais com nove usuários de uma unidade básica de saúde.  Utilizou-se a entrevista aberta para a coleta de dados, que após transcrição na íntegra foram submetidas à Análise de Conteúdo na modalidade temática. Resultados: os indivíduos descreveram que a dor dificultava a realização dos afazeres domésticos e ocupacionais. A limitação de conviver com a lesão crônica também se relacionava com a dependência para realizar essas ativida­des. O afastamento social foi relatado pelos participantes devido ao odor e secreção, o que ocasionava a baixa autoestima. Conclusão: as lesões repercutem sobre as esferas psicoemocionais dos pacientes, com impactos negativos sobre a qualidade de vida. Demonstra, portanto, a importância do atendimento pautado no acolhimento humanizado e na escuta sensível durante todo o tratamento.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Lara MO, Júnior ACP, Pinto JSF; Vieira NF, Wichr P. Significado da ferida para portadores de úlceras crônicas. Cogitare enferm. 2011; 16(3):471-7.

Peart J. Influence of psychosocial factors on coping and living with a venous leg ulcer. Br J Community Nurs. 2015; Suppl Community Wound Care:S21-2, S24, S26-7.

Silva MH, Jesus MCP, Merighi MAB, Oliveira DM, Biscotto, Silva GPS. O cotidiano do homem que convive com a úlcera venosa crônica: estudo fenomenológico. Rev Gaúcha Enferm. 2013;34(3):95-101.

Riegel B, Jaarsma T, Strömberg A. A Middle-range theory of self-care of chronic illness. Adv Nurs Sci. 2012;35(3):194-204.

Conselho Federal de Enfermagem (BR). Resolução nº 567, de 29 de janeiro de 2018. Regulamenta a atuação da Equipe de Enfermagem no Cuidado aos pacientes com feridas. 2018. Diário Oficial da União, seção 1, número 26, p.112. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/resolucao-cofen-no-567-2018_60340.html

Fonseca C, Franco T, Ramos A, Silva C. A pessoa com úlcera de perna, intervenção estruturada dos cuidados de enfermagem: revisão sistemática da literatura. Rev Esc Enferm USP 2012; 46(2):480-6.

Silva DS, Hahn GV. Cuidados com úlceras venosas: realidade do Brasil e Portugal. Rev Enferm UFSM. 2012;2(2):330-338.

Conselho Federal de Enfermagem (COFEN). Resolução n.º 358/2009, de 15 de outubro de 2009. Dispõe sobre a Sistematização da Assistência de Enfermagem e a implementação do Processo de enfermagem em ambientes, públicos ou privados, em que ocorre o cuidado profissional de Enfermagem, e dá outras providências. [internet] 2009 [acesso em 2015 mar 12]. Disponível: http://www.cofen.gov.br/resoluo-cofen-3582009_4384.html.

Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo. Processo de Enfermagem: guia para a prática. São Paulo; COREN-SP; 2015.

Macedo MML, Rodrigues RN, Cortez DN, Lanza FM, Gontijo TL. Abordagem ao portador de úlceras crônicas no município de Divinópolis-MG. Rev APS. 2013; 16(4): 474-78.

Minayo MCS. Análise qualitativa: teoria, passos e fidedignidade. Ciênc. saúde coletiva 2012; 17(3): 621-626.

Bardin L. Análise de conteúdo. 4ªed. Lisboa; Edições 70; 2011.

Rodrigues ALS, Oliveira BGRB, Futuro DO, Secoli SR. Efetividade do gel de papaína no tratamento de úlceras venosas: ensaio clínico randomizado. Rev Latino-Am Enfermagem. 2015;23(3):458-65.

Kouris A, Christodoulou C, Efstathiou V, Chatzimichail I, Zakopoulou N, Zouridaki E. Quality of life in Greek family members living with leg ulcer patients. Wound Repair Regen. 2015; 23(5): 778-80.

Budó MLD, Durgante VL, Rizzatti SJS, Silva DC, Gewehr M, Farão EMD. Úlcera venosa, índice tornozelo braço e dor nas pessoas com úlcera venosa em assistência no ambulatório de angiologia. R. Enferm. Cent. O. Min. 2015; 5(3):1794-1804.

Edwards H; Finlayson K; Courtney M; Graves N; Gibb M; Parker C. Health service pathways for patients with chronic leg ulcers: identifying effective pathways for facilitation of evidence based wound care. BMC Health Serv Res. 2013; 13:86.

Dias TYAF, Costa IKF, Melo MDM, Torres SMSGSO, Maia EMC, Torres GV. Avaliação da qualidade de vida de pacientes com e sem úlcera venosa. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2014;22(4):576-81.

Mooij MC, Huisman LC. Chronic leg ulcer: does a patient always get a correct diagnosis and adequate treatment? Phlebology. 2016;31(1 Suppl):68-73.

House SL. Psychological distress and its impact on wound healing: an integrative review. J Wound Ostomy Continence Nurs. 2015; 42(1):38-41.

Jesus PBR, Brandão ES, Silva CRL. Cuidados de enfermagem aos clientes com úlceras venosas uma revisão integrativa da literatura. J. res.: fundam. care. online 2015; 7(2):2639-2648.

Downloads

Publicado

2019-08-01

Como Citar

1.
Nogueira Rodrigues R, Lopes Macedo MM, Silva Souza DA, Teixeira Moraes J, Moura Lanza F, Nogueira Cortez D. Limitações no cotidiano das pessoas com lesão crônica. hu rev [Internet]. 1º de agosto de 2019 [citado 7º de julho de 2022];45(1):07-12. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/25798

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)