Limitações no cotidiano das pessoas com lesão crônica

  • Rayssa Nogueira Rodrigues Universidade Federal de São João del Rei, Campus Centro-Oeste Dona Lindu.
  • Maísa Mara Lopes Macedo Universidade Federal de São João del Rei, Campus Centro-Oeste Dona Lindu
  • Débora Aparecida Silva Souza Universidade Federal de São João Del Rei - Campus Centro Oeste Dona Lindu
  • Juliano Teixeira Moraes Universidade Federal de São João del Rei, Campus Centro-Oeste Dona Lindu
  • Fernanda Moura Lanza Universidade Federal de São João Del Rei - Campus Centro Oeste Dona Lindu https://orcid.org/0000-0001-8250-180X
  • Daniel Nogueira Cortez Universidade Federal de São João del Rei, Campus Centro-Oeste Dona Lindu
Palavras-chave: Enfermagem, Cuidados de enfermagem, Úlcera da perna, Atividades cotidianas, Qualidade de vida.

Resumo

Introdução: A lesão de pele é considerada crônica quando ultrapassa seis semanas para cicatrizar, sendo um problema de saúde pública, devido ao impacto psicológico, social e econômico para o paciente, com elevados e crescentes custos para o sistema de saúde. Objetivo: compreender as limitações no cotidiano das pessoas com lesões crônicas. Material e métodos: estudo descritivo, exploratório, de abordagem qualitativa, realizado em um município de Minas Gerais com nove usuários de uma unidade básica de saúde.  Utilizou-se a entrevista aberta para a coleta de dados, que após transcrição na íntegra foram submetidas à Análise de Conteúdo na modalidade temática. Resultados: os indivíduos descreveram que a dor dificultava a realização dos afazeres domésticos e ocupacionais. A limitação de conviver com a lesão crônica também se relacionava com a dependência para realizar essas ativida­des. O afastamento social foi relatado pelos participantes devido ao odor e secreção, o que ocasionava a baixa autoestima. Conclusão: as lesões repercutem sobre as esferas psicoemocionais dos pacientes, com impactos negativos sobre a qualidade de vida. Demonstra, portanto, a importância do atendimento pautado no acolhimento humanizado e na escuta sensível durante todo o tratamento.

 

Referências

Lara MO, Júnior ACP, Pinto JSF; Vieira NF, Wichr P. Significado da ferida para portadores de úlceras crônicas. Cogitare enferm. 2011; 16(3):471-7.

Peart J. Influence of psychosocial factors on coping and living with a venous leg ulcer. Br J Community Nurs. 2015; Suppl Community Wound Care:S21-2, S24, S26-7.

Silva MH, Jesus MCP, Merighi MAB, Oliveira DM, Biscotto, Silva GPS. O cotidiano do homem que convive com a úlcera venosa crônica: estudo fenomenológico. Rev Gaúcha Enferm. 2013;34(3):95-101.

Riegel B, Jaarsma T, Strömberg A. A Middle-range theory of self-care of chronic illness. Adv Nurs Sci. 2012;35(3):194-204.

Conselho Federal de Enfermagem (BR). Resolução nº 567, de 29 de janeiro de 2018. Regulamenta a atuação da Equipe de Enfermagem no Cuidado aos pacientes com feridas. 2018. Diário Oficial da União, seção 1, número 26, p.112. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/resolucao-cofen-no-567-2018_60340.html

Fonseca C, Franco T, Ramos A, Silva C. A pessoa com úlcera de perna, intervenção estruturada dos cuidados de enfermagem: revisão sistemática da literatura. Rev Esc Enferm USP 2012; 46(2):480-6.

Silva DS, Hahn GV. Cuidados com úlceras venosas: realidade do Brasil e Portugal. Rev Enferm UFSM. 2012;2(2):330-338.

Conselho Federal de Enfermagem (COFEN). Resolução n.º 358/2009, de 15 de outubro de 2009. Dispõe sobre a Sistematização da Assistência de Enfermagem e a implementação do Processo de enfermagem em ambientes, públicos ou privados, em que ocorre o cuidado profissional de Enfermagem, e dá outras providências. [internet] 2009 [acesso em 2015 mar 12]. Disponível: http://www.cofen.gov.br/resoluo-cofen-3582009_4384.html.

Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo. Processo de Enfermagem: guia para a prática. São Paulo; COREN-SP; 2015.

Macedo MML, Rodrigues RN, Cortez DN, Lanza FM, Gontijo TL. Abordagem ao portador de úlceras crônicas no município de Divinópolis-MG. Rev APS. 2013; 16(4): 474-78.

Minayo MCS. Análise qualitativa: teoria, passos e fidedignidade. Ciênc. saúde coletiva 2012; 17(3): 621-626.

Bardin L. Análise de conteúdo. 4ªed. Lisboa; Edições 70; 2011.

Rodrigues ALS, Oliveira BGRB, Futuro DO, Secoli SR. Efetividade do gel de papaína no tratamento de úlceras venosas: ensaio clínico randomizado. Rev Latino-Am Enfermagem. 2015;23(3):458-65.

Kouris A, Christodoulou C, Efstathiou V, Chatzimichail I, Zakopoulou N, Zouridaki E. Quality of life in Greek family members living with leg ulcer patients. Wound Repair Regen. 2015; 23(5): 778-80.

Budó MLD, Durgante VL, Rizzatti SJS, Silva DC, Gewehr M, Farão EMD. Úlcera venosa, índice tornozelo braço e dor nas pessoas com úlcera venosa em assistência no ambulatório de angiologia. R. Enferm. Cent. O. Min. 2015; 5(3):1794-1804.

Edwards H; Finlayson K; Courtney M; Graves N; Gibb M; Parker C. Health service pathways for patients with chronic leg ulcers: identifying effective pathways for facilitation of evidence based wound care. BMC Health Serv Res. 2013; 13:86.

Dias TYAF, Costa IKF, Melo MDM, Torres SMSGSO, Maia EMC, Torres GV. Avaliação da qualidade de vida de pacientes com e sem úlcera venosa. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2014;22(4):576-81.

Mooij MC, Huisman LC. Chronic leg ulcer: does a patient always get a correct diagnosis and adequate treatment? Phlebology. 2016;31(1 Suppl):68-73.

House SL. Psychological distress and its impact on wound healing: an integrative review. J Wound Ostomy Continence Nurs. 2015; 42(1):38-41.

Jesus PBR, Brandão ES, Silva CRL. Cuidados de enfermagem aos clientes com úlceras venosas uma revisão integrativa da literatura. J. res.: fundam. care. online 2015; 7(2):2639-2648.

Publicado
2019-08-01
Como Citar
Nogueira Rodrigues, R., Lopes Macedo, M. M., Silva Souza, D. A., Teixeira Moraes, J., Moura Lanza, F., & Nogueira Cortez, D. (2019). Limitações no cotidiano das pessoas com lesão crônica. HU Revista, 45(1), 07 - 12. https://doi.org/10.34019/1982-8047.2019.v45.25798
Seção
Artigos Originais