Perfil dos exames citopatológicos do colo do útero de mulheres residentes no estado de Minas Gerais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34019/1982-8047.2022.v48.35591

Palavras-chave:

Células escamosas atípicas do colo do útero, Neoplasias do colo do útero, Neoplasia intraepitelial cervical, Prevenção de doenças, Exame Papanicolau

Resumo

Introdução: O diagnóstico precoce e referenciamento ao serviço especializado são essenciais para melhorar as taxas de cura e sobrevida das mulheres acometidas pelo câncer de colo de útero. Assim, a realização deste estudo tornará possível o levantamento de informações que serão essenciais para o desenvolvimento de medidas preventivas, que almejam contribuir com o desenvolvimento de ações de educação em saúde e o diagnóstico precoce para reduzir a morbimortalidade dessa enfermidade. Objetivo: Identificar o perfil dos resultados dos exames citopatológicos do colo do útero de mulheres residentes no estado de Minas Gerais a partir dos dados de exames correspondentes ao ano de 2019, utilizando as variáveis disponibilizadas pelo Sistema de Informação do Câncer. Métodos: Trata-se de um estudo retrospectivo, exploratório, quantitativo realizado por meio de base de dados secundários. Os dados foram submetidos à análise no software SPSS, versão 20.0. Realizou-se estatística descritiva (frequência absoluta, porcentagem, média e desvio padrão). Para verificar associação entre variáveis qualitativas foi utilizado teste qui-quadrado (x²) e exato de Fisher. A força das associações entre as variáveis foi aferida pelo risco relativo (RR) e intervalos de confiança (IC 95%). Resultados: As principais alterações presentes nos exames foram: alterações por células escamosas atípicas de significado indeterminado e lesão intraepitelial de baixo grau. Após análises estatísticas, notou-se que algumas alterações possuem risco maior de se desenvolverem no público fora da faixa etária preconizada, ou seja,  entre mulheres com idade <25 anos ou >64 anos. Conclusão: O estudo realizado contribui para identificação do perfil atual vivenciado na área da saúde da mulher e possibilita a criação de condutas e ações que visem intervir frente aos resultados obtidos, impactando positivamente na realidade de Minas Gerais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Instituto Nacional do Câncer José Alencar Gomes da Silva (BR). Estimativa 2020. Rio de Janeiro: INCA; 2020.

World Health Organization. Cancer prevention and control. Geneva: World Health Organizatiuon; 2019.

Bray F, Ferlay J, Soerjomataram I, Siegel RL, Torre LA, Jemal A. Global cancer statistics 2018: GLOBOCAN estimates of incidence and mortality worldwide for 36 cancers in 185 countries. CA: Cancer Journal for Clinicians. 2018; 68(6):394-424.

Ferlay J, Colombet M, Soerjomataram I, Mathers C, Parkin DM, Piñeros M et al. Estimating the global cancer incidence and mortality in 2018: GLOBOCAN sources and methods. International Journal of Cancer. 2019; 144(8):1941-53.

Instituto Nacional do Câncer José Alencar Gomes da Silva (BR). Estimativa 2020: incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA; 2020.

Instituto Nacional do Câncer José Alencar Gomes da Silva (BR). Atlas de mortalidade. Rio de Janeiro: INCA; 2020.

Melo WAD, Pelloso SM, Alvarenga A, Carvalho MDDB. Fatores associados a alterações do exame citopatológico cérvico-uterino no Sul do Brasil. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil. 2017; 17(4):637-43.

Fonseca MRCC, Pontes AEL, Traldi MC, Morais SS, Galdeano J. Frequência e fatores associados à adesão ao exame citopatológico periódico do colo uterino. Revista Saúde-UNG-Ser. 2016; 10(1-2):36-46.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Controle dos cânceres do colo do útero e da mama [Internet]. [Citado em 2013]. Brasília : Ministério da Saúde; 2013. (Cadernos de atenção básica, nº 13). Acesso em em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/controle_canceres_colo_utero_2013.pdf.

Ribeiro DWA, Coutinho AO, Matos RL, Botelho VA, VIANA PHP, Oliveira RNC, Damasceno DC. Perfil dos exames citopatológicos do colo do útero realizados pelo sistema único de saúde no estado do Tocantins, Brasil, no ano de 2018. Revista de Patologia do Tocantins. 2019; 6(3):4.

Instituto Nacional do Câncer José Alencar Gomes da Silva (BR). Diretrizes Brasileiras para o rastreamento do câncer do colo do útero. Rio de Janeiro: INCA; 2016.

Oliveira MMD, Andrade SSCDA, Oliveira PPVD, Silva GA, Silva MMAD, Malta DC. Cobertura de exame Papanicolaou em mulheres de 25 a 64 anos, segundo a Pesquisa Nacional de Saúde e o Sistema de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico, 2013. Revista Brasileira de Epidemiologia. 2018; 21:e180014.

Lakatos EM, Marconi MA. Fundamentos de metodologia científica. São Paulo: Ediutora Atlas; 2003.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (BR). Estimativa da população, 2020 [Internet]. [Citado em 2021 jan 18]. Acesso em: https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados/mg.html .

Ministério da Saúde (BR). Departamento de Informática do SUS. TABNET [Internet]. Sistema de Informação do Câncer (SISCAN). Disponível em: https://datasus.saude.gov.br/acesso-a-informacao/sistema-de-informacao-do-cancer-siscan-colo-do-utero-e-mama/.

Santana SEA, Santos TLA, Meira CH, Meira BS, Queiroz RF. Avaliação de alterações reativas e lesões celulares em esfregaços cervicovaginais de uma unidade. Rev Saúde Com. 2018; 14(4):1317-23.

Ribeiro DWA, Matos RL, Coutinho AO, Damasceno DC, Oliveira RNC, Botelho VA, Viana PHP. Perfil dos exames citopatológicos do colo do útero realizados pelo sistemaúnico de saúde no estado do Tocantins, Brasil, no ano de 2018. Revista de Patologia do Tocantins. 2019; 6(3):13-6.

Rosendo DA, Lorente S, Santos CM, Ferreira GM, Canello LM, Etlinger-Colonelli D. Células escamosas atípicas de significado indeterminado (ASC-US): seguimento de exames analisados no Instituto Adolfo Lutz. Revista RBAC. 2018. doi: 10.21877/2448-3877.201800680.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Protocolo clínico e diretrizes terapêuticas para atenção integral às pessoas com infecções sexualmente transmissíveis. Brasília: Ministério da Saúde; 2015.

Soares PC, Valiatti TB, Barcelos IB, Gois RV. Perfil citopatológico do colo do útero de mulheres atendidas em duas unidades básicas de saúde do município de Presidente Médici, Rondônia. Ensaios e Ciência. 2019; 23(2):166-9.

Dalmoni SP, Dexheimer GM, Delving LKOB. Mulheres com ezames citopatológicos alterados: avaliação do seguimento de acordo com as condutas preconizadas pelo Ministério da Saúde. Revista RBAC. 2016.

Downloads

Publicado

2022-04-25

Como Citar

1.
dos Santos Lago K, Aparecida da Silva A, Silva Santos C, Consolação dos Santos R, Nogueira Rodrigues R, de Oliveira F, Nunes Andrade S. Perfil dos exames citopatológicos do colo do útero de mulheres residentes no estado de Minas Gerais. hu rev [Internet]. 25º de abril de 2022 [citado 1º de outubro de 2022];48:1-9. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/35591

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)