Sensibilização dos Agentes Comunitários de Saúde para a atuação nas ações prevenção e controle da hanseníase: relato de experiência

Autores

  • Ronimara Gonçalves de Souza Universidade Federal de São João Del Rei Campus Centro Oeste Dona Lindu Curso de Enfermagem https://orcid.org/0000-0001-8203-5538
  • Fernanda Moura Lanza Universidade Federal de São João Del Rei Campus Centro Oeste Dona Lindu Curso de Enfermagem https://orcid.org/0000-0001-8250-180X
  • Raissa Silva Souza Universidade Federal de São João Del Rei Campus Centro Oeste Dona Lindu Curso de Enfermagem https://orcid.org/0000-0001-5010-763X

DOI:

https://doi.org/10.34019/1982-8047.2018.v44.25621

Palavras-chave:

Hanseníase, Educação em saúde, Desenvolvimento de Pessoal, Atenção Primária à Saúde, Enfermagem

Resumo

Introdução: A integração das Ações de Controle da Hanseníase (ACH) na Atenção Primária à Saúde é considerada atualmente a melhor estratégia para diminuição da carga da doença. São realizadas ações que visam à promoção, prevenção, recuperação e reabilitação comprometida com a integralidade da assistência à saúde, focado na família, considerando o contexto socioeconômico, cultural e epidemiológico da comunidade em que está inserido. Objetivo: descrever a experiência de sensibilização dos Agentes Comunitários de Saúde (ACS) de um município do Centro-Oeste Mineiro para desenvolverem ações de prevenção e controle de hanseníase a fim de reduzir o estigma e realizar o diagnóstico oportuno de casos. Relato da experiência: Trata-se de um projeto de extensão universitária financiado pela Pró-Reitoria de Extensão e Assuntos Comunitários da Universidade Federal de São João del Rei. Foi desenvolvido no município de Carmo do Cajuru no período de março 2015 a março 2016, com 26 ACS. Para desenvolvimento das atividades foi usado o método interacionista, que é a perspectiva na qual o sujeito age diretamente sobre o objeto do conhecimento, problematizando sua ação. Como estratégica metodológica foram realizadas dinâmicas, exposição dialogada, apresentação de um vídeo seguido de roda de conversa e avaliação com exposição de frases em que o participante as julgariam como verdadeiras ou falsas. Resultados: A equipe do projeto estimulou a elaboração de um plano de mobilização da comunidade sobre a hanseníase que foi executado durante o ano de 2016. A partir da sensibilização da comunidade na igreja, houve a demanda espontânea ao serviço de saúde de uma pessoa com sinais dermatológicos, sendo que o diagnóstico de hanseníase foi confirmado em março de 2016. Conclusão: A realização de educação permanente dos ACS permitiu a qualificação para a realização das ACH na comunidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARANTES, C. K. et al. Avaliação dos serviços de saúde em relação ao diagnóstico precoce da hanseníase. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 19, n. 2, p. 155-164, abr. 2010.

BRASIL. Ministério da Saúde. Como ajudar no controle da hanseníase? Brasília: Ministério da Saúde, 2008. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/como_ajudar_controle_hanseniase.pdf Acesso em 23 jan 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Diretrizes para vigilância, atenção e eliminação da Hanseníase como problema de saúde pública: manual técnico-operacional. Brasília: Ministério da Saúde, 2016. Disponível em: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2016/fevereiro/04/diretrizes-eliminacao-hanseniase-4fev16-web.pdf Acesso em 23 jan 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n. 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília, set, 2017. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt2436_22_09_2017.html. Acesso em 23 jan 2019.

BRASIL. Presidência da República. Lei 13.595, de 5 de janeiro de 2018. Altera a Lei nº 11.350, de 5 de outubro de 2006, para dispor sobre a reformulação das atribuições, a jornada e as condições de trabalho, o grau de formação profissional, os cursos de formação técnica e continuada e a indenização de transporte dos profissionais Agentes Comunitários de Saúde e Agentes de Combate às Endemias.. Brasília, jan, 2018. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2018/Lei/L13595.htm#art2. Acesso em 23 jan 2019.

CARVALHO, A. P. M. et al. Integration of leprosy control activities from the perspective of health professionals. Journal of Nursing UFPE on line, v. 9, n. 1, p. 114-120, jan. 2014.

FIOCRUZ. A Vida Não Para - Reconhecendo e Curando a Hanseníase. 2015. (13m39s). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=LZbdTEucjOM . Acesso em 23 jan 2019.

FUNDAÇÃO PAULISTA CONTRA A HANSENÍASE. Álbum seriado. 2005. Disponível em: https://hanseniase.icict.fiocruz.br/wp-content/uploads/2009/05/seriado-fund-paulista_novo.pdf . Acesso em 23 jan 2019.

LANA, F. C. F. et al. O estigma em hanseníase e sua relação com as ações de controle. Revista de Enfermagem da UFSM, v. 4, n. 3, p. 556 - 565, jul. 2014.

LANZA, F. M. Avaliação da atenção primária no controle da hanseníase: validação de instrumentos e análise do desempenho de municípios endêmicos do Estado de Minas Gerais. 2014. 310 f. Tese (Doutorado em Enfermagem) - Escola de Enfermagem, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2014.

LANZA, F. M.; LANA, F. C. F. O processo de trabalho em hanseníase: tecnologias e atuação da equipe de saúde da família. Texto & contexto - enfermagem, v. 20, n. spe, p. 238-246, 2011.

MORENO, C. M. C.; ENDERS, B. C.; SIMPSON, C. A. Avaliação das capacitações de hanseníase: opinião de médicos e enfermeiros das equipes de saúde da família. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 61, n. especial, p. 671-675, 2008.

PERUZZO, H. E. et al. Os desafios de se trabalhar em equipe na estratégia saúde da família. Escola Anna Nery, v. 22, n. 4, e20170372, ago. 2018.

RAO, P. S. S. S. et al. Elimination of leprosy: the integration of leprosy related activities into the general health services of Tamil Nadu. Leprosy Review, v. 73, n. 2, p. 123-129, jun. 2002.

RODRIGUES, F. F. et al. Conhecimento e prática dos enfermeiros sobre hanseníase: ações de controle e eliminação. Revista Brasileira de Enfermagem, v.68, n.2, p.297-304, abr. 2015.

SALES, J. C. S. et al. O significado da hanseníase para o agente comunitário de saúde. Revista Interdisciplinar, v.6, n.1, p.17-24, jan. 2013.

SAMY, A. A. National Workshop on “Is integration a leap forward? - Implications of integration on quality care in leprosy”, Mumbai. Leprosy Review, v. 78, n. 3, p. 306-308, oct. 2007.

SANTANA, J. C. B. et al. Agente Comunitário de Saúde: percepções na Estratégia Saúde da Família. Cogitare Enfermagem, v.14, n. 4, p. 645-52, out. 2009.

WORLD HEALTH ORGANIZATION - WHO. Global leprosy update, 2017: reducing the disease burden due to leprosy. Weekly Epidemiological Record, v. 93, n. 35, p. 445-456, aug. 2018.

Downloads

Publicado

2019-06-21

Como Citar

1.
Gonçalves de Souza R, Moura Lanza F, Silva Souza R. Sensibilização dos Agentes Comunitários de Saúde para a atuação nas ações prevenção e controle da hanseníase: relato de experiência. hu rev [Internet]. 21º de junho de 2019 [citado 21º de maio de 2022];44(3):411-5. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/25621

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)