A desconstrução da visão heteronormativa no ensino de português língua estrangeira a partir da análise de duas peças publicitárias

Autores

  • Letícia Vieira Universidade Federal Fluminense

Palavras-chave:

PLE. Heteronormatividade. Desconstrução. Peças publicitárias. Família/casal.

Resumo

Esta pesquisa busca analisar e repensar a visão estereotipada da heteronormatividade no Brasil, a qual se faz presente em nossa sociedade e, consequentemente, a representação deste modelo hegemônico de configuração de famílias/casais encontra-se com frequência nos materiais didáticos de Português Língua Estrangeira (PLE). Percebe-se que as relações afetivas aparecem nos livros, em sua maioria, representadas por uma mulher e um homem, fazendo com que essa ideia seja disseminada como “configuração padrão”, marginalizando, assim, as uniões homoafetivas e as mais diversas configurações familiares de nosso tempo. Todavia, apesar de termos que levar em consideração que alguns livros não são tão atuais, é necessário que essa representação seja remoldada, uma vez que vivemos um momento de mudança na nossa sociedade e que já não nos deparamos apenas com a constituição heterossexual de família/casal. Dessa forma, o objetivo deste trabalho é refletir de que modo a visão heteronormativa pode ser desconstruída dentro da sala de aula de PLE, a fim de apresentar para os alunos estrangeiros diferentes formas de relação entre os indivíduos e, desse modo, construir uma ideia de inexistência de um padrão. Para tanto, selecionamos um corpus constituído de duas peças publicitárias que abordam a temática de modo desconstrucionista, e, a partir de sua análise, são discutidas estratégias didáticas que possibilitem a abordagem das relações afetivas tanto homossexuais quanto heterossexuais. Esta investigação se deu à luz das contribuições da Teoria das Representações Sociais e da Teoria Queer, e considerou os conceitos de Sexo e Gênero, Heteronormatividade, Cultura e Interculturalidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2022-09-02

Edição

Seção

Artigos