Denúncia política e contracultura: o “show proibido” de Gilberto Gil na Poli/USP (1973)

Autores

  • Sheyla Castro Diniz Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.34019/2318-101X.2018.v13.13882

Resumo

Este artigo propõe uma análise do show que Gilberto Gil realizou na Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli/USP) em maio de 1973, evento gratuito promovido pelo Movimento Estudantil (ME) da universidade sob um contexto de intensa repressão da ditadura militar. Ao trazer para o palco improvisado o expoente tropicalista, que há pouco mais de um ano havia regressado do exílio forçado, a apresentação de Gil na Poli/USP consiste numa fonte importante para se compreender as estratégicas de denúncia política adotadas por parcelas da juventude escolarizada da época, bem como as suas relações com a gama de valores da contracultura: faces, ora muito dicotômicas e ora intimamente conectadas, de uma resistência mais ampla contra o regime antidemocrático que, ainda hoje, insiste em nos assombrar. 

Biografia do Autor

Sheyla Castro Diniz, Universidade Estadual de Campinas

Doutora e mestre em Sociologia pela Unicamp. Graduada em Música e Ciências Sociais pela Universidade Federal de Uberlândia.

Downloads

Publicado

2018-12-20