Avaliação educacional

fatores contextuais de eficácia escolar em cenários de alta vulnerabilidade social

  • Edivaldo Cesar Camarotti Martins Pontifícia Universidade Católica de Campinas
  • Adolfo-Ignacio Calderón Pontifícia Universidade Católica de Campinas
Palavras-chave: Avaliação educacional, Educação básica, Eficácia escolar, Fatores contextuais, Alta vulnerabilidade social

Resumo

Este artigo objetiva analisar os fatores contextuais de eficácia escolar que contribuíram para que uma escola, localizada em região de alta vulnerabilidade social no município de Ferraz de Vasconcelos, Estado de São Paulo, superasse as metas projetadas no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica nos anos de 2007, 2009 e 2011. Realizamos pesquisa empírica, de natureza qualitativa, com 21 entrevistados (professores, diretor, alunos, pais e funcionários). Os dados foram sistematizados e discutidos quali-quantitativamente à luz da literatura acadêmico-científica. Os resultados apontam que o compromisso com a aprendizagem e as práticas pedagógicas foram os fatores contextuais de eficácia escolar mais relevantes para o alcance dos objetivos de aprendizagem e a superação das metas, resultado de um conjunto articulado de ações, recursos e práticas desenvolvidas pelos diversos atores escolares.

Referências

ALVES, M. T. G.; SOARES, J. F. Contexto escolar e indicadores educacionais: condições desiguais para a efetivação de uma política de avaliação educacional. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 39, n. 1, p. 177-194, jan./mar. 2013.

ALVES, M. T. G.; SOARES, J. F. As pesquisas sobre o efeito das escolas: contribuições metodológicas para a Sociologia da Educação. Sociedade e Estado, v. 22, n. 2, p. 435-473, maio/ago, 2007.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Resultados e Metas do IDEB. INEP. Disponível em: http://ideb.inep.gov.br/resultado/resultado/resultado. seam?cid=248028. Acesso em: 14 abr. 2013.

BRASIL. Lei no. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional (LDB). Brasília, DF: 1996.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988, 292p.

BROOKE, N.; SOARES, J. F. Pesquisa em eficácia escolar: origem e trajetórias. Belo Horizonte: EdUFMG, 2008.

CALDERÓN, A. I. Usos e apropriações das avaliações em larga escala: tensões e desafios. In: Amanda Sangy Quiossa, Diovana Paula de Jesus Bertolotti, Luiz Flávio Neubert, Priscila Campoas Cunha. (Org.). Planos de ação para a rede estadual de ensino de Minas Gerais, 1ed. Juiz de Fora: CAEd-FADEPE/JF, v. 2, p. 31-45, 2017.

CHIZZOTTI, A. Pesquisa qualitativa em ciências humanas e sociais. Editora Vozes: Petrópolis, 2006.

ESCUDERO MUÑOZ, J. M. Buenas prácticas y programas extraordinarios de atención al alumnado en riesgo de exclusión educativa. Revista de Currículum y Formación de Profesorado, Madri, vol. 13, n. 3, p. 107-141, 2009.

FIGUEIREDO, D. et al. Os cavalos também caem: Tratado das inconsistências do IDEB. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 26, n. 100, jul. 2018.

FRANCO, C.; BONAMINO, A. A pesquisa sobre características de escolas eficazes no Brasil: breve revisão dos principais achados e alguns problemas em aberto. Revista Educação. Rio de Janeiro: PUC-Rio, n. 1, 2005.

FREITAS, L. C. de. Ciclos de Progressão Continuada: vermelho para as políticas públicas. Eccos – Revista Científica, São Paulo, v. 4, n.1, p. 79-93, jun. 2002.

______. Ciclos, seriação e avaliação: confrontos de lógicas. São Paulo: Moderna, 2003.

HORTA NETO, J. L. Avaliação educacional no Brasil para além dos testes cognitivos. Revista de Educação PUC Campinas, Campinas, v.23, n.1, p. 37-53, jan./abr. 2018.

JANUARIO, A. A. Pesquisa em eficácia escolar no Brasil: um estudo sobre a produção científica brasileira com foco nos fatores relacionados à eficácia escolar (2005-2017). 2019. 141f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas, 2019.

MARTINS, E. C. C.; CALDERÓN, A. I. Eficácia escolar: boas práticas à luz de estudos do governo brasileiro e das agências multilaterais. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 19, n. 62, p. 1297-1327, jul./set. 2019.

______. Boas práticas e elevado desempenho escolar em contexto de vulnerabilidade social com referência aos resultados do IDEB. Revista Educação em Debate, Fortaleza, anos 35-38, v. 38, n. 66-71 p. 130-144, jan./jul. 2016.

______. Boas práticas escolares e avaliação em larga escala: a literatura ibero-americana em questão. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 26, n. 62, p. 264-293, maio/ago. 2015.

MARTINS, E. C. C. Construindo uma escola eficaz: boas práticas escolares e fatores de alto desempenho em escolas de alta vulnerabilidade social. 2015. 224f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Centro de Ciências Humanas, Sociais e Aplicadas, Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas, 2015.

MUIJS, D. La mejora y la eficacia de las escuelas en zonas desfavorecidas: resumen de resultados de investigación. REICE - Revista Electrónica Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación, Madrid, v. 1, n. 2,2003.

MURILLO TORRECILLA, F. J. (Coord.) et al. La investigación sobre Eficacia Escolar en Iberoamérica. Revisión internacional del estado del arte. Bogotá: Convenio Andrés Bello, 2003.

______. (Coord.). Estudios sobre Eficacia Escolar en Iberoamérica: 15 buenas investigaciones. Bogotá: Convenio Andrés Bello, 2006.

______. (Coord.) et al. Investigación Iberoamericana sobre Eficacia Escolar. Bogotá: Convenio Andrés Bello, 2007.

MURILLO TORRECILLA, F. J. Mejora de la Eficacia Escolar en Iberoamérica. Revista Iberoamericana de Educación, Madrid, v. 55, p. 49-83, 2011.

______. Lecciones aprendidas de la investigación sobre Eficacia escolar en América Latina. Educación y Ciudad. Bogotá, v.19, p. 7-17, 2010.

______. Enfoque, situación y desafíos de la investigación sobre eficacia escolar en América Latina y el Caribe. In: UNESCO. Eficacia escolar y factores asociados en América Latina y el Caribe. Santiago de Chile: UNESCO, 2008, p. 17-47.

______. La Investigación en Eficacia Escolar y Mejora de la Escuela como motor para el incremento de la Calidad Educativa en Iberoamérica. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación, Madrid, v. 3, n. 2, 2005.

MURILLO TORRECILLA, F. J. HERNÁNDEZ CASTILLA, R. La equidad en la investigación Sobre eficacia escolar. Profesorado, Revista de Currículum y Formación de Profesorado, Granada, v. 15, n. 3, p. 1-8, dec. 2011.

NÓVOA, A. (Coord.) As organizações escolares em análise. Lisboa: Dom Quixote, 1999.

PESTANA, M. I. Trajetória do Saeb: criação, amadurecimento e desafios. Em Aberto, Brasília, v. 29, n. 96, p. 71-84, maio/ago. 2016

PONTES, L. A. F.; SOARES, T. M. As metas escolares do Ideb: uma proposta alternativa de cálculo. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 27, n. 66, dez. 2016.

SILVA, I. F. Origem e evolução do paradigma da escola eficaz e seus desdobramentos no contexto atual. Perspectiva, Florianópolis, v. 33, n. 2, p. 707-738, maio/ago. 2015

SILVA, J. L.; BONAMINO, A. M. C.; RIBEIRO, V. M. Escolas eficazes na educação de jovens e adultos: estudo de casos na rede municipal do Rio de Janeiro. Educação em Revista, Belo Horizonte, v.28, n.2, p.367-392, jun. 2012.

SOARES, J. F. et al. Escola Eficaz: um estudo de caso em três escolas da rede pública de ensino do Estado de Minas Gerais. Belo Horizonte: UFMG, FAE, GAME: Fundação Ford, 2002.

Publicado
2020-06-30
Como Citar
Martins, E. C. C., & Calderón, A.-I. (2020). Avaliação educacional: fatores contextuais de eficácia escolar em cenários de alta vulnerabilidade social. Revista Pesquisa E Debate Em Educação, 10(1), 1138 - 1159. Recuperado de https://periodicos.ufjf.br/index.php/RPDE/article/view/32025