Fatores de risco e de proteção no desempenho escolar

um estudo de caso

Palavras-chave: Baixo desempenho escolar, Fatores de risco e de proteção, Desenvolvimento infantil

Resumo

Este artigo apresenta fatores de risco e de proteção presentes no desenvolvimento infantil, familiar e escolar de uma criança com baixo desempenho escolar. Participaram do estudo uma criança de oito anos, sua mãe e sua professora. Para a avaliação do desenvolvimento da criança, da família e da escola, foram utilizadas medidas de autorrelato, estratégias lúdicas, testes psicológicos e entrevistas. A criança apresentou boas condições emocionais e cognitivas, mas seu desenvolvimento psicomotor indicou fragilidades. No desenvolvimento familiar, foram identificadas práticas parentais de punição inconsistente e monitoria negativa. No contexto escolar, há valores condizentes com um espaço de promoção do desenvolvimento infantil, mas as práticas pedagógicas se mostram insuficientes para otimizar a aprendizagem da criança.

Referências

Almeida, M. H. L. F. (2016). O processo ensino/aprendizado através da educação psicomotora. Eventos Pedagógicos, 7 (2), 498-510.
Amaro, K. N. (2010). Intervenção motora para escolares com dificuldades na aprendizagem. 2010. Dissertação (Mestrado em Ciências do Movimento Humano) –Centro de Ciências da Saúde e do Esporte. Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis.
Barbosa, D. R., & Souza, M. P. R. (2012). Psicologia Educacional ou Escolar? Eis a questão. Psicologia Escolar e Educacional, 16(1), 163-173.
Borghi, T., & Pantano, T. (2010). Protocolo de Observação Psicomotora (POP): relações entre aprendizagem, psicomotricidade e neurociências. São José dos Campos: Pulso Editorial.
Bronfenbrenner, U. (2011). Bioecologia do desenvolvimento humano: tornando os seres humanos mais humanos. Porto Alegre: Artmed.
Coppede, A. C., Okuda, P., M., M., & Capellini, S. A. (2012). Desempenho de escolares com dificuldade de aprendizagem em função motora fina e escrita. Journal of Human Growth and Development, 22(3), 297-306.
D’Avila-Bacarji, K. M. G., Marturano, E. M., & Elias, L. C. S. (2005). Recursos e adversidades no ambiente familiar de crianças com desempenho escolar pobre.Paidéia-Cadernos de Psicologia e Educação, 15, 43-55.
Dessen, M. A. (2009). Questionário de Caracterização do Sistema Familiar. In: L. Weber; M. A. Dessen. Pesquisando a família: instrumentos para coleta e análise de dados (102-114). Curitiba: Juruá.
Dessen, M. A., & Cerqueira-Silva, S. (2009). Desenvolvendo sistemas de categorias com dados de entrevistas. In: L. Weber; M. A. Dessen. Pesquisando a família: instrumentos para coleta e análise de dados (43-56). Curitiba: Juruá.
Dessen, M. A., & Maciel, D. A. (2014). A Ciência do Desenvolvimento Humano-Desafios para a psicologia e a educação. Curitiba: Juruá Editora.
Dessen, M. A., & Polonia, C. A. (2007). A Família e a Escola como contextos de desenvolvimento humano. Paidéia, 17(36), 21-32.
Falcke, D., Rosa, L. W., & Steigleder, V. A. T. (2012). Estilos parentais em famílias com filhos em idade escolar. Gerais : Revista Interinstitucional de Psicologia, 5(2), 282-293.
Ferreira, J. R. P.; Neto, F. R.; Poeta, L. S.; Xavier, R. F. C.; Santos, A. P. M.; & Medeiros, D. L. (2015). Avaliação motora em escolares com dificuldade de aprendizagem. Pediatria Moderna, 51 (2), 67-72.
Firman, A. A. J., Santana, R. C., & Ramos, L. M. (2015). A importância da família junto à escola no aprendizado formal das crianças. ColloquiumHumanarum: Presidente Prudente, 12(3), 123-133.
Gomide, P. I. C. (2006). Inventário de Estilos Parentais. Petrópolis: Vozes.
Lipp, M., & Lucarelli, M. D. M. (2005). Escala de Stress Infantil - ESI (manual). São Paulo: Casa do Psicólogo.
Macedo, C. S., Andreucci, L. C., & Montelli, T. D. C. B. (2004). Alterações cognitivas em escolares de classe socio-econômica desfavorecida: resultados de intervenção psicopedagógica. Arquivos de Neuro-psiquiatria, 852-857.
Masten, A., & Garmezy, N. (1985). Risk, vulnerability, andprotectivefactors in developmentalpsychopatology. New York: Plenum Press.
Nascimento, G. O., & Leal, F. S. F. (2017). As práticas parentais positivas e negativas como fatores colaborativos no rendimento escolar. Revista de Estudios y Investigación em Psicologia y Educación, extra (5), A5-285.
Oliveira, M. B., & Soares, A. B. (2011). Auto Eficácia, Raciocínio Verbal e Desempenho Escolar em Estudantes. Psicologia, Teoria e Pesquisa, 27(1), 33-39.
Ostil, A., & Martinelli. (2014). Desempenho escolar: análise comparativa em função do sexo e percepção dos estudantes. Educação e pesquisa, 40(1), 49-59.
Pasquali, L. (2005). Manual técnico e de aplicação do teste não-verbal de raciocínio para crianças - TNVRI. São Paulo: Vetor Editora.
Pozzobon, M., Falcke, D., & Marin, A., H. (2018). Intervenção com famílias de alunos com baixo desempenho escolar. Ciências Psicológicas, 1, 87-96.
Ribeiro, L. M. A., & Leite, L. M. C. (2018). Violência doméstica, infância e rede de apoio. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 21(3), 646-659.
Santos, J. L. F., Fonsêca, P. N., Brasileiro, T. C., Andrade, P. O., & Freitas, N. B. C. (2014). A Relação entre os estilos parentais e o engajamento escolar. Temas em Psicologia, 22(4), 759-769.
Santos, P. L., & Graminha, S. S. V. (2006). Problemas emocionais e comportamentais associados ao baixo rendimento acadêmico. Estudos de Psicologia (Natal), 11(1), 101-109.
Sesto, F. F., & Martinelli, S. C. (2004). Escala de Autoconceito Infanto Juvenil. Ed. Vetor.
Silva, S. S., & Fleith, D. S. (2005). Desempenho escolar e autoconceito de alunos atendidos em serviços psicopedagógicos. Psicologia Escolar e Educacional, 9(2), 235-245.
Siqueira, A. C., & Dell’Aglio, D. D. (2007). Retornando para a família de origem: Fatores de risco e proteção no processo de reinserção de uma adolescente institucionalizada. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, 17(3), 134-146.
Tuleski, S. C., Eidt, N. M., Menechinni, A. N., Silva, E. F., Sponchiado, D., & Colchon, P. D. (2005). Voltando o olhar para o professor: a psicologia e pedagogia caminhando juntas. Revista do Departamento de Psicologia, 17(1), 129-137.
Publicado
2020-08-30