Concepção de justiça e injustiça de docentes do ensino fundamental

  • Leandra Lúcia Moraes Couto Doutoranda em Psicologia pelo Programa de Pós-Graduação em Psicologia (PPGP) da Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, Espírito Santo
  • Heloisa Moulin de Alencar Professora do Departamento de Psicologia Social e do Desenvolvimento (DPSD) e do Programa de Pós-Graduação em Psicologia (PPGP) da Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, Espírito Santo

Resumo

Investigamos a concepção de justiça de professoras do ensino fundamental. Realizamos entrevistas com base no método clínico piagetiano. Verificamos que a temática dos direitos foi abordada pelas participantes em todas as perguntas e justificativas do estudo. Por outro lado, obtivemos poucas referências com relação à igualdade e à equidade. Também encontramos citações que versam sobre a oportunidade de desenvolvimento pessoal, o julgamento e a punição, a valorização ou desvalorização da vida e da profissão, entre outros. De maneira geral, os dados mostram que as concepções de justiça possuem predominância de características da moral autônoma. No entanto, chamamos a atenção para a ocorrência de dados que revelam a existência de traços de uma moral heterônoma na concepção das docentes.

Biografia do Autor

Leandra Lúcia Moraes Couto, Doutoranda em Psicologia pelo Programa de Pós-Graduação em Psicologia (PPGP) da Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, Espírito Santo
Prédio Professor Lídio de Souza - Programa de
Pós-Graduação em Psicologia (PPGP). Centro
de Ciências Humanas e Naturais (CCHN).
Universidade Federal do Espírito Santo (UFES).
Av. Fernando Ferrari, n° 514, Goiabeiras.
CEP: 29.075-910 – Vitória /ES

Referências

Alencar, H. M., De Marchi, B. F., Couto, L. L. M., Romaneli, M. S., & Lima, M. G. (2013). Educação em valores morais: uma análise de três experiências no Espírito Santo. In Menin, Bataglia, &Zechi (Org.). Projetos bem-sucedidos de educação em valores: relatos de escolas públicas brasileiras (pp. 238-272). São Paulo: Cortez. Araújo, U. F. (2001). O ambiente escolar cooperativo e a construção do juízo moral infantil: sete anos de estudo longitudinal. Revista on-line da biblioteca prof. Joel Martins, 2(2), 1-12.

Borges, L. S. (2011). Moralidade e valor da vida: um estudo sobre adolescentes em situação de risco psicossocial. Tese de Doutorado, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, ES, Brasil.

Camino, C., Paz, M., & Luna, V. (2009). Valores morais no âmbito escolar: uma revisão dos valores apresentados nos livros didáticos e por professores, de 1970 a 2006. In Y. La Taille, & M. S. S. Menin (Org.). Crise de valores ou valores em crise? (pp. 130-151). Porto Alegre: Artmed.

Comte-Sponville, A. (2009). Pequeno tratado das grandes virtudes (2a ed.). São Paulo: Martins Fontes.

Delval, J. (2002). Introdução à prática do método clínico: descobrindo o pensamento das crianças (F. Murad, Trad.). Porto Alegre: Artmed.

Dias, A. A. (2005). Educação moral e autonomia na educação infantil: o que pensam os professores. Psicologia: Reflexão e Crítica, Porto Alegre, 18(3), 370-380. doi: 10.1590/S0102-79722005000300011

La Taille, Y. (2000). Para um estudo psicológico das virtudes morais. Educação e Pesquisa, 26(1), 109-121. doi: 10.1590/S1517-97022000000200008

La Taille, Y. (2001a). A questão da indisciplina: ética, virtudes e educação. In P. Demo, Y. La Taille, & J. Hoffmann (Org.). Grandes pensadores em educação: o desafio da aprendizagem, da formação moral e da avaliação (pp. 67-98). Porto Alegre: Mediação.

La Taille, Y. (2001b). Desenvolvimento moral: a polidez segundo as crianças. Cadernos de Pesquisa, n. 114, 89-119. doi: 10.1590/S0100-15742001000300004

La Taille, Y. (2006). Moral e ética: Dimensões intelectuais e afetivas. Porto Alegre: Artmed.

La Taille, Y. (2009). Formação ética: Do tédio ao respeito de si. Porto Alegre: Artmed.

La Taille, Y. (2010). Moral e ética: uma leitura psicológica. Psicologia: Teoria e Pesquisa (UnB. Impresso), 26(especial), 105-114. doi: 10.1590/S0102-37722010000500009

Ministério da Saúde (2012). Resolução 466/12, de 12 de dezembro de 2012. Aprova as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília. Recuperado de http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf

Müller, A. (2008). Educação em valores morais: o aprender e o ensinar sobre justiça. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, ES, Brasil.

Müller, A., &Alencar, H. M. (2012).Educação moral: o aprender e o ensinar sobre justiça na escola. Educação e Pesquisa (USP. Impresso), São Paulo, 38(2), 453-468.doi: 10.1590/S1517-97022012000200012

Piaget, J. (1994). O juízo moral na criança.(4a ed., E. Leonardon, Trad.).São Paulo: Summus. (Trabalho original publicado em 1932).

Piaget, J. (1996). Os procedimentos da educação moral. In L. Macedo (Org.). Cinco estudos de educação moral (pp. 1-36). São Paulo: Casa do Psicólogo. (Trabalhooriginal publicado em 1930).

Ramozzi-Chiarottino, Z. (1988). Psicologia e epistemologia genética de Jean Piaget. São Paulo: EPU.

Secretaria de Educação Fundamental. (2000). ParâmetrosCurriculares Nacionais. Apresentaçãodos Temas Transversais: Ética (Vol. 8, 2. ed.).Rio de Janeiro, RJ: DP&A.

Zanotelli, C. L., Bertole, A. I., Lira, P. S., Barros, A. M. L., &Bergamaschi, R. B. (2011). Atlas da criminalidade no Espírito Santo. São Paulo: AnnaBlume.
Publicado
2017-07-19
Seção
Artigos