O Zoroastrismo esculpido na fôrma monoteísta

A história social e a história dos conceitos

Autores

  • Gustavo Claudiano Martins UFJF

DOI:

https://doi.org/10.34019/2236-6296.2023.v26.38746

Resumo

O objetivo do artigo é demonstrar como a utilização de um conceito para compreensão de um evento histórico, nesse caso o zoroastrismo, pode muitas vezes deturpar tanto o conceito quanto a história e, para além disso, modificar a própria existência das sociedades analisadas a partir dessa noção. A partir de levantamento bibliográfico e análise hermenêutica, demonstrou-se que para entender a história social do zoroastrismo é preciso compreender a história social do termo "monoteísmo". Isso porque o uso da concepção de monoteísmo para entender o zoroastrismo provocou associações equivocadas entre o monoteísmo judaico — movimento do qual se depreende o próprio conceito — e o mazdaísmo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2023-08-29

Como Citar

CLAUDIANO MARTINS, G. O Zoroastrismo esculpido na fôrma monoteísta: A história social e a história dos conceitos . Numen, [S. l.], v. 26, n. 1, 2023. DOI: 10.34019/2236-6296.2023.v26.38746. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/numen/article/view/38746. Acesso em: 25 maio. 2024.