Iemanjá, da África para o Brasil: mitologia e identidade

Autores

  • Flavio José de Paula PUC-Rio
  • Paulo Fernando Carneiro de Andrade PUC-Rio

DOI:

https://doi.org/10.34019/2236-6296.2023.v26.40607

Resumo

A história de Iemanjá é extremamente rica e ambígua. Na África, a imagem deste orixá está relacionada à vida do povo nagô, que enfatiza sua qualidade de mãe de todos os orixás, de mulher sexualizada, de senhora das grandes águas. No Brasil, outros aspectos sobrevieram, apagando, inclusive, algumas características centrais dela, tal qual era compreendida. Na passagem da África para o Brasil, as narrativas acerca de Iemanjá se transformaram, principalmente ao serem incorporados aspectos de outras mitologias europeias e ameríndias. De fato, a narrativa dos mitos contém em si não apenas aspectos da mística de um povo, mas também um poder civilizatório, que é cosmológico, sociológico e pedagógico. Por isso, as narrativas podem ser compreendidas como engendradoras de identidade, visto que, o fato de narrar uma história, ficcional ou não, tem o poder de estruturar culturalmente um povo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALAGOA, Ebiegberi Joe. Do delta do Níger aos Camarões: os fon e os iorubas. In: História geral da África, vol. V: África do século XVI ao XVIII, editado por Bethwell Allan Ogot. Brasília: UNESCO, 2010. pp. 519-540.

BARROS, Cristiane Amaral de. Iemanjá e Pomba-Gira: imagens do feminino na Umbanda. Juiz de Fora, 2006. 303 fls. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Ciência da Religião do Instituto de Ciências Humanas da Universidade Federal de Juiz de Fora, 2006.

HORTEGAS, Monica Giraldo. Religiões Afrodiaspóricas na América Latina. Numem, v. 23, n. 2, jul./dez. 2020, pp. 138-146.

IWASHITA, Pedro. Maria e Iemanjá: Ensaio de método para uma análise religiosa e psicológica do feminino. Perspectiva teológica, n. 21, 1989, pp. 317- 331.

KNIGHT, Franklin W.; TALIB, Yusuf; CURTIN, Philip. A diáspora africana. In: História geral da África, vol. VI: África do século XIX à década de 1880, editado por J. F. Ajayi. Brasília: UNESCO, 2010. pp. 875-904.

MADISON, Gary Brent . Ricoeur e a hermenêutica do sujeito. In: HANN, Lewis Edwin (Dir.). A Filosofia de Paul Ricoeur: 16 Ensaios e Respostas de Paul Ricoeur aos seus críticos. Coleção Pensamento e Filosofia. Lisboa: Instituto Piaget, 1999.

PARADISO, Silvio Ruiz. A Diáspora de Maria: relaçãoes sincréticas e culturais entre Nossa Senhora, Kianda e Nzuzu em O outro pé da sereia, de Mia Couto. Uniletras, v. 32, n. 2, p. 253-267, jul./dez. 2011.

POLI, Ivani - Antropologia dos orixás: a civilização iorubá a partir dos seus mitos, seus orikis e sua diáspora. 2ª ed. Rio de Janeiro: Pallas, 2019.

PRANDI, Reginaldo. Exu, de mensageiro a diabo. Revista USP, São Paulo, n. 50, p. 46-63, junho/agosto, 2001a.

PRANDI, Reginaldo. Mitologia dos Orixás. São Paulo: Companhia das Letras, 2001b.

RIBEIRO, Darcy. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

RICOEUR, Paul. Tempo e Narrativa. Trad. de Constança Marcondes Cesar. Vol I, Campinas: Papirus, 1994.

TEIXEIRA, Joaquim de Sousa. Ipseidade e Alteridade: Uma leitura da Obra de Paul Ricoeur. Vol. I. Lisboa: Imprensa nacional – Casa da Moeda, 2004a.

TEIXEIRA, Joaquim de Sousa. Ipseidade e Alteridade: Uma leitura da Obra de Paul Ricoeur. Vol. II. Lisboa: Imprensa nacional – Casa da Moeda, 2004b.

VERGER, Pierre Fatumbi. Notas sobre o Culto aos Orixás e Voduns na Bahia de Todos os Santos, no Brasil, e na Antiga Costa dos Escravos, na África. Trad. Carlos Eugênio Marcondes de Moura. 2 ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2012.

VERGER, Pierre Fatumbi. Orixás. Salvador: Editora Corrupio, 1981.

Downloads

Publicado

2023-12-05

Como Citar

DE PAULA, F. J.; ANDRADE, P. F. C. de. Iemanjá, da África para o Brasil: mitologia e identidade. Numen, [S. l.], v. 26, n. 2, 2023. DOI: 10.34019/2236-6296.2023.v26.40607. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/numen/article/view/40607. Acesso em: 18 maio. 2024.