Descobrindo-se que se tem uma alma ou de como não se revoltar com a bondade: montagem e sagrado em De canção em canção (EUA, 2017), de Terrence Malick

  • Sander Cruz Castelo FECLESC-UECE
Palavras-chave: Filme "De canção em canção", Montagem, Sagrado

Resumo

Analisa-se como se suscitam efeitos de sagrado por meio da montagem no filme De canção em canção (EUA, 2017). Com esse propósito, investiga-se o emprego que o cineasta Terrence Malick faz dos três tipos de montagem apontados por Vincent Amiel (narrativa, discursiva e de correspondências), com suas implicações transcendentais. Conclui-se que a montagem do filme emula o tempo escatológico cristão do futuro e do presente (kairológico), além de sinalizar para a imanência do sagrado na natureza e na cultura.

Biografia do Autor

Sander Cruz Castelo, FECLESC-UECE
Graduado e Mestre em História. Doutor em Sociologia. Professor do curso de História e do Mestrado Acadêmico Interdisciplinar em História e Letras (MIHL) da Faculdade de Educação, Ciências e Letras do Sertão Central (FECLESC), da Universidade Estadual do Ceará (UECE).
Publicado
2019-02-06
Seção
Seção Temática: Cultura Visual e Religião