Mulheres na Assembleia de Deus: para se pensar a categoria gênero além do estruturalismo

Autores

  • Ana Luíza Gouvêa Neto Universidade Federal de Juiz de Fora

DOI:

https://doi.org/10.34019/2236-6296.2015.v18.21999

Palavras-chave:

Gênero. Judith Butler. Pós-estruturalismo.

Resumo

O presente ensaio tem como objetivo discutir a possibilidade de compreender a mulher na Assembleia de Deus a partir de uma perspectiva de gênero pós-estruturalista. Para tanto, o principal marco teórico utilizado será Judith Butler, a qual permite vislumbrar as categorias de sexo, gênero e corpo de forma mais plástica. Não obstante, também serão trazidos à discussão Talal Asad e Marilyn Strathern que somados a Butler, impulsionam reflexões críticas acerca da construção dos conceitos, chamando atenção para a historicidade, para as relações sociais, para o poder e para as normas, nos quais os conceitos estão condicionados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Luíza Gouvêa Neto, Universidade Federal de Juiz de Fora

Bacharel em História (UFJF, 2011), mestre (2015) e doutoranda em Ciência da Religião pelo Programa de Pós-Graduação em Ciência da religião da Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora (MG), com apoio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). E-mail: analu172@hotmail.com

Downloads

Publicado

2016-05-23

Como Citar

GOUVÊA NETO, A. L. Mulheres na Assembleia de Deus: para se pensar a categoria gênero além do estruturalismo. Numen, [S. l.], v. 18, n. 2, 2016. DOI: 10.34019/2236-6296.2015.v18.21999. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/numen/article/view/21999. Acesso em: 25 maio. 2024.

Edição

Seção

Seção Temática: Religião, Contemporaneidade e Gênero

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)