Criativa e maravilhosa para quem

como as cidades estão transformando a cultura no ativo mais valioso da empresa urbana global

  • Simone Amorim
Palavras-chave: Politíca cultural, Cidade criativa, Patrimônio, Rio de Janeiro

Resumo

Movimentos de redesenho das cidades na contemporaneidade têm seguido uma tendência de monumentalização urbana desencadeada a partir de aspectos culturais e que nem sempre observa o patrimônio histórico e cultural dos territórios e dos grupos sociais em sua estratégia. O efeito disso é percebido na ruptura da temporalidade dos bens de cultura da cidade e na consequente adoção de um novo parâmetro em que os tomadores de decisão aderem como o modelo capaz de inserir a cidade no circuito mundial da cidade global. Aquela capaz de atrair investidores, gerar desenvolvimento e por conseguinte melhorar as condições de vida de suas populações. Diante desses parâmetros os planos de reestruturação urbana têm dedicado um espaço ampliado à cultura, mas por outro lado, e por paradoxal que se apresente, têm impactado decisivamente o conjunto de práticas culturais tradicionais de determinados espaços. A metáfora do progresso abrindo caminho para o novo e legando ao tradicional um espaço estático na construção do simbólico na cidade nunca esteve tão presente. Este artigo analisa estes e alguns outros aspectos presentes no maior processo de reestruturação urbana que a cidade do Rio de Janeiro já experimentou, iniciado a partir de 2009 e ainda em curso. O Projeto Porto Maravilha legou importantes conquistas para a cidade, inclusive no plano das artes e da cultura e igualmente operou marcantes omissões à memória de um espaço icônico, que como maior porto mundial de comercialização de escravos da história teve a memória dos negros subalternizada no projeto de monumentalização em curso

Publicado
2019-09-12
Seção
DOSSIÊ – Políticas Públicas para Arte e Cultura