ESQUISTOSSOMOSE GIBI E MASSA DE MODELAR COMO ESTRATÉGIAS DE ENSINO

Palavras-chave: Esquistossomose, Aprendizadem

Resumo

Schistosoma mansoni, agente etiológico da esquistossomose mansoni, conhecida também como xistose ou barriga d’água, tem como hospedeiro intermediário o molusco do gênero Biomphalaria e o homem como hospedeiro definitivo. Esse se infecta ao entrar em contato  em coleções hídricas que contenha a forma infectante denominada cercária. O tema é relevante uma vez que há uma grande incidência da doença no Brasil e também faz parte do currículo escolar. O objetivo do trabalho foi propor formas atrativas de trabalhar a esquistossomose nas aulas de Ciências, contribuindo para despertar o interesse dos alunos e facilitar a compreensão e fixação do assunto. A aula foi aplicada em duas turmas de 6° ano em uma escola na cidade de Ubá, Minas Gerais, onde segundo dados da prefeitura municipal, há alguns casos da doença. Foram utilizados os recursos gibi e confecção do ciclo de vida do verme utilizando massa de modelar. O interesse dos alunos foi observado durante a participação nas atividades práticas que foram propostas bem como pelas perguntas que foram surgindo no decorrer do trabalho. Os recursos utilizados demonstraram ser adequados para o ensino da esquistossomose e podem ser utilizados para trabalhar outros conteúdos.

 

Biografia do Autor

Letícia das Graças Rosignoli de Oliveira, Universidade Federal de Juiz de Fora
Licenciada em Ciências Biológicas e em Pedagogia. Especialista em Ensino de Ciências e Mestre em Botânica.

Referências

VÍDEO: Esquistossomose. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=d-pEGQANTtA> Acesso em:6 ago. 2017

ALENCAR, M. B., et al. Esquistossomose mansônica: uma análise de indicadores epidemiológicos no estado de Alagoas entre os anos de 2013 e 2015.DiversitasJournal, v. 1, n. 3, pp: 266-274, set./dez. 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Vigilância da Esquistossomose Mansoni: diretrizes técnicas. 4. ed. – Brasília: Ministério da Saúde, 2014. 144 p. Disponível em:< http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/vigilancia_esquistossome_mansoni_diretrizes_tecnicas.pdf>Acesso em 13 jun. 2017.

BRAVO, L. G., PAIXÃO, G. M. Quadrinhos como ferramenta pedagógica lúdica de educação em saúde das ectoparasitoses. Revista Diálogos Acadêmicos, Fortaleza, n. 1, v. 2, jul./dez. 2012.

CARVALHO, O. S. et al. Schistosoma mansoni& Esquistossomose: uma visão multidisciplinar (online). Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2008. 1124 p.

KATZ, N.Inquérito Nacional de Prevalência da Esquistossomose mansonieGeo-helmintoses. Belo Horizonte. 2018. 90 p.Disponível em: < http://www2.datasus.gov.br/datasus/index.php?area=0208> Acesso em 19 maio 2018.

MOUL, R. A. T. M., SILVA, F. C. L. A modelização em genética e biologia molecular: ensino de mitose com massa de modelar. Experiências em Ensino de Ciências v.12, n.2. 2017. Disponível em: < http://if.ufmt.br/eenci/artigos/Artigo_ID352/v12_n2_a2017.pdf> Acesso em:21 maio 2018.

PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE DE UBÁ, MINAS GERAIS. 2010-2013. Disponível em: < file:///C:/Users/hp/Downloads/PlanoMunicipaldeSaude.pdf> Acesso em: 30 Ago. 2017

RIBEIRO, D. F. et al. Educação em saúde: uma ferramenta para a prevenção e controle de parasitoses. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, Três Corações, v. 11, n. 2, p. 300-310, ago./dez. 2013

SANTOS, M. C. et al. Ensino de parasitologia com crianças do ensino fundamental: utilização de modelos didáticos com massinha. FasemCiências,v. 9, n. 1, jan.-jul./2016.

VARELLA, D.Esquistossomose. Disponível em: <https://drauziovarella.com.br/doencas-e-sintomas/esquistossomose/> Acesso em: 13 jun. 2017

Publicado
2020-06-02