O ENSINO DA BIOTECNOLOGIA NA EJA: RELATO DE EXPERIÊNCIA

  • Ênila de Oliveira Silva de Almeida Universidade Federal de Juiz de Fora https://orcid.org/0000-0001-9919-8595
  • Cristiane Costa do Carmo Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • João Vitor Paes Rettore Universidade Federal de Juiz de Fora
Palavras-chave: Biotecnologia, Aprendizagem, Agentes Biológicos, Ferramentas de Ensino

Resumo

A biotecnologia é um conjunto de técnicas que envolve diversas áreas e conceitos, permitindo analisar múltiplas questões, sobre alimentação, meio ambiente, agricultura entre outras. Nesse contexto, o presente trabalho foi desenvolvido com alunos da Educação de Jovens e Adultos (EJA), especificamente EJA Médio, com o objetivo de aprimorar o ensino de biotecnologia, além de desenvolver práticas que facilitem a aprendizagem dos conteúdos relacionados à mesma. Para tal, inicialmente analisou-se o livro didático utilizado em sala, que é um dos principais materiais utilizados como fonte de pesquisa pelo professor. Os itens observados no livro foram: ano de publicação; presença do tema biotecnologia enquanto item isolado; número de páginas/capítulos dedicados ao tema; aproximação à realidade do aluno; linguagem acessível e contemporânea. Assim, pode-se se verificar que os autores do livro adotado referenciam a biotecnologia em um capítulo com 14 páginas, sendo inseridos conceitos sobre DNA, transgênicos, bem como uma prática com extração do DNA do morango, preocupando-se em aproximar o conteúdo à realidade do aluno. Posteriormente à análise do livro, foi realizada uma discussão com os alunos a fim de analisar o conhecimento prévio dos mesmos sobre o tema biotecnologia. Estes demonstraram em suas respostas a grande influência das mídias na divulgação sobre biotecnologia. Em seguida foram realizadas três práticas com os alunos: extração do DNA do tomate; ação de enzimas proteases atuando no colágeno existente na gelatina; e indicador ácido-base com extrato de repolho roxo. Durante estas práticas foram discutidos os conceitos e conteúdos que envolvem as mesmas, além de ser demonstrado aos alunos que a biotecnologia está inserida na produção de produtos comuns, como pães e iogurtes, entre outros. Como resultado, percebe-se um grande interesse dos alunos nas práticas realizadas, que funcionam como um ótimo método de ensino e aprendizagem. Foi verificado ainda que a biotecnologia necessita de uma abordagem maior e mais ligada à realidade do aluno durante as aulas para que esta não se torne complexa e distante dos conhecimentos dos mesmos.

 

Biografia do Autor

Ênila de Oliveira Silva de Almeida, Universidade Federal de Juiz de Fora

pós graduação em Ciências Biológicas Universidade Federal de Juiz de Fora

Cristiane Costa do Carmo, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Mestre em Formação Científica para Professores de Biologia

Universidade Federal do Rio de Janeiro

João Vitor Paes Rettore, Universidade Federal de Juiz de Fora

Mestre em Genética e Biotecnologia

Universidade Federal de Juiz de Fora

Referências

BRASIL. Câmara. Projeto de lei complementar PLC 34/2015. Disponível em:
. Acesso em: 13 de jun.2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências Naturais. 2. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2000.

BRASIL. Ministério da Justiça. Portaria MJ nº 2.658, de 22 de dezembro de 2003. Regulamento para o emprego do símbolo transgênico. Diário Oficial da União, Brasília, 2003.

BRASIL. Secretaria de Comunicação Social. Sob polêmica avança projeto que flexibiliza a rotulagem de transgênicos. Agência Senado, Brasília, 2019. Disponível em: . Acesso em: 12 de jan.2019.

CANHOS, V. P; MANFIO, G. P. Recursos microbiológicos para Biotecnologia.2001.Disponível em :. Acesso em: 13 jun. 2017.

CARVALHO, A.M.P.; BARROS, M. A. A história da ciência iluminando o ensino de visão. Ciência & Educação, Bauru, v.5, n.1, p.83-94, 1998.

CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. Lei 8.078 de 11/09/90. Brasília, Diário Oficial da União, 1990.

LINHARES, S. ;GEWANDSZNAJDER, F. Biologia Hoje. 2. ed. São Paulo : Ática, 2014.

MALAJOVICH, M. A. Biotecnologia 2011. Rio de Janeiro: Edições da Biblioteca Max Feffer do Instituto de Tecnologia ORT, 2012. Disponível em . Acesso em: 15 jun. 2017.

MALAJOVICH, M. A. BIOTECNOLOGIA NA SALA DE AULA: as atividades experimentais. Projeto Educar (ANBIO/Universidade). 2006 (Encontro). Disponível em: . Acesso em: 15 jun. 2017.

ONU. Organização das Nações Unidas. Convenção sobre Diversidade Biológica. Rio de Janeiro, 1992.

PEDRANCINI, V.D. Saber científico e conhecimento espontâneo: opiniões de alunos do ensino médio sobre transgênicos. Ciência & Educação, v.14, n.1, p.135-146, 2008.

PRATA, R. V.; MARTINS, I. Ensino de ciências e educação de jovens e adultos: pela necessidade de diálogo entre campos e práticas. In: Encontro nacional de pesquisa em educação em ciência, 5., 2005, Bauru. ATAS DO V ENPEC. SP: Bauru, 2005. Disponível em:. Acesso em: 14 jun.2017.

SANTOS. G. L. Educação ainda que tardia: a exclusão da escola e a reinserção de adultos das camadas populares em um programa de EJA. Revista Brasileira de Educação, n. 24, p. 107- 125, set-dez., 2003.

SANTOS, R. N; ALVES, A. O; SILVEIRA,E.B. Microrganismos de uso biotecnológico. 2009. Disponível em:
. Acesso 14 jun. 2017.

SOUZA, S. E. O uso de recursos didáticos no ensino escolar. In: I Encontro de Pesquisa em Educação, IV Jornada de Prática de Ensino, XIII Semana de Pedagogia da UEM: “Infância e Práticas Educativas”. Arq. Mudi. 2007. Disponível em: <
http://www.dma.ufv.br/downloads/MAT%20103/2015-II/slides/Rec%20Didaticos%20-%20MAT%20103%20-%202015-II.pdf>Acesso em: 13 jun. 2017.

XAVIER, M. C. F.; FREIRE, A. S.; MORAES, M. O. A nova (moderna) Biologia e a
Genética nos livros didáticos de Biologia no Ensino Médio. Ciência & Educação, v.12, n.3, p.275-289, 2006.
Publicado
2020-06-02