Linguagem memética e memória afetiva: análise das estratégias editoriais na divulgação do retorno das telenovelas antigas na plataforma de streaming Globoplay

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34019/1981-4070.2023.v17.39761

Palavras-chave:

Cultura da convergência, Memes, Memória, Globoplay, Telenovelas

Resumo

Desde o lançamento em 2015, o Globoplay, plataforma de streaming do Grupo Globo, tem ampliado sua participação no segmento do audiovisual brasileiro. Dentre as numerosas estratégias adotadas pela plataforma, o resgate das telenovelas antigas da TV Globo é entendido como parte do esforço da escalada da organização. O presente estudo tem como objetivo analisar as estratégias de comunicação adotadas no Instagram do Globoplay com vistas a publicizar o retorno dos títulos antigos na plataforma. Como pressuposto, acredita-se que, como uma tentativa de reter a atenção do público jovem para o consumo das telenovelas antigas, os memes são utilizados dentro das estratégias editoriais da plataforma como forma de mobilizar o engajamento em torno desses produtos. Neste sentido, foram coletadas 2.577 postagens no perfil oficial da plataforma no Instagram e, a partir das técnicas de tratamento de dados da Análise de Conteúdo (BARDIN, 1977), foram subcategorizadas 205 publicações ligadas ao projeto de retorno dos títulos antigos. Como esforço da discussão, o estudo evidencia a força dos memes dentro dessa articulação com a memória afetiva do telespectador, e sinaliza o uso da linguagem memética para “revitalizar” essas obras e torná-las mais engajáveis diante desta cultura participativa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Valdemir Soares dos Santos Neto, Universidade do Sul de Santa Catarina

Doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem da Universidade do Sul de Santa Catarina.

Mario Abel Bressan Júnior, Universidade do Sul de Santa Catarina

Doutor em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS).

Referências

APPADURAI, A. Modernity at Large: Cultural Dimensions of Globalization. Minneapolis: University of Minessota Press, 1996.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70, 1977.

BRESSAN JÚNIOR, M. A. Memória Teleafetiva. Florianópolis: Insular, 2019.

BRÊTAS, E. XV Seminário Internacional Obitel. ECA/USP, 19. nov. 2020, vídeo no YouTube. Disponível em: <https://youtu.be/DEH85umdzY4>. Acesso em: 19 mai. 2021.

DAWKINS, R. The Selfish Gene. Nova York: Oxford University Press, 1976.

GOULART RIBEIRO, A. P. Mercado da nostalgia e narrativas audiovisuais. E-Compós, v. 21, n. 3, p. 1-15, 2018. DOI: <https://doi.org/10.30962/ec.1491>.

HOLDSWORTH, A. Television, memory and nostalgia. Basingstoke: Palgrave Macmilan, 2011.

HUYSSEN, A. Seduzidos pela memória: arquitetura, monumentos, mídia. Rio de Janeiro: Aeroplano Editora, 2000.

JACKS, N. et al. Telenovela e memória: “Vale a pena ver de novo?”, reprises em tempo de pandemia. RuMoRes, v. 14, n. 28, p. 46-76, 2020. DOI: <https://doi.org/10.11606/issn.1982-677X.rum.2020.174427>.

JENKINS, H. Cultura da convergência. Rio de Janeiro: Aleph, 2009.

JENKINS, H.; GREEN, J.; FORD, S. Cultura da conexão: criando valor e significado por meio da mídia propagável. Rio de Janeiro: Aleph, 2014.

LE BRETON, D. As paixões ordinárias: antropologia das emoções. Petrópolis: Vozes, 2009.

LEMOS, L. P.; ROCHA, L. L. F. Ficção televisiva brasileira e covid-19: reconfigurações e estratégias de programação. Lumina, v. 16, n. 1, p. 45–60, 2022. DOI: <https://doi.org/10.34019/1981-4070.2022.v16.33616>.

LÉVI-STRAUSS, C. Il pensiero selvaggio. Milão: Il Saggiatore, 1964.

MARINO, G. Semiótica da propagabilidade: uma abordagem sistemática de memes e virais de Internet. Revista Ícone, v. 16, n. 1, p. 9-41, 2018. DOI: <https://doi.org/10.34176/icone.v16i1.237495>.

POLLAK, M. Memória e Identidade Social. Estudos Históricos. Rio de Janeiro, v. 5, n. 10, p. 200-212, 1992. Disponível em: <https://bit.ly/3OF6rs3>. Acesso em: 13 jun. 2023.

RAMOS, E.; BORGES, G. As janelas do Grupo Globo e o resgate de um formato com valor de culto no streaming Globoplay. Revista Graphos, v. 23, n. 2, p. 11–28, 2021. Disponível em: <https://bit.ly/3QmkdRh>. Acesso em: 01 dez. 2022.

NOTÍCIAS DA TV. Reprise de Fina Estampa supera maior fracasso de Aguinaldo Silva na Globo. Notícias da TV, [S.l], On-line, 21 set. 2020. Disponível em: <https://bit.ly/3QDPShB>. Acesso em: 29 mar.

RUSHKOFF, D. Media Virus!: Hidden Agendas in Popular Culture. Nova York: Ballantine Books, 1994.

SANCHEZ, L. Em meio a pandemia, Globo suspende gravações e levará reprises ao horário nobre. Folha de São Paulo, On-line, 16 mar. 2020. Disponível em: <https://bit.ly/44NGEDj>. Acesso em: 29 mar. 2022.

SHIFMAN, L. Memes in a Digital World: Reconciling with a Conceptual Troublemaker. v. 18, n. 3, p. 362–377, 2013. DOI: <https://doi.org/10.1111/jcc4.12013>

SPAZIANTE, L. Sociosemiotica del pop. Identità, testi e pratiche musicali. Roma: Carocci, 2007.

SANTOS NETO; V. S.; BRESSAN JÚNIOR, M. A. As complexas relações arquivísticas, mercadológicas e afetivas diante das práticas de preservação e compartilhamento do arquivo televisivo do Grupo Globo: o caso da plataforma Globoplay. Rebeca, v. 11, n. 2, p. 1-25, 2022. DOI: <https://doi.org/10.22475/rebeca.v11n2.828>.

SANTOS NETO; V. S.; LESSA, L. A.; BRESSAN JÚNIOR, M. A. Pensar a memória e a função do arquivo televisivo na era do streaming: um olhar para a plataforma Globoplay. Estudos Históricos, v. 36, n. 78, p. 182–200, 2023. Disponível em: <https://bit.ly/3rPd6GV>. Acesso em: 15 jun. 2023.

Downloads

Publicado

2023-08-30

Como Citar

SANTOS NETO, V. S. dos; BRESSAN JÚNIOR, M. A. Linguagem memética e memória afetiva: análise das estratégias editoriais na divulgação do retorno das telenovelas antigas na plataforma de streaming Globoplay. Lumina, [S. l.], v. 17, n. 2, p. 23–41, 2023. DOI: 10.34019/1981-4070.2023.v17.39761. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/lumina/article/view/39761. Acesso em: 16 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos