Arquivo Televisivo: Imaginário, Memória e Laço Social Revisitado

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34019/1981-4070.2021.v15.29770

Palavras-chave:

Memória, Arquivo Televisivo, Televisão, Laço Social, Chacrinha

Resumo

Este estudo objetiva expor reflexões sobre a reformulação do Laço Social constituído com a televisão, através das recordações evocadas nos telespectadores, com a atuação de uma memória teleafetiva e com os novos formatos de consumo audiovisual. Analisa os comentários do público que assistiu ao remake do programa Cassino do Chacrinha, exibido em 2017, na Rede Globo de Televisão e no Canal Viva, em comemoração ao centenário de Abelardo Barbosa, importante comunicador brasileiro entre as décadas de 1970 e 1980. Como procedimentos metodológicos, aplica-se a análise de conteúdo de Laurence Bardin (2011) nos textos postados no Twitter com a expressão “Cassino do Chacrinha” nos dias 28 de agosto de 2017 (programa exibido no Canal Viva) e 6 de setembro de 2017 (Rede Globo). O embasamento teórico é fundamentado nos conceitos de memória coletiva (HALBWACHS, 2003), Memória Teleafetiva (BRESSAN JÚNIOR, 2019), Laço Social (WOLTON, 1996) e Imaginário (DURAND, 2002); (MORAES, 2019); (SILVA, 2017).  A pesquisa discute as relações entre imaginário, memória e laço social, a partir de um arquivo televisivo, apresentando marcas da memória teleafetiva por imagens pregnantes e compartilhadas nos comentários analisados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mario Abel Bressan Junior, Universidade do Sul de Santa Catarina

Professor no Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem da Universidade do Sul de Santa Catarina - UNISUL

Heloisa Juncklaus Preis Moraes, Universidade do Sul de Santa Catarina

Doutora em Comunicação Social (PUCRS). Professora no Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem – UNISUL. 

Referências

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. 1. ed. São Paulo: Edições 70, 2011.

BRESSAN JÚNIOR, Mario Abel. Memória Teleafetiva. Florianópolis: Insular, 2019.

DURAND, Gilbert. As estruturas antropológicas do imaginário. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

ECO, Umberto. Tevê: a transparência perdida. In: ECO, Umberto. Viagem na irrealidade cotidiana. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984, p. 182-204.

FECHINE, Yvana. Elogio à programação: repensando a televisão que não desapareceu. In.: CARLÓN, Mario; FECHINE, Yvana (orgs.). O fim da televisão. Rio de Janeiro: Confraria do Vento, 2014, p. 114-131.

FRAGOSO, Suely; RECUERO, Raquel; AMARAL, Adriana. Métodos de pesquisa para internet. Porto Alegre: Sulina, 2013.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Centauro, 2003.

LOPES, Maria Immacolata Vassallo de; GRECO, Clarice. Brasil: a “TV transformada” na ficção televisiva brasileira. In: LOPES, Maria Immacolata Vassallo de; GÓMEZ, Guillermo Orozco (orgs). (Re)invenção de gêneros e formatos da ficção televisiva: anuário Obitel 2016. Porto Alegre: Sulina, 2016, p. 135-175.

______. Brasil: dinâmicas da ficção televisiva na transição multicanal. In: LOPES, Maria Immacolata Vassallo de; GÓMEZ, Guillermo Orozco (orgs). Ficção televisiva Ibero-Americana em Plataformas de Vídeo On Demand: anuário Obitel 2018. Porto Alegre: Sulina, 2018, p. 103-133.

MAFFESOLI, Michel. O ritmo da vida: variações sobre o imaginário pós-moderno. Rio de Janeiro: Record, 2007.

MEMÓRIA GLOBO. Chacrinha. Disponível em http://memoriaglobo.globo.com/perfis/talentos/chacrinha/trajetoria.htm Acesso em: 06 jun. 2019.

MORAES, Heloisa Juncklaus Preis. O imaginário no cotidiano: a imagem como potência do laço social. In: LINS, Eunice; MORAES, Heloisa Juncklaus Preis Moraes (orgs). Mídia, cotidiano e imaginário. João Pessoa: Editora da UFPB, 2019, p. 97-102.

MORAES, Heloisa Juncklaus Preis; BRESSAN, Luiza Liene; JORGE, Leidiane Coelho.Sobre trilhos: a memória revisitada pelo apito do trem - um estudo com as lentes do imaginário. Desenredo, v. 14, n. 1, p. 160-176, 2018. Disponível em http://seer.upf.br/index.php/rd/article/view/7381. Acesso em: 15 mar. 2021.

SILVA, Juremir Machado da. Diferença e descobrimento. O que é o imaginário? (A hipótese do excedente de significação). Porto Alegre: Sulina, 2017.

WOLTON, Dominique. Elogio do grande público: uma crítica da televisão. São Paulo: Ática, 1996.

Downloads

Publicado

2021-05-05

Como Citar

BRESSAN JUNIOR, M. A.; JUNCKLAUS PREIS MORAES, H. Arquivo Televisivo: Imaginário, Memória e Laço Social Revisitado. Lumina, [S. l.], v. 15, n. 1, p. 31–46, 2021. DOI: 10.34019/1981-4070.2021.v15.29770. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/lumina/article/view/29770. Acesso em: 10 maio. 2021.

Edição

Seção

Artigos