Estratégias eleitorais audiovisuais no Facebook: desempenho de vídeos em uma campanha para prefeito em 2020

Autores

Palavras-chave:

Campanha Eleitoral, Estratégia, Marketing Digital, Produção Audiovisual, Redes Sociais

Resumo

O que caracteriza os vídeos publicados em uma plataforma de mídia social, durante uma campanha eleitoral, que apresentam melhor desempenho em termos de alcance e retenção dos usuários? A pergunta se traduz no objetivo central do presente trabalho, no qual se analisou 29 vídeos postados pelo perfil do candidato Doutor Omar no decorrer de uma disputa para prefeito na cidade de Viçosa (MG) em 2020. Partimos de um referencial teórico que contempla estudos relativos a estratégias, táticas e ferramentas utilizadas em eleições majoritárias no Brasil, priorizando o universo digital e, de modo ainda mais específico, produções audiovisuais concebidas visando à disseminação das mesmas via internet. Para fins de contextualização, enfatizou-se as circunstâncias de recepção de conteúdos na contemporaneidade, haja vista a multiplicidade de fontes de informação e entretenimento ora disponíveis; e aspectos pertinentes à produção e à distribuição. Em seguida, reunimos dados — fornecidos pelo Facebook — relacionados a cada uma das postagens analisadas para identificarmos aquelas que obtiveram melhor performance. Introduções que interpelavam o usuário, imagens de seres humanos e o tema “construção de identidade” estiveram entre as opções mais bem sucedidas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcel Henrique Angelo, Universidade Federal de Viçosa

Doutor em Linguística e graduado em Comunicação Social pela UFJF. Professor da Faculdade de Viçosa (FDV).

Referências

AHMAD, I. Video Marketing Statistics for 2020. Social Media Today, Washington, DC, 30 out. 2019. Disponível em: <https://www.socialmediatoday.com/news/video-marketing-statistics-for-2020-infographic/566099/>. Acesso em: 25 nov. 2020.

ALMEIDA, A. C. A Cabeça do Eleitor: estratégia de campanha, pesquisa e vitória eleitoral. 3. ed. Rio de Janeiro: Record, 2008.

BENTES, A. A gestão algorítmica da atenção: enganchar, conhecer e persuadir. In: POLIDO, F. et al. (orgs). Políticas, Internet e Sociedade. Belo Horizonte: Iris, 2019, p. 222-234. Disponível em: <https://irisbh.com.br/publicacoes/politicas-internet-e-sociedade/>. Acesso em: 18 nov. 2020.

BERGER, J. Contágio. Rio de Janeiro: LeYa, 2014.

COUTINHO, C. Vídeos que vendem mais: tenha resultados imbatíveis desvendando os segredos do videomarketing. São Paulo: DVS Editora, 2020.

GOMES, W. Transformações da política na era da comunicação de massa. São Paulo: Paulus, 2008.

HEATH, C.; HEATH, D. Ideias que colam: por que algumas ideias pegam e outras não. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007.

HONIGMAN, B. Facebook Video vs. YouTube: Maximizing Results in the Evolving Video Landscape. Social Media Today, Washington, DC, 21 jan. 2015. Disponível em: <https://www.socialmediatoday.com/news/facebook-video-vs-youtube-maximizing-results-in-the-evolving-video-landsc/455318/>. Acesso em: 21 nov. 2020.

HUTCHINSON, A. Facebook Shares Video Best Practices to Boost Content Performance. Social Media Today, Washington, DC, 24 nov. 2020. Disponível em: <https://www.socialmediatoday.com/news/facebook-shares-video-best-practices-to-boost-content-performance/589685/>. Acesso em: 25 nov. 2020.

LEAL, P. R. Os riscos do personalismo na política. Revista A3, Juiz de Fora, n. 2, abr./set. 2012. Disponível em: <https://bit.ly/3d3LHGv>. Acesso em: 30 nov. 2021.

MASSUCHIN, M. G.; TAVARES, C. Q. Campanha eleitoral nas redes sociais: estratégias empregadas pelos candidatos à Presidência em 2014 no Facebook. Revista Compolítica, v. 5, n. 2, p.75-112, 2015. DOI: <https://doi.org/10.21878/compolitica.2015.5.2.87>.

MENDONÇA, D. Casos e Coisas. São Paulo: Globo, 2001.

MOURA, M.; CORBELLINI, J. A eleição disruptiva: por que Bolsonaro venceu. Rio de Janeiro: Record, 2019.

MYERS, D. Psicologia social. 10. ed. Porto Alegre: AMGH, 2014.

PALACIOS, F.; TERENZO, M. O guia completo do Storytelling. Rio de Janeiro: Alta Books, 2016.

REZENDE, G. J. 60 anos de jornalismo na TV brasileira: percalços e conquistas. In: VIZEU, A.; PORCELO, F.; COUTINHO, I. (orgs.). 60 anos de telejornalismo no Brasil: história, análise e crítica. Florianópolis: Insular, 2010, p. 83-99.

SCHMITT, R.; CARNEIRO, L. P.; KUSCHNIR, K. Estratégias de campanha no horário gratuito de propaganda eleitoral em eleições proporcionais. Dados, Rio de Janeiro, v. 42, n. 2, 1999. DOI: <https://doi.org/10.1590/S0011-52581999000200003>.

TORRES, C. A Bíblia do Marketing Digital. São Paulo: Novatec, 2009.

VAZ, P. Esperança e Excesso. In: ENCONTRO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO, 9., 2000, Porto Alegre. Anais [...] Campinas: Galoá, 2000. Disponível em: <https://proceedings.science/compos-2000/papers/esperanca-e-excesso>. Acesso em: 17 out. 2019.

VITORINO, M. Eleitor conectado: perfil e consumo de conteúdo nas eleições 2018. In: SILVA, M. P. (org). Comunicação, mídias e educação 2. Ponta Grossa: Atena Editora, 2019, p. 110-124. v. 2. Disponível em: <https://www.atenaeditora.com.br/arquivos/ebooks/comunicacao-midias-e-educacao-2>. Acesso em: 17 out. 2019.

VITORINO, M. Coisas que todo profissional que quer trabalhar com marketing político digital deveria saber. São Paulo: Matrix, 2018.

Downloads

Publicado

2021-12-30

Como Citar

ANGELO, M. H. Estratégias eleitorais audiovisuais no Facebook: desempenho de vídeos em uma campanha para prefeito em 2020. Lumina, [S. l.], v. 15, n. 3, p. 166–184, 2021. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/lumina/article/view/34093. Acesso em: 26 jun. 2022.