Disputas simbólicas em memes das eleições presidenciais brasileiras de 2018

  • Laan Mendes de Barros Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - UNESP http://orcid.org/0000-0003-2429-9716
  • Maicon José de Faria Milanezi Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - UNESP
Palavras-chave: Midiatização, Experiência estética, Memes, Dissenso, Eleição 2018

Resumo

A sociedade midiatizada como paradigma atual nas transformações sociais e políticas. A produção de sentidos a partir de processos de colaboração e hibridismos nas redes sociais digitais. As proposições de Rancière (1996) sobre estética e política e o surgimento de novos lugares possíveis e dissensuais de vivência. Após breve revisão bibliográfica, é realizada uma análise de conteúdo dos memes políticos de ação popular do segundo turno das Eleições 2018, com base em categorias propostas por Chagas et al. (2017). Hipótese de que os memes de ação popular se apresentam como dispositivos para a construção de cenas de dissenso, pensando-os como gramática que se dota de um conjuntos de elementos que se repetem entre apoiantes de ambos os candidatos em disputa, com mais diversidade observada, contudo, no conjunto formado pelos eleitores de Haddad. Conclui-se a partir da amostra que a prevalência de memes de ação popular para este candidato pode ser relacionada pela mobilização de afetos para a projeção desses lugares de conivência de uma parte dos sem-parte e pluralismo agonístico de coexistência de “povos” diversos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Laan Mendes de Barros, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - UNESP

Docente da Faculdade de Artes, Arquitetura e Comunicação da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – FAAC-UNESP. Professor permanente do PPG em Comunicação (orientador de Mestrado e Doutorado). Doutor em Ciências da Comunicação, pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP), com pós-doutorado pela Université Stendhal Grenoble 3.

Maicon José de Faria Milanezi , Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - UNESP

Mestre em Comunicação pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação, Bauru. 

Referências

BRAGA, J. L. A sociedade enfrenta sua mídia. São Paulo: Paulus, 2006.

BRAGA, J. L. Circuitos versus campos sociais. In: MATTOS, M. Â.; JANOTTI JUNIOR, J.; JACKS, N. (org.). Mediação e Midiatização. Salvador: Edufba, 2012, p. 31–52.

BRAGA, J. L. Instituições & Midiatização – um olhar comunicacional. In: FERREIRA, Jairo; ROSA, Ana Paula da et al. (orgs.). Entre o que se diz e o que se pensa – onde está a midiatização? Santa Maria: FACOS-UFSM, 2018a. p. 291–311.

BRAGA, J. L. Interagindo com Foucault: os arranjos disposicionais e a comunicação. Questões Transversais – Revista de Epistemologias da Comunicação, v. 6, n. 12, p. 81–91, 2018b. Disponível em: <http://revistas.unisinos.br/index.php/questoes/article/view/18081>.

CASTELLS, M. A galáxia da internet. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2003.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. 6. ed. São Paulo: Editora Paz e Terra, 2011.

CASTELLS, M. Redes de Indignação e Esperança: Movimentos sociais na era da Internet. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2017.

CASTELLS, M. Ruptura – A crise da democracia liberal. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2018.

CHAGAS, V. “Não tenho nada a ver com isso”: cultura política, humor e intertextualidade nos memes das Eleições 2014. In: Encontro Anual da Compós, 25, 2016, Goiânia. Anais... 2016. Disponível em: <http://www.compos.org.br/biblioteca/artigo-compos-2016-fullpaper2_3326.pdf>

CHAGAS, V. et al. A política dos memes e os memes da política: proposta metodológica de análise de conteúdo de memes dos debates eleitorais de 2014. Intexto, n. 38, p. 173–196, 2017. Disponível em: <https://seer.ufrgs.br/intexto/article/view/63892>.

HJARVARD, S. A midiatização da cultura e da sociedade. São Leopoldo: Editora Unisinos, 2014.

GOMES, W. Transformações da política na era da comunicação de massa. São Paulo: Paulus, 2004.

GOMES, W. A democracia no mundo digital: História, problemas e temas. São Paulo: Edições Sesc São Paulo, 2018.

LÉVY, P. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999.

MARQUES, Â. C. S.; PRADO, M. A. M. Diálogos e dissidências: M. Foucault e J. Rancière. Curitiba: Appris Editora, 2018.

MOUFFE, C. Agonistics: Thinking the World Politically. Londres: Verso, 2013.

RANCIÈRE, J. O desentendimento: política e filosofia. São Paulo: Editora 34, 1996.

RANCIÈRE, J. A partilha do sensível. 2. ed. São Paulo: Editora 34, 2009.

RANCIÈRE, J. O espectador emancipado. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2012.

RANCIÈRE, J. O ódio à democracia. São Paulo: Editora 34Boitempo, 2014.

RECUERO, R. Redes sociais na internet. Porto Alegre: Sulina, 2009a.

RECUERO, R. Redes Sociais na Internet, Difusão de Informação e Jornalismo: Elementos para discussão. In: SOSTER, D. DE A.; FIRMINO, F. (org.). Metamorfoses jornalísticas 2: a reconfiguração da forma. [s.l.] unisc, 2009b.

ROSSETTO, G. P. N. Fazendo política no Twitter: como os efeitos estimados das mensagens influenciam as ações e os usos da plataforma. 2014. 257 f. Tese de doutorado – Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2014.

SANTOS JUNIOR, M. A. Vai pra Cuba!!! A rede antipetista na eleição de 2014. 2016. 200 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação) – Programa de Pós-Graduação em Comunicação, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2016.

SHIFMAN, L. Memes in digital culture. Cambridge: MIT Press, 2014.

SILVEIRA, S. A. Democracia e os códigos invisíveis. São Paulo: Edições Sesc São Paulo: 2019. E-book.

TARROW, S. O Poder em Movimento: Movimentos sociais e confronto político. Petrópolis: Editora Vozes, 2009.

Publicado
2020-04-30
Como Citar
BARROS, L. M. DE; DE FARIA MILANEZI , M. J. Disputas simbólicas em memes das eleições presidenciais brasileiras de 2018. Lumina, v. 14, n. 1, p. 174-191, 30 abr. 2020.