Design do mundo ficcional da série Game Of Thrones

  • João Carlos Massarolo Universidade Federal de São Carlos
  • Dario Mesquita Universidade Federal de São Carlos
Palavras-chave: televisão, série, design, vinheta de abertura, mundo ficcional

Resumo

O presente trabalho pretende analisar a abertura de Game of Thrones (HBO, 2011-) buscando compreender a participação do design na concepção do mundo ficcional da série. Além de demarcar a identidade visual, o design remodela o mapa cartográfico de Westeros, evidenciando assim as relações de poder estabelecidas a cada episódio. Neste trabalho, a sequência de abertura da série televisiva é analisada como um pequeno filme do mundo codificado do programa, que é materializado na tela através do design para proporcio nar uma experiência imersiva ao público.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Carlos Massarolo, Universidade Federal de São Carlos
Professor  Associado  do  Departamento  de  Artes  e Comunicação  (DAC/UFSCar),  e  do Programa de Pós- Graduação em Imagem e Som da Universidade Federal de São Carlos (PPGIS/UFSCar).
Dario Mesquita, Universidade Federal de São Carlos
Professor Assistente do Departamento de Artes e Comunicação – DAC/UFSCar. Pesquisador do Grupo de Estudos sobre Mídias Interativas em Imagem e Som (GEMInIS).

Referências

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. O Anti-Édipo: capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: Ed. 34, 2010.
DENA, C. Transmedia Practice: Theorising the Practice of Expressing a Fictional World across Distinct Media and Environments. Digital Culture Program: University of Sydney, 2009.
EDE, E. V. Gaps and recaps: Exploring the binge-published television serial. Master Thesis. Utrecht University: Utrecht, 2015.
FLUSSER, V. O mundo codificado: por uma filosofia do design e da comunicação. São Paulo: Cosac Naif, 2007.
GENETTE, G. Paratextos editoriais. Tradução de Álvaro Faleiros. Cotia: Ateliê Editorial, 2009.
JESUS, E. Introdução. In: RENA, A.; RENA, N. (Orgs.). Design e Política. Belo Horizonte: Fluxos, 2014.
KIEM, M. Designing the social, and thepolitics of social innovation. Design Philosophy Papers, n. 3, ano 2011. Disponível em: . Acesso em: 9 fev. 2015.
LATOUR, B. Um Prometeu cauteloso? Alguns passos rumo a uma filosofia do design. Revista Brasileira de Design, São Paulo, v. 6, n. 58, jul./ago. 2014.
MARGOLIN. V. A Política do Artificial - Ensaios e Estudos Sobre Design. São Paulo: Civilização Brasileira, 2014.Marília,SP: UNIMAR – Universidade de Marília. 1997.
MASSAROLO, J. Storytelling Transmídia: Narrativa para multiplataformas. Tríade - comunicação, cultura e mídia, Sorocaba, v.1, n.2, p 335-347, dez. 2013.
MCKEE, R. Story: substancia, estrutura, estilo e os princípios da escrita de roteiro. Curitiba: Arte & Letra, 2006.

NETO, O.N. Série na TV sob demanda: as estruturas narrativas frente as mudanças nas práticas de consumo. Dissertação de Mestrado. Bauru: PPGCOM – UNESP, 2016.
PERKINS, W. Game of Thrones (2011). Art of the Title, 11 mai. 2011. Disponível em: . Acesso em: 9 fev. 2015.
RENA S., A. A multidão conectada e as máquinas de resistência. In: RENA, A.; RENA, N. (Orgs.). Design e Política. Belo Horizonte: Fluxos, 2014.
RYAN, M. Possible Worlds, Artificial Intelligence and Narrative Theory. Bloomington: University of Indiana P, 1991.
ROSE, Frank. The Art of Immersion: how the digital generation is remaking Hollywood, Madison avenue, and the way we tell stories. New York: W.W. Norton, 2011.
SCHIAVONI, J. Vinheta de TV: tipos, usos e funções. Bauru: Mediaworks, 2015.
TOSCA, S. ;KLASTRUP, L. Transmedial Worlds – Rethinking Cyberworld Design. Proceedings International Conference on Cyberworlds 2004, 409-413. Los Alamitos: IEEE Computer Society.Disponível em: . Acesso em: 27 out. 2016.
VOLLI, U. Manual de semiótica. São Paulo: Edições Loyola, 2007.
ZIMERMAN, A. (Org.). Copa do mundo de 2014: impactos e legado. Santo André: Universidade Federal do ABC, 2013.
Publicado
2016-12-22
Como Citar
MASSAROLO, J. C.; MESQUITA, D. Design do mundo ficcional da série Game Of Thrones. Lumina, v. 10, n. 3, 22 dez. 2016.
Seção
Dossiê TV: Formas Audiovisuais de Ficção e Documentário n.2