v. 26 n. 1 (2020): Dossiê - Identidades e sexualidades hegemônicas e contra-hegemônicas. Feminidades e masculinidades em tempos autoritários
Dossiê

Toda a Biologia é queer: subjetivação e diversidade

Jose Luis Ferraro
Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Publicado April 18, 2020
Palavras-chave
  • Biologia,
  • Queer,
  • Identidades de gênero e sexual,
  • Individuação,
  • Processos de subjetivação
Como Citar
Ferraro, Jose Luis. 2020. “Toda a Biologia é Queer: Subjetivação E Diversidade”. Locus: Revista De História 26 (1), 172-88. https://doi.org/10.34019/2594-8296.2020.v26.29804.

Resumo

Ao sustentar o argumento de que toda a Biologia é queer o presente trabalho tem como objetivo jogar luzes sobre a importante discussão que diz respeito ao uso equivocado do conhecimento biológico frente à complexidade da temática da construção das identidades de gênero e sexual. A instrumentalização negativa dessa ciência e a ingenuidade relacionada à sua compreensão discursiva produzem uma série de erros comumente utilizados para a manutenção dos corpos queer em uma condição de anormalidade no interior de uma sociedade patriarcal, heteronormativa e binária. Assim, o artigo pretende mostrar que a Biologia se funda por essência na – e pela – biodiversidade e que sua epistemologia compreende os modos de existência queer, embora não exista nenhum tipo de determinismo biológico, mas arranjamentos singulares responsáveis pela constituição dessas subjetividades – processos de individuação relacionados às formas de desejo, aos modos de afecção e às performances, produzindo na condição contra-hegemônica dos sujeitos queer formas de resistências possíveis.

Referências

  1. Bourdieu, Pierre. “Le champ littéraire”. Actes de la recherche en sciences sociales, 89, n. 1 (1991): 3-46. https://doi.org/10.3406/arss.1991.2986
  2. Bourdieu, Pierre. Sociology in question. London: Sage, 1993.
  3. Bourdieu, Pierre, e Terry Eagleton. “Doxa and common life”. New Left Review, 191, n.1, (1992): 111-121.
  4. Butler, Judith. El Género en Disputa: el feminismo y la subversión de la identidad. Barcelona: Paidós, 2007.
  5. Darwin, Charles, e Alfred Russel Wallace. “On the tendency of species to form varieties; and on the perpetuation of varieties and species by natural means of selection”. Journal of the proceedings of the Linnean Society of London. Zoology, 3, n. 9 (1858): 45-62. https://doi.org/10.1111/j.1096-3642.1858.tb02500.x
  6. Deleuze, Gilles. “Gilbert Simondon, o indivíduo e sua gênese físico-biológica”. Em: O reencantamento do concreto. Cadernos de subjetividade, org. Peter Pelbart e R. da Costa, 97-117. São Paulo: Hucitec. 2003.
  7. Deleuze, Gilles. O abecedário de Gilles Deleuze. Paris: Montparnasse, 1997.
  8. Deleuze, Gilles, e Félix Guattari. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. v.1. Rio de Janeiro: Ed. 34, 2000.
  9. Deleuze, Gilles, e Félix Guattari. O anti-Édipo: capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: Editora 34, 2011.
  10. Derrida, Jacques. Gramatologia. São Paulo: Perspectiva, 2004.
  11. Derrida, Jacques. Posições. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.
  12. Derrida, Jacques. Responsabilité et hospitalité. Manifeste pour l’hospitalité, Paris: Paroles l’Aube, 1999.
  13. Derrida, Jacques, e Anne Dufourmantelle. De l'hospitalité: Anne Dufourmantelle invite Jacques Derrida à répondre. Paris : Calmann-Lévy, 2014.
  14. Dobzhansky, Theodosius. “Nothing in biology makes sense except in the light of evolution”. The american biology teacher, 35, n. 3, (1973): 125-129. https://doi.org/10.2307/4444260
  15. Fausto-Sterling, Anne. Sexing the Body. New York: Basic Books, 2000.
  16. Foucault, Michel. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007.
  17. Foucault, Michel. A ordem do discurso. São Paulo: Edições Loyola. 17ed. 2008b.
  18. Foucault, Michel. As Palavras e as Coisas: uma arqueologia das ciências humanas. São Paulo: Martins Fontes, 1999.
  19. Foucault, Michel. Em defesa da sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 2016.
  20. Foucault, Michel. Segurança, território e população. São Paulo: Martins Fontes, 2008a.
  21. Foucault, Michel. Vigiar e punir. Petrópolis: Vozes, 1999a.
  22. Garbagnoli, Sara. “Le Vatican contre la dénaturalisation de l’ordre sexuel: structure et enjeux d’un discours institutionnel réactionnaire”. Synergies Italie, 10 (2014): 45-67.
  23. Guattari, Félix, e Suely Rolnik. Micropolítica: cartografias do desejo. Petrópolis: Ed. Vozes, 2011.
  24. Hall, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: Lamparina, 2014.
  25. Horkheimer, Max. O eclipse da razão. São Paulo: Ed. Centauro, 2007.
  26. Kuhn, Thomas. A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Editora Perspectiva, 1994.
  27. Levinas, Emmanuel. Totalidade e infinito. Lisboa: Edições 70, 1980.
  28. Louro, Guacira Lopes. “Teoria queer: uma política pós-identitária para a educação”. Rev. Estud. Fem., Florianópolis, 9, n. 2 (2001): 541-553. https://doi.org/10.1590/S0104-026X2001000200012
  29. Louro, Guacira Lopes. Um corpo estranho: ensaios sobre sexualidade e teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica, 2018.
  30. Nietzsche, Friedrich. Vontade de potência. Petrópolis: Vozes, 2011.
  31. Pelbart, Peter. O tempo não-reconciliado. São Paulo: Perspectiva, 1998.
  32. Silva, Tomaz Tadeu. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.
  33. Simondon, Gilbert. L’individu et sa genèse psysico-biologique. Paris: Presses Universitaires de France, 1964.
  34. Simondon, Gilbert. L’individuation psychique et colletive. Paris: Aubier, 1989.
  35. Simondon, Gilbert. La individuación a la luz de las nociones de forma y información. Buenos Aires: Editorial Cactus y La Cebra Ediciones, 2009.