Educação especial na perspectiva inclusiva: interação entre escola e família | Special education in inclusive perspective: interaction between school and family

  • Josiane Marcela Andrade Silva
  • Marize Rauber Engelbrecht
Palavras-chave: educação especial na perspectiva inclusiva, família, política social

Resumo

Este artigo objetiva compreender e analisar o modo que ocorre a interação da família na Política de Educação, na especificidade das Salas de Recursos Multifuncionais que atendem aos alunos da Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva na rede de ensino pública do Município de Matelândia-Paraná. A pesquisa recorreu-se a determinados procedimentos metodológicos definindo-se a pesquisa qualitativa, descritiva e exploratória.Com base no estudo desenvolvido, pode-se afirmar que a interação entre família, escola e os profissionais que atendem estudantes com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades/superdotação possui fragilidades, visto que ocorre a comunicação entre estas instituições, mas não a desejada para o bom relacionamento escolar sendo uma questão a se avançar.

Referências

BERTUOL, C.L. Salas de recursos e salas de recursos multifuncionais:apoios especializados à inclusão escolar de alunos com deficiência/necessidades educacionais especiais no município de Cascavel-PR. 59 f. 2012. Monografia (Especialização em História da Educação Brasileira) – Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Cascavel: UNIOESTE, 2012.
BRASIL.Manual de Orientação do Programa de Implantação de Sala de Recursos Multifuncional. Brasília: SEESP/MEC, 2010. ________. Decreto nº 7.611, de 17 de novembro de 2011.Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências.Brasília: MEC, 2011.
________. MEC. Parecer CNE/CEB nº 13/2009 – Institui as Diretrizes Operacionais para o atendimento educacional especializado na Educação Básica. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2015.
________.MEC/SECADI.Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: MEC/SEESP, 2008.
________. Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Parecer CEB/CNE 17/2001. 46. Ministério da Educação, 2001. Acesso em 28 nov. 2017. Disponível em: . Acesso em: 4 abr. 2016
CALDAS, A.; CRUZ, F.T. Perfil docente das séries iniciais do ensino fundamental do Paraná: Série histórica 2001-2007. 2011. Disponível em: .Acesso em: 15 fev. 2018.
COLODEL, J.A.Matelândia: História e Contexto. Cascavel: ASSOESTE, 1992.
DELEVATI, A.C.; BAPTISTA, C.R. Planos municipais de Educação e Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva: quais configurações? Políticas Educativas, Santa Maria, vol. 10, n.1, p. 147-164, 2016.
GARCIA, R.M.C. Política de educação especial na perspectiva inclusiva e a formação docente no Brasil. In:Revista Brasileira de Educação,Rio de Janeiro,vol. 18, n.52, jan/mar. 2013. Disponível em: . Acesso em: 15 ago. 2017.
JANUZZI, G.M. A educação do deficiente no Brasil – dos primórdios ao início do século XXI. 2.ed. Campinas: Autores Associados, 2006.
PASIAN. M.S.; MENDES. E.G.; CIA. F. Aspectos da organização e funcionamento do atendimento educacional especializado: um estudo em larga escala. Educ. Rev. Belo Horizonte, vol. 33, n. 3, mar. 2017. Disponível em:. Acesso em: 15 ago. 2017.
PARANÁ. Instrução Normativa SEED/SUED nº 016/2011. Estabelece critérios para o atendimento educacional especializado em Sala de Recursos Multifuncional Tipo I, na Educação Básica. Disponível em:. Acesso em: 01 out. 2016.
PERTILE, E.B. A Sala de Recursos Multifuncional: a proposta oficial para o trabalho docente frente às necessidades educacionais dos alunos com deficiência intelectual. 2013. 165 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE. Cascavel: UNIOESTE, 2013.
VIGOTSKI, L. S. Fundamentos de defectologia. Obras completas. Havana: Editorial Pueblo y Educación, 1997. p. 74-87.
Publicado
2019-08-26