(Contra) Reforma Trabalhista

“modernização” destrutiva no Brasil das desigualdades

  • Reginaldo Ghiraldelli Universidade de Brasília
Palavras-chave: trabalho; direitos; reforma trabalhista.

Resumo

A partir de uma interlocução com as ciências sociais, o artigo apresenta particularidades e características da configuração do mundo do trabalho no Brasil, tendo como referência e marco temporal as últimas quatro décadas. Em linhas gerais, contextualiza o cenário de profunda crise social, política e econômica do país e os fundamentos ideopolíticos que resultaram na aprovação da (Contra) Reforma Trabalhista no período do governo de Michel Temer em 2017. Com base em análise qualitativa e histórico-crítica da produção bibliográfica e documental, problematiza a conjuntura brasileira recente, diante do redimensionamento do Estado que implementa de forma intensificada medidas neoliberais de austeridade, ajuste fiscal e privatizações, com efeitos devastadores para os direitos e a proteção social da classe trabalhadora.

Referências

ALVES, G. Terceirização e capitalismo no Brasil: um par perfeito. Revista TST, Brasília, vol. 80, n. 3, p. 90-105, 2014.

ALVES, G. O Minotauro Brasileiro. Reforma Trabalhista e desenvolvimento histórico do capitalismo no Brasil. Revista do Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região, n.51, p. 97-108, 2017.

ANTUNES, R. A sociedade da terceirização total. Revista da ABET, v. 14, n. 1, p. 6-14, 2015.

ANTUNES, R. O privilégio da servidão: o novo proletariado de serviços na era digital. São Paulo: Boitempo, 2018.

BARBÉ, C. Golpe de Estado. In: BOBBIO, Norberto; MATTEUCCI, Nicola; PASQUINO, Gianfranco. Dicionário de Política. Brasília: UnB, 1998, p. 545-547.

BRASIL. Emenda Constitucional n. 95, de 2016. Altera o Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o Novo Regime Fiscal, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 16 dez. 2016b. Disponível em: Acesso em: 10 jun. 2019.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: Acesso em: 11 jun.2019.

BRASIL. Consolidação das Leis do Trabalho. Decreto-Lei n.5452, de 01 de maio de 1943. Disponível em: Acesso em: 03 jun. 2019.

BRAZ, M. O golpe nas ilusões democráticas e a ascensão do conservadorismo reacionário. Revista Serviço Social e Sociedade, São Paulo: Cortez, n. 128, p. 85-103, 2017.

CAVALCANTI, B. M.; VENERIO, C. M. S. Uma ponte para o futuro? Reflexões sobre a plataforma política do governo Temer. RIL: Revista de Informação Legislativa, Brasília, v.54 n. 215, p. 139-162, 2017.

CENTRAL ÚNICA DOS TRABALHADORES. Secretaria Nacional de Relações de Trabalho; DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS. Terceirização e desenvolvimento: uma conta que não fecha. São Paulo: CUT, 2014.

DEMIER, F. Talvez a gente esteja assistindo ao surgimento de um novo padrão de golpe. Entrevista concedida a Maira Mathias. Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV/Fiocruz), Rio de Janeiro, 02 set. 2016. Disponível em: Acesso em: 09 dez. 2018.

DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SOCIOECONOMICOS – DIEESE. A Reforma Trabalhista e os impactos para as relações de trabalho no Brasil. São Paulo. Nota Técnica n. 178, 2017. Disponível em: Acesso em: 10 jun. 2019.

FERNANDES, F. A revolução burguesa no Brasil: ensaio de interpretação sociológica. 5ª ed. São Paulo: Globo, 2006.

FLEURY, S.; PINHO, C. E. S. Liquefação da rede de proteção social no Brasil autoritário. Revista Katálysis, Florianópolis, v. 21, n. 1, p. 14-28, 2018.

GALVÃO, A. et al. Contribuição crítica à Reforma Trabalhista. Campinas: Unicamp, 2017.

HARVEY, D. Condição pós-moderna. 25ª ed. São Paulo: Loyola, 2014.

IAMAMOTO, M. V. Serviço social em tempo de capital fetiche: capital financeiro, trabalho e questão social. São Paulo: Cortez, 2008.

MARIANO, C. M. Emenda constitucional 95/2016 e o teto dos gatos públicos: Brasil de volta ao estado de exceção econômico e ao capitalismo do desastre. Revista de Investigações Constitucionais, Curitiba, vol. 4, n. 1, p. 259-281, 2017.

MATTOSO, J.; POCHMANN, M. Mudanças estruturais e trabalho no Brasil. Economia e Sociedade, Campinas, (10), p. 213-43, 1998.

MÉSZÁROS, I. A crise estrutural do capital. São Paulo: Boitempo, 2009.

NETTO. J. P. Crise do capital e consequências societárias. Revista Serviço Social e Sociedade, São Paulo: Cortez, n. 111, p. 413-429, 2012.

PARTIDO DO MOVIMENTO DEMOCRÁTICO BRASILEIRO. Uma ponte para o futuro. Brasília: Fundação Ulysses Guimarães, 2015.
Publicado
2019-12-09