O limite da politicidade para a superação da desigualdade econômica

  • Elcemir Paço Cunha
Palavras-chave: Estado, políticas públicas, contradição, desigualdade econômica, capitalismo

Resumo

Ao contrário das formas dominantes de apreensão das políticas públicas, reconhece-se no ensaio o caráter contraditório do Estado e, por decorrência, dessas políticas associadas ao problema da desigualdade econômica. Assim, resgata-se os elementos centrais do pensamento de Marx que permitam apreciar o Estado como entificação de uma sociedade contraditória, isto é, a vinculação desse complexo político-burocrático à desigualdade fundamental na distribuição dos meios de criação da riqueza. Explicita-se, a partir daí, as políticas públicas como o limite de atuação do próprio Estado, ou seja, atuando apenas sobre as consequências superficiais daquela desigualdade fundamental sobre a qual, inclusive, ele próprio se assenta. Conclui-se pelo caráter contraditório das políticas públicas e do Estado capitalista em relação aos problemas sociais mais fundamentais em que tal complexo se constitui como uma condição ineliminável de reprodução das próprias contradições que o engendraram. Ao mesmo tempo em que é preciso superar as contradições que o Estado e suas políticas públicas ajudam a reproduzir com vistas à abolição da desigualdade econômica e, portanto, superar esse próprio complexo político-burocrático, não é possível abandonar essa mesma esfera política que permanece sendo uma mediação de agravamento dessas contradições no interior dos parâmetros dados pelo atual modo de produção.

Biografia do Autor

Elcemir Paço Cunha
Doutor em Administração pela UFMG e Professor Adjunto I da UFJF
Publicado
2012-04-16