Caracterização da orientação de exercício físico para pacientes com diabetes e pré-diabetes atendidos em um hospital universitário

Autores

  • Larissa Barbosa de Carvalho Programa de Residência Multiprofissional em Atenção Hospitalar, Hospital Universitário, Universidade Federal de Juiz de Fora, MG https://orcid.org/0000-0002-8562-2137
  • Lilian Pinto da Silva Programa de Pós-Graduação em Ciências da Reabilitação e Desempenho Físico-Funcional, Faculdade de Fisioterapia, Universidade Federal de Juiz de Fora, MG https://orcid.org/0000-0002-9352-1504
  • Carolina Machado de Melo Felix Programa de Pós-Graduação em Ciências da Reabilitação e Desempenho Físico-Funcional, Faculdade de Fisioterapia, Universidade Federal de Juiz de Fora, MG https://orcid.org/0000-0003-4236-3187
  • Danielle Guedes Andrade Ezequiel Departamento de Clínica Médica, Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Juiz de Fora, MG https://orcid.org/0000-0002-2120-2838
  • Mariana Balbi Seixas Programa de Pós-Graduação em Educação Física, Faculdade de Educação Física e Desportos, Universidade Federal de Juiz de Fora, MG https://orcid.org/0000-0001-5088-1414
  • Patricia Fernandes Trevizan Unidade de Investigação Cardiovascular e Fisiologia do Exercício, Universidade Federal de Juiz de Fora, MG https://orcid.org/0000-0001-5517-8285

DOI:

https://doi.org/10.34019/1982-8047.2021.v47.34117

Palavras-chave:

Diabetes Mellitus, Exercício Físico, Orientação

Resumo

Introdução: Os pilares do tratamento do Diabetes Mellitus (DM) são a associação de tratamento medicamentoso, adoção de alimentação saudável e prática regular de exercícios físicos. Apesar dos diversos benefícios descritos para pacientes com DM, a prática regular de exercício físico permanece sendo um desafio. Objetivo: Identificar e caracterizar a orientação para prática de exercícios físicos entregue à pacientes com DM ou pré-DM acompanhados em um serviço ambulatorial para tratamento ou prevenção do DM. Material e Métodos: Estudo observacional transversal. Entre novembro de 2018 e abril de 2019 realizou-se coleta de dados por busca ativa nos prontuários de pacientes em acompanhamento no Ambulatório Multidisciplinar de Diabetes do Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora, sendo incluídos neste estudo pacientes com diagnóstico de DM tipo 1 (DM1), tipo 2 (DM2) ou pré-DM. Foram excluídos prontuários de pacientes com mais de um atendimento no período da coleta de dados ou que não foram atendidos até o momento da coleta. Foi realizada análise estatística descritiva por meio do cálculo de frequências simples e percentuais para todas as variáveis e média e desvio padrão para as variáveis numéricas. Resultados: Dos 192 prontuários, 169 foram considerados para análise. Noventa e dois por cento da amostra foi caracterizada com diagnóstico de DM2 (57±11 anos) e o sexo feminino foi o mais prevalente (66%). Setenta e oito por cento da amostra que continha informações sobre atividade física em seus prontuários era sedentária. Em 83% dos prontuários, não havia recomendação de exercício físico documentado, e os 17% que apresentavam a descrição eram prontuários de pacientes com DM2.  As indicações de “atividade física”, “mudança do estilo de vida” e “hidroginástica” foram os termos mais documentados para recomendação. Conclusão: Este estudo revelou a baixa taxa de registro sobre a orientação para prática de exercícios físicos de pacientes com DM.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Sociedade Brasileira de Diabetes. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes: 2019-2020 [Internet]. 2019. Disponível em: https://www.diabetes.org.br/profissionais/images/DIRETRIZES-COMPLETA-2019-2020.pdf

International Diabetes Federation. Diabetes Atlas: 2019. 9. ed. Disponível em: https://diabetesatlas.org/upload/resources/material/20200302_133351_IDFATLAS9e-final-web.pdf.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Vigitel Brasil 2019: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico: estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2019. Brasília: 2020.

Jenkins DW, Jenks A. Exercise and diabetes: a narrative review. J Foot Ankle Surg. 2017; 56(5):968-74.

DeWalt DA, Davis TC, Wallace AS, Seligman HK, Bryant-Shilliday B, Arnold CL et al. Goal setting in diabetes self-management: taking the baby steps to success. Patient Educ Couns. 2009; 77(2):218-23.

Alharbi M, Gallagher R, Neubeck L, Bauman A, Prebill G, Kirkness S et al. Exercise barriers and the relationship to self-efficacy for exercise over 12 months of a lifestyle-change program for people with heart disease and/or diabetes. Eur J Cardiovasc Nurs. 2017; 16(4):309-17.

Kennedy A, Narendran P, Andrews RC, Daley A, Greenfield SM. Attitudes and barriers to exercise in adults with a recent diagnosis of type 1 diabetes: a qualitative study of participants in the Exercise for Type 1 Diabetes (EXTOD) study. BMJ open. 2018; 8(1):e017813.

Beckett M, Firestone MA, McKnight CD, Smylie J, Rotondi MA. A cross-sectional analysis of the relationship between diabetes and health access barriers in an urban First Nations population in Canada. BMJ Open. 2018; 8(1):e018272.

Kivelä K, Elo S, Kyngäs H, Kääriäinen M. The effects of health coaching on adult patients with chronic diseases: a systematic review. Patient Educ Couns. 2014; 97(2):147-57.

Funnell MM, Brouwn TL, Childs BP, Haas LB, Hosey GM, Jensen B et al. National standards for diabetes self-management education. Diabetes care. 2009; 32(1):S87-S94.

Lobelo F, Duperly J, Frank E. Physical activity habits of doctors and medical students influence their counselling practices. Br J Sports Med. 2009; 2(43):89-92.

Andrus B, Lacaille D. Reply: 2013 ACC/AHA guideline on the assessment of cardiovascular risk. J Am Coll Cardiol. 2013; 63(25):2886.

World Health Organization. Obesity: preventing and managing the global epidemic. Report of a World Health Organization Consultation. Geneva: World Health Organization; 2000.

Kacerovsky-Bielesz G, Lienhardt S, Hagenhofer M, Kacerovsky M, Forster E, Roth R et al. Sex-related psychological effects on metabolic control in type 2 diabetes mellitus. Diabetologia. 2009; 52(5):781-88.

Mauvais-Jarvis F, Manson JE, Stevenson JC, Fonseca VA. Menopausal hormone therapy and type 2 diabetes prevention: evidence, mechanisms, and clinical implications. Endocr. 2017; 38(3):173-88.

Ferreira CLRA, Ferreira MG. Epidemiological characteristics of diabetic patients within the public health system: an analysis of the HiperDia system. Arq Bras Endocrinol Metabol. 2009; 53(1):80-6.

Rodrigues FFL, Santos MAD, Teixeira CRDS, Gonela JT, Zanetti ML. Relationship between knowledge, attitude, education and duration of disease in individuals with diabetes mellitus. Acta Paul Enferm. 2012; 25(2):284-90.

Faria HTG, Rodrigues FFL, Zanetti ML, Araújo MFMD, Damasceno MMC Fatores associados à adesão ao tratamento de pacientes com diabetes mellitus. Acta Paul Enferm. 2013; 26(3):231-7.

Doak CC, Doak JG, Root C. Teaching patients with low literacy skills. 2. ed. Philadelphia: Mosby; 1995.

Gamba MA, Gotlieb SLD, Bergamaschi DP, Vianna LA. Amputações de extremidades inferiores por diabetes mellitus: estudo casocontrole. Rev Saúde Públ. 2004; 38:399-404.

Blomster JI, Zoungas S, Woodward M, Neal B, Harrap S, Poulter N et al. The impact of level of education on vascular events and mortality in patients with type 2 diabetes mellitus: results from the ADVANCE study. Diabetes Res Clin Pract. 2017; 127:212-17.

Mitchell BD, Stern MP, Haffner SM, Hazuda HP, Patterson JK. Risk factors for cardiovascular mortality in Mexican Americans and non-Hispanic whites: the San Antonio Heart Study. American Journal of Epidemiology. 1990; 131(3):423-33.

Lastra G, Syed S, Kurukulasuriya LR, Manrique C, Sowers JR. Type 2 diabetes mellitus and hypertension: an update. Endocrinol Metab Clin. 2014; 43(1):103-22.

Ravussin E, Smith SR. Increased fat intake, impaired fat oxidation, and failure of fat cell proliferation result in ectopic fat storage, insulin resistance, and type 2 diabetes mellitus. Ann N Y Acad. 2002; 967(1):363-78.

Bhupathiraju SN, Hu FB. Epidemiology of obesity and diabetes and their cardiovascular complications. Cir Res. 2016; 118(11):1723-35.

Stratton IM, Adler AI, Neil HAW, Matthews DR, Manley SE, Cull CA et al. Association of glycaemia with macrovascular and microvascular complications of type 2 diabetes (UKPDS 35): prospective observational study. BMJ open. 2000; 321(7258):405-12.

Chudyk A, Petrella RJ Effects of exercise on cardiovascular risk factors in type 2 diabetes: a meta-analysis. Diabetes care. 2011; 34(5):1228-1237.

Pan XR, Li GW, Hu YH, Wang JX, Yang WY, An ZX et al. Effects of diet and exercise in preventing NIDDM in people with impaired glucose tolerance: the Da Qing IGT and Diabetes Study. Diabetes care. 1997; 20(4):537-44.

Li G, Zhang P, Wang J, Gregg EW, Yang W, Gong Q et al. The long-term effect of lifestyle interventions to prevent diabetes in the China Da Qing Diabetes Prevention Study: a 20-year follow-up study. Lancet. 2008; 371(9626):1783-89.

Negrão CE, Barretto ACP. Cardiologia do Exercício: do atleta ao cardiopata. 2. ed. São Paulo: Manole; 2006. p. 392.

Sophia HH, Mei RF, Liu S, Lin YK, Chang WY. CE: Original research: physical activity among chinese american immigrants with prediabetes or type 2 diabetes. Am J Nurs. 2018; 118(2):24-32.

Korkiakangas EE, Alahuhta MA, Husman PM, Keinänen-Kiukaanniemi S, Taanila AM, Laitinen JH. Motivators and barriers to exercise among adults with a high risk of type 2 diabetes–a qualitative study. Scand J Caring Sci. 2011; 25(1):62-9.

Egan AM, Mahmood WAW, Fenton R, Redziniak N, Kyaw Tun T, Sreenan S, McDermott JH. Barriers to exercise in obese patients with type 2 diabetes. QJM. 2013; 106 (7):635-38.

Brazeau AS, Rabasa-Lhoret R, Strychar I, Mircescu H. Barriers to physical activity among patients with type 1 diabetes. Diabetes Care. 2008; 31(11):2108-09.

Lascar N, Kennedy A, Hancock B, Jenkins D, Andrews RC, Greenfield S et al. Attitudes and barriers to exercise in adults with type 1 diabetes (T1DM) and how best to address them: a qualitative study. PloS one. 2014; 9(9):1080-119.

Barbanti VJ, Tricoli V, Carlos U. Relevância do conhecimento científico na prática do treinamento físico. Rev Paul Educ Fís. 2004; 18(8):101-09.

Mesquita AMO, Deslandes SF. A construção dos prontuários como expressão da prática dos profissionais de saúde. Saúde Soc. 2010; 19:664-73.

Carnaúba MFA. Frequência das anotações de enfermagem no prontuário do paciente [tese]. Salvador: Universidade Federal da Bahia; 1987.

Dillman CJ, Shields CA, Fowles JR, Perry A, Murphy RJ, Dunbar P. Including physical activity exercise in diabetes management: diabetes educators' perceptions of their own abilities the abilities of their patients. Can J Diabetes. 2010; 34(3):218-26.

Downloads

Publicado

2021-09-15

Como Citar

1.
Barbosa de Carvalho L, Pinto da Silva L, Machado de Melo Felix C, Guedes Andrade Ezequiel D, Balbi Seixas M, Fernandes Trevizan P. Caracterização da orientação de exercício físico para pacientes com diabetes e pré-diabetes atendidos em um hospital universitário. hu rev [Internet]. 15º de setembro de 2021 [citado 24º de janeiro de 2022];47. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/34117

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)