Fatores associados à desnutrição em idosos portadores de doença renal crônica em tratamento conservador

Autores

  • Melina Gabriela Monteiro Universidade Federal de Juiz de Fora https://orcid.org/0000-0003-1996-7871
  • Priscila Moreira de Lima Pereira Departamento de Nutrição, Instituto de Ciências Biológicas, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, Minas Gerais, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-7983-6307
  • Íris Teixeira Soares Departamento de Nutrição, Instituto de Ciências Biológicas, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, Minas Gerais, Brasil.
  • Cássia de Fátima Maria de Oliveira Departamento de Nutrição, Instituto de Ciências Biológicas, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, Minas Gerais, Brasil. https://orcid.org/0000-0003-1280-2601
  • Marcus Marcus Gomes Bastos Departamento de Clínica médica, Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, Minas Gerais, Brasil. https://orcid.org/0000-0003-3651-9923
  • Ana Paula Carlos Cândido Departamento de Nutrição, Instituto de Ciências Biológicas, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, Minas Gerais, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.34019/1982-8047.2020.v46.31466

Palavras-chave:

Desnutrição, Idosos, Tabagismo, Insuficiência renal crônica, Tratamento conservador

Resumo

Introdução: A desnutrição está presente nos idosos portadores de doença renal crônica (DRC) em tratamento conservador. É um dos principais fatores que afetam adversamente o prognóstico e está associada ao aumento da morbidade e mortalidade. Objetivo: Avaliar a presença de desnutrição e fatores associados em idosos portadores de DRC em tratamento conservador. Material e Métodos: Estudo epidemiológico, de delineamento transversal, incluindo portadores de DRC estágios 3, 4 e 5 em tratamento conservador com idade maior ou igual a 60 anos. Foram coletados dados socioeconômicos, clínicos, prática de atividade física e antropométricos. As variáveis categóricas foram apresentadas com frequências absolutas e relativas e comparadas, de acordo com o sexo, pelo teste Qui-quadrado de Pearson. Para a avaliação dos fatores relacionados à presença de desnutrição, o IMC foi dicotomizado em desnutridos e não desnutridos e calculou-se a Odds ratio. Resultados: Avaliaram-se 136 indivíduos. A prevalência de desnutrição foi de 13%, segundo IMC, e por meio do índice de tecido magro, constatou-se que 35,2% das mulheres e 30% dos homens apresentaram depleção de massa muscular. Fumantes têm 7,36 vezes mais chances de ter desnutrição quando comparado a um não fumante. Conclusão: Observou-se uma alta prevalência de desnutrição nesse estudo. Não foram encontradas associações relacionadas ao sexo, escolaridade, renda, sedentarismo, estágio DRC, DM e HAS. O tabagismo foi o fator que apresentou associação significativa com a desnutrição.

Biografia do Autor

Priscila Moreira de Lima Pereira, Departamento de Nutrição, Instituto de Ciências Biológicas, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, Minas Gerais, Brasil.

Possui graduação em Nutrição (Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF), especialização em Saúde Pública (Centro Universitário Internacional - UNINTER), especialização em Nefrologia Multidisciplinar (Universidade Federal do Maranhão - UFMA) e mestrado em Saúde Coletiva (UFJF). Atuou como professora substituta no departamento de Nutrição da UFJF, ministrando as disciplinas: Avaliaçao nutricional II, Nutrição de adultos e idosos, orientaçao de estágio clínico e de trabalhos de conclusão de curso. Foi nutricionista do programa HIPERDIA, no Instituto Mineiro de Ensino e Pesquisa em Nefrologia (IMEPEN) e na Agência de Cooperação Intermunicipal em Saúde Pé da Serra (ACISPES). Adicionamente, possui experiencia profissional como nutricionista em residenciais para idosos, em unidades de alimentaçao e nutriçao (atuando no programa de alimentação do trabalhador - PAT) e no Hospital Santa Casa de Misericórdia de Juiz de Fora. No presente, é doutoranda em Saúde Coletiva (UFJF) e membro do Grupo de Pesquisa em Nutrição e Saúde Coletiva (GPENSC). Tem experiência na área de nutrição e saúde coletiva, com ênfase em análise nutricional de populações, atuando principalmente nos seguintes temas: transtornos alimentares, nutrição na maturidade, doenças crônicas não transmissíveis (com enfase em diabetes, hipertensão arterial e doença renal crônica), antropometria, composição corporal e ambiente alimentar.

Íris Teixeira Soares, Departamento de Nutrição, Instituto de Ciências Biológicas, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, Minas Gerais, Brasil.

Atualmente, trabalho como nutricionista clínica na empresa Unimed Vertente do Caparaó. Mestrado em Saúde Coletiva (2019) pela Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Juiz Fora. Especialização em Saúde Pública (2018) pelo Centro Universitário Internacional (UNINTER). Graduada em Nutrição (2016) pela Universidade Federal de Juiz de Fora. No presente momento, é integrante do grupo de pesquisa: "Grupo de Pesquisa em Nutrição e Saúde Coletiva" (GPENSC) e Revisora na HU REVISTA. Tem experiência na área de Nutrição e Saúde Coletiva com ênfase em doenças crônicas: Diabetes Mellitus e Doença Renal Crônica. Atuação em projeto de monitoramento de atenção a doenças crônicas não transmissíveis na cidade de Juiz de Fora.

Marcus Marcus Gomes Bastos, Departamento de Clínica médica, Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, Minas Gerais, Brasil.

Possui graduação em pela Universidade Federal de Juiz de Fora (1974), mestrado em Ciências Médicas pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1979) e doutorado em Medicina (Nefrologia) pela Universidade Federal de São Paulo (1985). Atualmente é professor da Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora e professor da Faculdade Ubaense Ozanam Coelho. Tem experiência na área de Medicina, com ênfase em Nefrologia, atuando principalmente nos seguintes temas: doença renal crônica, chronic kidney disease, insuficiência renal crônica, peritoneal dialysis e ultrasound.

Ana Paula Carlos Cândido, Departamento de Nutrição, Instituto de Ciências Biológicas, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, Minas Gerais, Brasil.

Possui graduação em Nutrição pela Universidade Federal de Ouro Preto (1997), mestrado em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Ouro Preto (2004) e doutorado em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Ouro Preto (2009). Atualmente é professor associado da Universidade Federal de Juiz de Fora. Tem experiência na área de Nutrição, com ênfase em Nutrição e Saúde Coletiva, atuando principalmente nos seguintes temas: doenças não transmissíveis, epidemiologia nutricional, crianças e adolescentes.

Referências

Marinho AWGB, Penha AP, Silva MT, Galvão TF. Prevalência de doença renal crônica em adultos no Brasil: revisão sistemática da literatura. Cad Saúde Colet. 2017; 25(3):379-88.

Oliveira CMC, Kubrusly M, Mota RS, Silva CAB, Oliveira VN. Desnutrição na insuficiência renal crônica: qual o melhor método diagnóstico na prática clínica. Bras Nefrol. 2010; 32(1):57-70.

Stenvinkel P, Heimbürger O, Paultre F, Diczfalusy U, Wang T, Berglund L et al. Strong association between malnutrition, inflammation, and atherosclerosis in chronic Renal failure. Kidney Int. 1999; 55:1899-911.

Berbel MN, Pinto MPR, Ponce D, Balbi AL. Aspectos nutricionais na lesão renal aguda. Rev Assoc Med Bras. 2011; 57(5):600-6.

Souza VA, Oliveira D, Mansur HN, Fernandes NMS, Bastos MG. Sarcopenia na doença renal crônica. J Bras Nefrol. 2015; 37(1):98-105.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (BR). Censo Demográfico 2010 [Internet]. 2010 [citado em ano mês dia]. Disponível em: http://www.censo2010.ibge.gov.br.

Hill NR, Fatoba ST, Oke JL, Hirst JA, O’Callaghan CA, Lasserson DS et al. Global prevalence of chronic kidney disease: a systematic review and meta-analysis. PLoS One. 2016; 11(7): e0158765.

Levey AS, STEVENS LA, Schmid CH, Zhang YZ, 3rd AFC, Feldman HI et al. A new equation to estimate glomerular filtration rate. Ann Intern Med. 2009; 150(9):604-12. doi: 10.7326/0003-4819-150-9-200905050-00006

Matsushita K, Selvin E, Bash LD, Astor BC, Coresh J. Risk implications of the new CKD Epidemiology Collaboration (CKD-EPI) equation compared with the MDRD Study equation for estimated GFR: The Atherosclerosis Risk in Communities (ARIC) Study Am J Kidney Dis. 2010; 55(4):648-59. doi: 10.1053/j.ajkd.2009.12.016

National Kidney Foundation. K/DOQI clinical practice guidelines for chronic kidney disease: evaluation, classification, and stratification. Am J Kidney Dis. 2002; 39(2 Suppl 1): S1‐S266.

Lipschitz DA. Screening for nutritional status in the elderly. Prim Care. 1994; 21(1):55-67.

Organização Mundial da Saúde. Physical status: the use and interpretation of anthropometry. Geneva: WHO; 1995.

Frisancho AR. Anthropometric standards for the assessment of growth and nutritional status. Michigan: The Universityof Michigan Press; 1990.

Kuczmarski MF, Kuczmarski RJ, Najjar M. Descriptive anthropometric reference data for older Americans. J Am Diet Assoc. 2000; 100(1):59-66. doi: 10.1016/S0002-8223(00)00021-3

Harrison GG, Buskirk ER, Lindsay Carter JE, Johnston FE, Lohman TG, Pollock ML et al. Skinfold thicknesses and measurement technique. In: Lohman TG, Roche AF, Martorell R. Anthropometric standardisation reference manual: human kinetics books. 1988.

Wieskotten, S, Moissl, U, Chamney, P, Wabel, P. Reference ranges for human body composition and fluid overload. Measurement: 2006.

Menezes CS, Fortes RC. Estado nutricional e evolução clínica de idosos em terapia nutricional enteral domiciliar: uma coorte retrospectiva. Rev Latino-Am Enfermagem. 2019; 27.

Souza VA, Oliveira D, Mansur HN, Fernandes NMS, Bastos MG. Sarcopenia na doença renal crônica. Brazilian Journal of Nephrology. 2015; 0101-2800.

Clementino AV, Patrício AFO, Lins PRM, Oliveira SCP, Gonçalves MCR. Avaliação nutricional de pacientes com insuficiência renal crônica submetidos à hemodiálise em uma clínica de nefrologia em João Pessoa-PB. R Bras Ci Saúde 2014; 18(4):287-96.

Calado IL, França AKTC, Santos AM, Filho MS. Avaliação nutricional de pacientes renais em programa de hemodiálise em um hospital universitário de São Luís do Maranhão. J Bras Nefrol. 2007; 29(4):215-21.

Silva RKB, Silva RKBB, Silva RPB. Perfil nutricional de pacientes renais crônicos da clínica Nefrológica de Caruaru-PE [trabalho de conclusão de curso]. Caruaru: Faculdade do Vale do Ipojuca, Curso de Nutrição; 2010.27p.

Vieira KLD, Gomes VLO, Borba MR, Costa CFS. Atendimento da população masculina em unidade básica de saúde da família: motivos para a (não) procura. Esc Anna Nery. 2013; 17(1):120-7.

D’amico LF, Franco S, Brecailo MK, Freitas AR, Chiconatt P. Caracterização do estado nutricional de pacientes com insuficiência renal crônica em programa de hemodiálise na Cidade de Guarapuava – Paraná. Uniciências. 2013; 17(1):17-24. DOI: 10.17921/1415-5141.2013v17n1p%p

Menezes NPDM, Cintra SRC, Saldanha TF, Ronaldo LJ, Mazza NM. Censo Brasileiro de Diálise: análise de dados da década 2009-2018. Braz J Nephrol. 2020; 42(2):191-200.

Pereira MLAS, Moreira PA, Oliveira CC, Roriz AKC, Amaral MTR, Mello AL et al. Nutritional status of institutionalized elderly Brazilians: a study with the mini nutritional assessment. Nutr Hosp. 2015; 31(3):1198-04.

Pereira IFS, Spyrides MHC, Andrade LMB. Estado nutricional de idosos no Brasil: uma abordagem multinível. Cad Saúde Pública. 2016; 32(5):e00178814.

Gonçalves-Silva RMV, Valente JG, Ferreira MG, Sichieri R. Tabagismo no domicílio e desnutrição em lactentes. Rev Nutr. 2009; 22(1):19-27.

Santos DS, Elias RM, Dalboni MA, Silva GV, Moysés RMA. Pacientes tabagistas apresentam fósforo sérico mais elevado. J Bras Nefrol. 2019; 41(2). DOI: 10.1590/2175-8239-JBN-2018-0156

Boscatto EC, Duarte MFS, Coqueiro RS, Barbosa AR. Estado nutricional em idosos mais velhos e fatores associados. Rev Assoc Med Bras. 2013; 59(1):40-7.

Tarifas D, Barbosa AR, Borgatto AF, Coqueiro RS, Fernandes MH. Fatores associados ao estado nutricional de duas regiões do Brasil. Rev Assoc Med Bras. 2012; 58(4):434-41.

Leite LEA, Resende TL, Nogueira GM, Cruz IBM, Schneider RH, Gottlieb MGV. Envelhecimento, estresse oxidativo e sarcopenia: uma abordagem sistêmica. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2012; 15:365-80.

Ghorabi S, Ardehali H, Amiri Z, Shariatpanahi V. Association of the adductor pollicis muscle thickness with clinical outcomes in intensive care unit patients. Nutrition in Clinical Practice. 2016; 31(4):523-6.

Souza VA, Oliveira D, Mansur HN, Fernandes NMS, Bastos MG. Sarcopenia na doença renal crônica. 2015; J Bras Nefrol. 2015; 37(1):98-105.

Carrero JJ, Chmielewski M, Axelsson J, Snaedal S, Heimbürger O, Bárány P et al. Muscle atrophy, inflammation and clinical outcome in incident and prevalent dialysis patients. Clin Nutr. 2008; 27(4):557-64.

Wang AY, Sea MM, Ho ZS, Lui SF, Li PK, Woo J. Evaluation of handgrip strength as a nutritional marker and prognostic indicator in peritoneal dialysis patients. Am J Clin Nutr. 2005; 81(1):79-86.

Fahal IH. Uraemic sarcopenia: aetiology and implications. Nephrol Dial Transplant. 2014; 29(9):1655-65.

Campbell KL, Ash S, Davies PS, Bauer JD. Randomized controlled trial of nutritional counseling on body composition and dietary intake in severe CKD. Am J Kidney Dis. 2008; 51(5):748-58.

Downloads

Publicado

2021-02-10

Como Citar

1.
Gabriela Monteiro M, Moreira de Lima Pereira P, Teixeira Soares Íris, de Fátima Maria de Oliveira C, Marcus Gomes Bastos M, Carlos Cândido AP. Fatores associados à desnutrição em idosos portadores de doença renal crônica em tratamento conservador. hu rev [Internet]. 10º de fevereiro de 2021 [citado 7º de março de 2021];46:1-8. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/31466

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)