Perfil dos casos de abandono do tratamento da tuberculose em um município prioritário mineiro

Autores

  • Érika Andrade Silva Universidade Federal de Juiz de Fora https://orcid.org/0000-0002-5752-7829
  • Girlene Alves da Silva Universidade Federal de Juiz de Fora- Faculdade de Enfermagem
  • Isabel Cristina Gonçalves Leite Universidade Federal de Juiz de fora- Faculdade de Medicina http://orcid.org/0000-0003-1258-7331
  • Camila Ribeiro Araújo Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Bárbara Aparecida Souza Correia Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Izabella Nunes Ambrozini de Souza Universidade Federal de Juiz de Fora

DOI:

https://doi.org/10.34019/1982-8047.2018.v44.16924

Palavras-chave:

Tuberculose, Epidemiologia, Vulnerabilidade Social, Pacientes Desistentes do Tratamento

Resumo

Introdução:  tuberculose é uma doença milenar que ainda constitui um grande problema de saúde pública.  É legítima a necessidade de consideração das implicações sociais e epidemiológicas que a TB possui, para o alcance da sua prevenção e controle., e mesmo diante dos esforços já instituídos, o abandono do tratamento da tuberculose tem se tornado cada vez mais frequente. Objetivo: Descrever o perfil dos casos de s abandono do tratamento da tuberculose em um município prioritário mineiro, no período de 2008 a 2017, compreendendo fatores sociodemográficos, clínicos e comportamentais dos indivíduos e do tratamento. Material e Métodos: Trata-se de um estudo do tipo ecológico do tipo série temporal, realizado mediante consulta de dados secundários disponíveis no Sistema de Informações de Agravos e Notificação (SINAN). Os dados obtidos foram armazenados e consolidados para cálculo de frequência absoluta e relativa e representados nas tabelas. Resultados: Foram registrados 554 casos de abandono do tratamento de tuberculose, com predomínio do sexo masculino, faixa etária de 30 a 49 anos, pretos, com nível de escolaridade fundamental incompleto, apresentando tuberculose em forma pulmonar, HIV negativos, etilistas e usuários de droga. Entre os casos de abandono há preeminência do HIV negativo, baixa realização de testagem HIV, não realização de tratamento diretamente observado, sendo o serviço de referência especializada como a unidade de acompanhamento da condição de saúde. Conclusão: O perfil encontrado é consoante com os indivíduos de maiores taxas de incidência da doença, bem como com os mais elevados índices de mortalidade pela tuberculose em todo o território nacional. O nível de escolaridade do indivíduo apresentou-se como uma característica importante no seguimento do tratamento, assim como a realização do tratamento observado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Érika Andrade Silva, Universidade Federal de Juiz de Fora

Departamento Materno Infantil e Saúde Pública

Girlene Alves da Silva, Universidade Federal de Juiz de Fora- Faculdade de Enfermagem

Departamento de Enfermagem Aplicada

Isabel Cristina Gonçalves Leite, Universidade Federal de Juiz de fora- Faculdade de Medicina

Departamento de Saúde Coletiva

Camila Ribeiro Araújo, Universidade Federal de Juiz de Fora

Faculdade de Enfermagem

Bárbara Aparecida Souza Correia, Universidade Federal de Juiz de Fora

Faculdade de Enfermagem

Izabella Nunes Ambrozini de Souza, Universidade Federal de Juiz de Fora

Faculdade de Enfermagem

Referências

AMANTE, T. D., ABDOSH, T. Risk factors for unsuccessful tuberculosis treatment outcome (failure, default and death) in public health institutions, Easter Ethiopia. The Pan African Medical Journal, v. 20, p. 247. mar. 2015.

ANDUAGA-BERAMENDI, A.; MATICORENA-QUEVEDO, J.; BEAS, R.; CHANAMÉ-BACA, D. M.; VERAMENDI, M.; WIEGERING-ROSPIGLIOSI, A.; et al. Factores de riesgo para el abandono del tratamiento de tuberculosis pulmonar sensible en un establecimiento de salud de atención primaria, Lima, Perú. Acta Médica Peru, v. 33, n. 1, p. 8- 21, 2016.

BELO, M. T. C, T.: LUIZ, R. R.; HANSON; C., SELIG, L., TEIXEIRA, E. G.; CHALFOUN, T. et al. Tuberculose e gênero em um município prioritário no estado do Rio de Janeiro. Jornal Brasileiro de Pneumologia, v. 36, n. 5, p 621–625, 2010.

BRASIL. Ministério da Saúde. Perspectivas brasileiras para o fim da tuberculose como problema de saúde pública. Boletim Epidemiológico, v. 47, n. 13, p 1–15, 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Brasil Livre da Tuberculose: Plano Nacional pelo Fim da Tuberculose como Problema de Saúde Pública. Brasília, DF, 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Indicadores prioritários para o monitoramento do plano Nacional pelo Fim da Tuberculose como problema de Saúde Pública no Brasil. Boletim Epidemiológico, v.48, n. 8, p 1–11, 2017b.

BRASIL. Ministério da Saúde. Brasil Livre da Tuberculose: evolução dos cenários epidemiológicos e operacionais da doença. Boletim Epidemiológico, v.50, n.09, p 1–18, 2019.

BRASIL. Manual de Recomendações para o Controle da tuberculose no Brasil. Brasília, DF, 2018.

CORTEZI, M. D.; SILVA, M.V. Abandono do tratamento da tuberculose em pacientes co-infectados com HIV, em Itajaí, Santa Catarina, 1999 - 2004. Boletim de Pneumologia Sanitária, v.14, n.3, p.145–152, 2016.

COUTINHO, L. A. S. A.; OLIVEIRA, D.S., SOUZA, G. F.; FILHO, G. M. C. F, SARAIVA, M. G. Perfil epidemiológico da tuberculose no município de João Pessoa – PB, entre 2007-2010. Revista Brasileira de Ciências da Saúde, v. 16, n. 1, p. 35–42, 2012.

CUNHA, C. C.; VIANA, T.V.; OLIVEIRA, C.C.; ARRUDA, S.; TAKENAMI, I. Descrição dos casos de tuberculose diagnosticados em um centro de saúde de Salvador, Bahia. Revista Baiana de Saúde Pública, v. 39, n. 3, p. 617–626, 2015.

FERREIRA, S. M. B.; SILVA, A. M. C.; BOTELHO, C. Abandono do tratamento da tuberculose pulmonar em Cuiabá - MT - Brasil. Jornal Brasileiro de Pneumologia, v. 31, n. 5, p. 427–435, 2005.

HOLTZ, T. H.; LANCASTER, J.; LASERSON, K.F.; WELLS, C.D.; THORPE, L.; WEYER, K. Risk factors associated with default from multidrug-resistant tuberculosis treatment, South Africa, 1999-2001. The International Journal of Tuberculosis and Lung Disease, v. 10, n. 6, p. 649–655, jun. 2006.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Juiz de Fora: panorama. c2017b. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/mg/juiz-de-fora/panorama . Acesso em 21 dez. 2018.

LIMA, M. B.; MELLO, D. A.; MORAIS, A. P. P.; SILVA, W. C. Estudo de casos sobre abandono do tratamento da tuberculose: avaliação do atendimento, percepção e conhecimentos sobre a doença na perspectiva dos clientes -Fortaleza, Ceará, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, v. 17, n. 4, p. 877–885, 2001.

MACHADO, J. C.; BOLDORI, J. D. M.; DALMOLIN; M. D.; SOUZA BAZZANELLA, S.L.; BIRKNER, W. M. K., et al. A incidência de tuberculose nos presídios brasileiros: revisão sistemática. Revista Brasileira de Ciências da Saúde, v. 14, n. 47, p. 84–88, 2016.

MENDES, A. M.; FENSTERSEIFER, L. M. Tuberculose: porque os pacientes abandonam o tratamento? Boletim de Pneumologia Sanitária. v. 12, n. 1, p. 27–38, 2004.

MONTEIRO, P.C.; GAZETTA, C. E. Aspectos epidemiológicos, clínicos e operacionais do controle da tuberculose em um Hospital Escola - 1999 a 2004. Revista Arquivos de Ciências da Saúde. v. 14, n. 2, p. 99–106, 2007.

OLIVEIRA, H. B.; MOREIRA FILHO, D. C. Abandono de tratamento e recidiva da tuberculose: aspectos de episódios prévios, Campinas, SP, Brasil, 1993-1994. Revista de Saúde Pública. n. 34, n. 5, p. 437–443, 2000.

PAIXÃO, L. M. M.; GONTIJO; E.D. Perfil de casos de tuberculose notificados e fatores associados ao abandono, Belo Horizonte, MG. Revista de Saúde Pública, n. 41, v. 2, p 205–213, 2007.

RUFFINO-NETTO, A. Tuberculose: a calamidade negligenciada. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 35, n. 1, p. 51–58, 2002.

VIANA, P. V. S.; REDNER, P.; RAMOS, J.P. Fatores associados ao abandono e ao óbito de casos de tuberculose drogarresistente (TBDR) atendidos em um centro de referência no Rio de Janeiro, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, v. 34, n. 5, 2018.

SAN PEDRO, A.; OLIVEIRA, R.M. Saúde Pública - Tuberculose e indicadores socioeconômicos: revisão sistemática da literatura. Revista Panamericana de Salud Pública, n. 33, v. 4, p. 294–301, 2013.

SILVA, C. C. A. V.; ANDRADE, M. S.; CARDOSO, M. D. Fatores associados ao abandono do tratamento o de tuberculose em indivíduos acompanhados em unidades de saúde de referência na cidade do Recife, Estado de Pernambuco, Brasil, entre 2005 e 2010. Epidemiologia e Serviços Saúde, v.22, n.1, p.77–85, 2013.

SOARES, M.L.M.; AMARAL, N. A. C.; ZACARIAS, A. C.P.; RIBEIRO, L.K.N.P.; et al. Aspectos sociodemográficos e clínico-epidemiológicos do abandono do tratamento de tuberculose em Pernambuco, Brasil, 2001-2014. Epidemiologia e Serviços Saúde, v. 26, n. 2, p. 369–378, 2017.

WHO. World Health Organization. Global tuberculosis report 2015. Geneva, 2015. Disponível em: https://www.who.int/tb/en/. Acesso em 10 dez 2018.

WHO. World Health Organization. Global tuberculosis report 2016. Geneva,2016. Disponível em: https://www.who.int/tb/en/. Acesso em 10 dez 2018.

WHO. World Health Organization. Global tuberculosis report 2017. Geneva, 2017. Disponível em: https://www.who.int/tb/en/. Acesso em 12 jan 2019.

Downloads

Publicado

2019-06-21

Como Citar

1.
Silva Érika A, da Silva GA, Leite ICG, Araújo CR, Correia BAS, de Souza INA. Perfil dos casos de abandono do tratamento da tuberculose em um município prioritário mineiro. hu rev [Internet]. 21º de junho de 2019 [citado 16º de agosto de 2022];44(3):351-60. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/16924

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)