Perfil epidemiológico da tuberculose nas macrorregiões de saúde do estado de Minas Gerais no período de 2006 a 2016

Autores

  • Ricardo Miranda Borges Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Amanda Batista Martins Silva
  • Camila Soares Lima Corrêa
  • Isabel Cristina Gonçalves Leite

DOI:

https://doi.org/10.34019/1982-8047.2018.v44.14034

Palavras-chave:

Tuberculose, Epidemiologia, Indicadores Básicos de Saúde

Resumo

Introdução: A tuberculose é um problema de saúde pública devido a sua ampla dispersão geográfica e por estar intimamente ligada às condições de vulnerabilidade socioeconômicas, sendo atualmente responsável pelo adoecimento de cerca de 10 milhões de pessoas no mundo. Objetivo: avaliar o perfil epidemiológico da tuberculose no período de 2006 a 2016 nas macrorregiões de saúde de Minas Gerais (MG). Material e Métodos: estudo ecológico com base em dados secundários do Sistema de Informação sobre Agravos de Notificação (SINAN) e do Sistema de Informação de Mortalidade (SIM), que visa analisar indicadores epidemiológicos da tuberculose nas macrorregiões de saúde do estado de Minas Gerais no período de 2006 a 2016. Resultados: No período estudado, foram diagnosticados 42.394 novos casos de tuberculose em Minas Gerais, com uma média de 3.854 casos/ano, sendo a forma pulmonar da doença predominante nos casos novos. Houve declínio do coeficiente de incidência geral, com valor médio de 19,1 casos / 100.000 habitantes em Minas Gerais durante o período, apresentando predomínio no sexo masculino. Quanto aos valores de encerramento de caso como cura e abandono de tratamento observou-se que o estado não alcançou as metas preconizadas pela Organização Mundial de Saúde, que são respectivamente 85% e 5%. A incidência de coinfecção HIV-Tuberculose obteve um valor máximo de 3,6 e mínimo de menos de 1 caso/100.000 habitantes. O percentual de tratamento diretamente observado foi menor que 50% na maioria das macrorregiões de saúde e no estado avaliado como um todo. O coeficiente de mortalidade oscilou ao longo do período analisado, sendo em 2016 1,25 mortes/ 100.000 habitantes. Conclusão: O perfil epidemiológico da tuberculose variou entre as macrorregiões de saúde. O número de casos novos, a mortalidade e o percentual de abandono foram relevantes, assim como o percentual de cura e tratamento diretamente observado foram abaixo do preconizado pelo Ministério da Saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDRADE, K. V. F. DE et al. Effects of social protection on tuberculosis treatment outcomes in low or middle-income and in high-burden countries: systematic review and meta-analysis. Cadernos de Saúde Pública, v. 34, n. 1, p. 1-18, feb. 2018.

AUGUSTO, C. J. et al. Características da tuberculose no estado de Minas Gerais entre 2002 e 2009. Jornal Brasileiro de Pneumologia, v. 39, n. 3, p. 357–364, mar./jun. 2013.

BARNES, P. F.; HAVLIR, D. V. Tuberculosis in Patients With Human Immunodeficiency Virus Infection. The New England Journal of Medicine, v. 340, n. 5, p. 367–373, feb. 1999.

BARREIRA, D. Os desafios para a eliminação da tuberculose no Brasil. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 27, n. 1, p. 1-4, mar. 2018.

BELO, M. T. C. T. et al. Tuberculose e gênero em um município prioritário no estado do Rio de Janeiro. Jornal Brasileiro de Pneumologia, v. 36, n. 5, p. 621–625, set./out. 2010.

BRASIL. Ministério da Saúde. Departamento de informática do SUS - DATASUS. Tuberculose: casos confirmados notificados no sistema de informação de agravos de notificação, Minas Gerais. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sinannet/cnv/tubercmg.def. Online. Acesso em: 21 fev. 2019.

BRASIL. IBGE. Panorama de Minas Gerais - Brasil em síntese . Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/mg/panorama. Online. Acesso em 28 set. 2018.

BRASIL. Resolução Nº 466, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2012. Brasília-DF, Dez, 2012.

BRASIL. Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais. Tuberculose. Disponível em: http://www.saude.mg.gov.br/tuberculose. Online. Acesso em 15 jul. 2018.

COÊLHO, D. M. M. et al. Perfil epidemiológico da tuberculose no Município de Teresina-PI , no período de 1999 a 2005. Revista Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 19, n. 1, p. 33–42, jan./mar 2010.

CORRÊA, C. S. L. et al. Rastreamento do câncer do colo do útero em Minas Gerais : avaliação a partir de dados do Sistema de Informação do Câncer do Colo do Útero ( SISCOLO ). Cadernos Saúde Coletiva, v. 25, n. 3, p. 315–323, jul. 2017.

DOMINGUES, E. P.; MAGALHÃES, A. S.; FARIA, W. R. Infraestrutura, Crescimento E Desigualdade Regional: uma projeção dos impactos dos investimentos do programa de aceleração do crescimento (PAC) em Minas Gerais*. Pesquisa e Planejamento Econômico, v. 39, n. 1, p. 121-158, abr. 2009.

FAÇANHA, M. C. Tuberculose: subnotificação de casos que evoluíram para o óbito em Fortaleza-CE. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 8, n. 1, p. 25-30, mar. 2005.

MAGALHÃES, M. DE A. F.; MEDRONHO, R. D. A. Análise espacial da Tuberculose no Rio de Janeiro no período de 2005 a 2008 e fatores socioeconômicos associados utilizando microdado e modelos de regressão espaciais globais. Ciência e Saúde Coletiva, v. 22, n. 3, p. 831-840, mar. 2017.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Tratamento diretamente observado (TDO) da tuberculose na atenção básica: protocolo de enfermagem. Brasília – DF: 2011. Dísponivel em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/tratamento_diretamente_observado_tuberculose.pdf. Acesso em 20 jul. 2018.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Plano Nacional pelo Fim da Tuberculose como Problema de Saúde Pública. Brasília – DF: 2017. Dísponivel em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/brasil_livre_tuberculose_plano_nacional.pdf Acesso em 20 jul. 2018.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Panorama da Tuberculose no Brasil: Diagnóstico situacional a partir de indicadores epidemiológicos e operacionais. Brasília – DF: 2018. Dísponivel em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/tuberculose_brasil_indicadores_epidemiologicos_operacionais.pdf. Acesso em 20 jul. 2018.

OLIVEIRA, G. P. DE et al. Uso do sistema de informação sobre mortalidade para identificar subnotificação de casos de tuberculose no Brasil. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 15, n. 3, p. 468-477, set. 2012.

OROFINO, R. DE L. et al. Preditores dos desfechos do tratamento da tuberculose. Jornal Brasileiro de Pneumologia, v.38, n.1, p. 88-97, fev. 2012.

PAIXÃO, L. M. M.; GONTIJO, E. D. Perfil de casos de tuberculose notificados e fatores associados ao abandono, Belo Horizonte, MG. Revista de Saúde Pública, v. 41, n. 2, p. 205-213, abr. 2007.

PEDRO, A. S. et al. Tuberculose como marcador de iniquidades em um contexto de transformação socioespacial. Revista de Saúde Pública, v. 51, n. 9, p. 1-10, jul./dez. 2017.

PEDRO, A. S.; OLIVEIRA, R. M. DE. Tuberculose e indicadores socioeconômicos : revisão sistemática da literatura. Revista Panamericana de Salud Pública, v. 33, n. 4, p. 294-301, may. 2013.

PEREIRA, J. DA C. et al. Perfil e seguimento dos pacientes com tuberculose em município prioritário no Brasil. Revista de Saúde Pública, v.49, n.6, p. 1-12, fev. 2015.

PINHEIRO, R.; ANDRADE, V. D. L.; OLIVEIRA, G. P . DE. Subnotificação da tuberculose no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN): abandono primários de bacilíferos e captação de casos em outras fontes de informação usando linkage probabilístico. Cadernos de Saúde Pública, v. 28, n. 8, p. 1559-68, ago. 2012.

SILVA, D. R. et al. Fatores de risco para tuberculose : diabetes , tabagismo , álcool e uso de outras drogas. Jornal Brasileiro de Pneumologia Brasileiro de Pneumologia, v. 44, n. 2, p. 145–152, mar./abr. 2018.

SOARES, M. L. M. et al. Aspectos sociodemográficos e clínico-epidemiológicos do abandono do tratamento de tuberculose em Pernambuco, Brasil, 2001-2014. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 26, n. 2, p. 369–378, jun. 2017.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PNEUMOLOGIA E TISIOLOGIA. III Diretrizes para Tuberculose da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia. Jornal Brasileiro de Pneumologia, v. 35, n. 10, p 1018-1048, out. 2009.

VACHON, J.; GALLANT, V.; SIU, W. La tuberculose au Canada, 2016. Relevé des maladies transmissibles au Canada, v. 44, n. 3/4, p. 85-91, mar. 2018.

VICTOR, P. et al. Fatores associados ao abandono e ao óbito de casos de tuberculose drogarresistente (TBDR) atendidos em um centro de referência no Rio de Janeiro. Cadernos de Saúde Pública, v. 34, n. 5, p. 1-11, may. 2018.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Global Tuberculosis Report. Geneva: 2018. Disponível em: https://www.who.int/tb/publications/global_report/en/. Acesso em 20 jul. 2018.

Downloads

Publicado

2019-06-21

Como Citar

1.
Borges RM, Silva ABM, Corrêa CSL, Leite ICG. Perfil epidemiológico da tuberculose nas macrorregiões de saúde do estado de Minas Gerais no período de 2006 a 2016. hu rev [Internet]. 21º de junho de 2019 [citado 5º de outubro de 2022];44(3):333-41. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/14034

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)