A vivência materna diante do defeito congênito: contribuições para a prática da enfermagem

  • Fabiana Nascimento Lopes UFJF
  • Flávia Andrade Fialho Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Iêda Maria Ávila Vargas Dias Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Lilian do Nascimento Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Mariana Braga de Almeida Universidade Federal de Juiz de Fora
Palavras-chave: Defeito Congênito. Enfermagem. Humanização

Resumo

Os defeitos congênitos estão mais próximos da nossa realidade do que pensamos, hoje é das principais causas de mortes neonatais. A criança com defeito congênito possui características que representam uma afronta aos padrões de normalidade, podendo representar uma quebra na interação social entre o binômio mãe-filho. Frente isto, nos propomos a realizar o presente estudo que tem como objetivo descrever a vivência das mães em ter um filho portador de defeito congênito e discutir o papel da enfermagem no cuidado prestado a esta criança e seus familiares.  Trata-se de uma pesquisa descritiva de abordagem qualitativa em que os dados coletados permitiram a construção de três categorias analíticas: O filho imaginado e o filho real; Descobrindo o defeito congênito do filho; e A atuação dos profissionais diante do defeito congênito na percepção da mãe. Na conclusão evidencia-se que para as mães o nascimento de uma criança com defeito congênito, é um momento delicado e conflitante que demanda o atendimento de profissionais qualificados neste cenário em que a humanização e o conhecimento técnico-científico são imprescindíveis. 

Biografia do Autor

Fabiana Nascimento Lopes, UFJF

Enfermeira Pesquisadora do Núcleo de Pesquisa em Enfermagem Materno Infantil e Saúde Coletiva da Universidade Federal de Juiz de Fora

Flávia Andrade Fialho, Universidade Federal de Juiz de Fora
Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Escola de Enfermagem da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF-MG) Brasil. Pesquisadora do Núcleo de Pesquisa em Saúde Materno Infantil e Saúde Coletiva - FACENF – UFJF
Iêda Maria Ávila Vargas Dias, Universidade Federal de Juiz de Fora
Doutora em Enfermagem. Professora do Departamento de Enfermagem Materno-Infantil e Saúde Coletiva da Universidade Federal de Juiz de Fora – Coordenadora do Núcleo de Pesquisa em Enfermagem Materno Infantil e Saúde Coletiva
Lilian do Nascimento, Universidade Federal de Juiz de Fora
Enfermeira Pesquisadora do Núcleo de Pesquisa em Enfermagem Materno Infantil e Saúde Coletiva da Universidade Federal de Juiz de Fora
Mariana Braga de Almeida, Universidade Federal de Juiz de Fora
Enfermeira Pesquisadora do Núcleo de Pesquisa em Enfermagem Materno Infantil e Saúde Coletiva da Universidade Federal de Juiz de Fora
Publicado
2011-09-21
Como Citar
1.
Lopes FN, Fialho FA, Dias IM Ávila V, Nascimento L do, Almeida MB de. A vivência materna diante do defeito congênito: contribuições para a prática da enfermagem. hu rev [Internet]. 21º de setembro de 2011 [citado 15º de agosto de 2020];37(1). Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/1387
Seção
Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)